Explosivos usados em investidas contra bancos têm sido apreendidos

Duas apreensões recentes de explosivos utilizados para destruir caixas eletrônicos e até cofres de agências bancárias foram realizadas pela Polícia Militar. Diante do cenário de pânico em que estão as cidades do interior do estado devido às explosões de agências bancárias, é importante que haja maior controle na comercialização desse tipo material, o que é de responsabilidade do Exército Brasileiro. Além disso, nos últimos meses, dinamites também foram usadas para explodir paredes de unidades prisionais. Infelizmente, esse tipo de material tem sido usado com frequência por grupo criminosos.

No final do mês de outubro, depois de uma explosão a caixas eletrônicos do Shopping Costa Dourada, no Cabo de Santo Agostinho, policiais militares do Grupo de Apoio Tático Itinerante (Gati) do 18º BPM conseguiram prender um homem suspeito de ter participado da ação criminosa. Com ele, o sargento Roosevelt e os soldados Alcântara e Benjamin apreenderam 42 bananas de dinamite, 2,3kg de cocaina, 85 espoletas, uma peça de estopim, um revolvér calibre 38, uma balança de precisão, 54 pedras de crack, 26 petecas de cocaína, além de outros objetos usados em investidas a banco.

Materia encontrado em São Lourenço foi levado para delegacia. Foto: Divulgação/Polícia Militar

Materia encontrado em São Lourenço foi levado para delegacia. Foto: Divulgação/Polícia Militar

Poucos dias depois, a Polícia Militar apreendeu cerca de 55 quilos de explosivos que estavam dentro de uma mala nas proximidades da Arena de Pernambuco, em São Lourenço da Mata, na Região Metropolitana do Recife (RMR). De acordo com a polícia, a mala foi encontrada por um morador do bairro da Muribara, às margens da BR-408, que fez a denúncia ao Ciods. O material foi removido pela Companhia Independente de Operações Especiais (Cioe) e encaminhado para a delegacia.

Polícia bate forte nas quadrilhas que explodem caixas eletrônicos

A polícia desarticulou uma quadrilha que se preparava para explodir caixas eletrônicos e assaltar carros-fortes em Pernambuco. Com o grupo de quatro suspeitos, o Departamento de Repressão ao Narcotráfico (Denarc) apreendeu 17 bananas de emulsão explosiva, cujo poder de destruição é superior ao da dinamite, além de armas e outros materiais usados em crimes desse tipo.

Delegados Renato Rocha e Rodrigo Maciel falaram sobre as prisões. Foto: Alcione Ferreira/DP/D.A.Press

Delegados Renato Rocha e Rodrigo Maciel falaram sobre as prisões. Foto: Alcione Ferreira/DP/D.A.Press

Os suspeitos foram transferidos para o Cotel e responderão por tráfico de drogas, formação de quadrilha, receptação de material roubado e porte ilegal de armas de fogo, explosivos e munição. A última investida contra bancos no estado ocorreu na semana passada, em Triunfo. Ladrões atacaram a agência do Bradesco, que teve o teto de gesso e as portas de vidro destruídos, e fugiram em seguida.

A quadrilha apresentada nessa segunda-feira foi presa na última sexta-feira, quando planejava roubar um posto de combustível na Avenida Beberibe, na Zona Norte do Recife. A polícia suspeitou da movimentação, montou cerco e rendeu dois homens no local. Outros dois foram capturados na casa alugada pelo grupo para esconder os explosivos, em Pau Amarelo, Paulista. O Denarc apreendeu uma farda da PM, um cordão detonante, grampos para furar pneus, um colete à prova de balas, dois distintivos falsos, luvas, um revólver e um rifle, uma espingarda e 750 gramas de maconha.

Explosivos foram apreendidos pela polícia. Foto: Alcione Ferreira/DP/D.A.Press

Explosivos foram apreendidos pela polícia. Foto: Alcione Ferreira/DP/D.A.Press

A variedade do material chamou a atenção do delegado Rodrigo Araújo. “Eles queriam juntar dinheiro para comprar armamento pesado e fazer assaltos maiores, a bancos e carros-fortes”, explicou. A polícia investiga a participação do grupo em explosões já ocorridas. “Fizemos o contato com o Depatri e estamos aguardando informações”, disse o gestor do Denarc, Renato Rocha.

Interestaduais
Segundo o gestor do Departamento de Repressão aos Crimes Patrimoniais, José Cláudio Nogueira, as quadrilhas que roubam bancos são formadas, em geral, por bandidos de mais de um estado. As investidas duram menos de dez minutos. O delegado comentou o aumento das ocorrências. “Tem relação com a facilidade de conseguirem explosivos, que são muito usados em obras”, afirmou.

Do Diario de Pernambuco