Pátio do IML segue lotado de familiares à espera de corpos

Depois de uma segunda-feira bastante agitada na portaria do Instituto de Medicina Legal (IML), em Santo Amaro, no Recife, a terça-feira também amanheceu movimentada no local. Mais uma vez, dezenas de familiares estavam à espera das liberações dos corpos para providenciar os sepultamentos. Fontes do blog apontam que o dia começou com um total de 27 corpos para serem periciados e liberados. Ontem, a Secretaria de Defesa Social (SDS) havia informado que apenas quatro corpos estavam no IML e que seriam liberados até o final do expediente dessa segunda-feira.

Foto: Julio Jacobina/DP

Na manhã desta terça-feira, muita gente ainda estava no local. Foto: Julio Jacobina/DP

Hoje pela manhã, a dona de casa Silvania Maria Gomes, 38 anos, estava aflita na portaria do IML. O pai dela, um senhor de 75 anos, morreu no início da manhã dessa segunda-feira e, até as 10h, o corpo não havia sido liberado. “Além dessa demora toda para liberar o corpo, ainda houve outro problema. Meu pai morreu por volta das 5h, mas o carro do IML só chegou para recolher o corpo perto das 14h. Isso é um descaso. A gente já sofre pela perda e ainda passa por isso quando chega aqui. Tratam as pessoas como bichos”, reclamou Silvania. O pai dela, José Francelino Gomes, morreu depois de levar uma queda da cama.

A SDS se pronunciou por meio da nota abaixo:

Os serviços periciais no IML estão sendo desenvolvidos sem nenhum tipo de interrupção ou problema, incluindo o serviço de remoção de corpos. No dia de hoje e até o presente momento, foram feitas 22 necropsias, além de todos os outros exames periciais feitos rotineiramente (sexológicos, traumatológicos, histopatológicos, etc). No momento, há apenas cinco corpos sendo periciados e que deverão ser entregues às famílias até o final do dia. Esclarecemos que o IML não realiza apenas remoção e liberação de corpos. A razão de ser do IML é realizar perícias de natureza médico legal, em busca de provas materiais que determinem a causa e as circunstâncias da morte, cujo laudo pericial fará parte de uma investigação policial. O tempo para a conclusão de uma perícia tanatoscópica depende de vários fatores (documentação, identificação do cadáver, condições do cadáver,  tempo entre o óbito e a chegada ao IML, necessidade de exames complementares, etc), fatores estes que determinam o nível de dificuldade para se chegar às respostas necessárias e com qualidade suficiente para subsidiar a justiça e esclarecer crimes. Neste contexto, o perito médico legista tem o tempo que julgar necessário para a conclusão dos trabalhos periciais e consequente liberação do corpo para sepultamento. Diante do exposto, naturalmente, algumas perícias demandam mais tempo que outras e a espera muitas vezes é inevitável.

Leia mais sobre o assunto em:

Parentes reclamam da demora na liberação de corpos no IML

Parentes reclamam da demora na liberação de corpos no IML

O alto índice de violência em Pernambuco tem causado ainda outra dor em parentes e amigos de pessoas assassinadas ou mortas em acidentes. A espera pela liberação dos corpos por parte do Instituto de Medicina Legal (IML) deixa as famílias revoltadas. Na tarde desta segunda-feira, o blog registrou uma grande quantidade de pessoas à espera de notícias sobre a liberação dos corpos para sepultamento. “Estou esperando desde a noite do domingo e até agora não deram nenhuma previsão para a liberação. Isso é um absurdo”, declarou uma dona de casa que esperava o corpo do irmão.

Dezenas de pessoas estavam na portaria do IML na tarde desta segunda-feira. Foto: Wagner Oliveira/DP

Dezenas de pessoas estavam na portaria do IML na tarde desta segunda-feira. Foto: Wagner Oliveira/DP

Fontes do blog informaram que no início da manhã desta segunda-feira, 31 corpos estavam aguardando perícias para serem liberados. “Todas as segundas-feiras fica uma multidão aqui na frente. As pessoas sofrem duas vezes quando ficam esperando os corpos para enterrar”, disse um comerciante que trabalha perto do IML. Procurada, a Secretaria de Defesa Social (SDS) enviou nota afirmando que a direção do IML informou que não havia atraso na liberação de corpos.

A nota dizia ainda que por volta das 17h30 havia “apenas” quatro corpos sendo periciados para serem liberados ainda nesta segunda-feira. No entanto, o blog ouviu um funcionário do IML informar a algumas pessoas que os corpos dos seus familiares só seriam liberados nesta terça-feira.

IML do Recife enterra corpos como indigentes e revolta famílias

Em menos de duas semanas, familiares de dois homens denunciam que os corpos saíram do Instituto de Medicina Legal (IML), no bairro de Santo Amaro, para serem enterrados como indigentes mesmo os parentes tendo indo várias vezes ao local procurá-los. O caso mais recente foi descoberto nessa terça-feira quando a família do armador de andaime Alan Porto Damasceno, 34 anos, soube pela Polícia Civil de Pernambuco que ele estava morto desde o dia 4 deste mês.

Francisca quer levar corpo do filho para Bahia. Wagner Oliveira/DP/D.A Press

Francisca quer levar corpo do filho para Bahia. Wagner Oliveira/DP/D.A Press

Alan saiu de casa na noite do dia 3 de maio e a família iniciou uma busca sem sucesso. Mesmo estando identificado, o corpo seguiu para o Cemitério Parque das Flores onde foi sepultado como indigente sob a alegação de que não foi reclamado pela família. O caso será levado à Justiça, para que uma exumação seja autorizada e o corpo levado para a Bahia, estado dos parentes de Alan. “Pernambuco vai ter que resolver esse problema. Foi um erro grave, fomos diversas vezes no IML e ninguém conseguia localizar o corpo do meu filho que já estava lá”, desabafou a aposentada Maria Francisca Damasceno, 65.

Drama semelhante está sendo enfrentado pela família do empresário Wodysnei Rodrigues Martins, 33. Depois de passar 12 dias sem identificação no necrotério do IML, o corpo dele também foi enterrado como indigente. A família espera decisão da Justiça para exumar o cadáver, que também está no Parque das Flores, para levá-lo para Goiás, terra natal do empresário.

Segundo a gestora do IML, Joyse Breenzinckr, o órgão cumpre os preceitos legais, íncitos na Lei 6.015/73 (Lei de Registros Públicos) cujo sepultamento do corpo deve ocorrer até 15 dias da data do óbito, sem que se faça necessária autorização judicial. Por meio de nota, a assessoria da Secretaria de Defesa Social (SDS) explicou que no caso de Alan Porto, que já estava identificado, mas não foi reclamado pela família foi submetido ao mesmo procedimento de um corpo não identificado. Ou seja, o sepultamento deve ocorrer até 15 dias depois do óbito.

No entanto, uma portaria de Nº 1461 da SDS, datada de 11 de abril deste ano informa que “os corpos não reclamados por familiares deverão ter seu sepultamento a partir de oito dias, respeitando- se a Lei de Registros Públicos anteriormente citada, no que limita o prazo até 15 dias. Portanto, o prazo para sepultamento dos corpos que dão entrada no IML pode ocorrer no período entre 8 e 15 dias da data do óbito.”

Famílias sofrem para liberar corpos dos parentes no IML

Desde cedo, parentes de pessoas que foram vtimas de mortes violentas no Grande Recife sofrem na recepção do Instituto de Medicina Legal (IML), no bairro de Santo Amaro, para liberar os corpos para sepultamento. Algumas pessoas chegaram ao órgão às 7h e apenas depois das 11h conseguiram a documentação para providenciar o enterro.

Familiares das vítimas sofrem à espera dos corpos. Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A/Press

Um mototaxista que preferiu não ter o nome publicado estava com mais três familiares para tentar liberar o corpo do sobrinho que foi assassinado na noite desse domingo. “Estamos aqui desde 7h30 e até agora está faltando a médica assinar o atestado. Isso é um absurdo. Todo mundo aqui já está sofrendo muito e chega no IML ainda tem que passar por uma situação dessas”, reclamou.

Segundo funcionários das funerárias das proximidades do IML, quase todas as segundas-feiras está havendo a demora na liberação dos corpos. “Isso tem sido uma coisa frequente. E agora os agentes funerários estão proibidos de entrar no IML. As famílias têm que resolver tudo sozinhas. Colocaram um policial na portaria do instituto apenas para barrar nossa entrada”, revelou um agente funerário.