Promessa de mais segurança nas agências de banco

A queda de braço entre o Ministério Público de Pernambuco e a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) chegou ao fim após quase um ano e meio de cobranças por mais segurança, incluindo até a interdição de agências que não cumpriam as leis municipais. Um acordo inédito no país entre os órgãos e o governo do estado foi assinado ontem, garantindo o cumprimento de medidas como instalação de câmeras, vigilância armada e com colete de proteção. Outras ações pontuais foram anunciadas para fortalecer o Pacto pela Vida, que, na semana passada, completou seis anos. O programa garantiu a Pernambuco uma premiação da Organização das Nações Unidas (ONU) na categoria Modelo de Gestão.

Investidas têm sido frequentes na RMR. Foto: Roberto Ramos/DP/D.A Press

Investidas têm sido frequentes na RMR. Foto: Roberto Ramos/DP/D.A Press

Inicialmente, o reforço na segurança contemplará os municípios do Recife, Olinda e Jaboatão dos Guararapes. Cada órgão terá uma função nesse acordo. A Febraban entra com o investimento financeiro e o cumprimento de todas as medidas listadas. A Secreteria de Defesa Social fará o monitoramento das câmeras externas instaladas nas imediações dos estebelecimentos. Já as prefeituras terão papel de fiscalizar e fazer uma verdadeira limpeza nas proximidades, retirando bancas de revista, fiteiros e bares. “Marginais se escondem nas imediações desses locais para fazer ‘saidinhas de banco’ e o próprio ataque a caixas eletrônicos”, pontuou o secretário de Defesa Social, Wilson Damázio.

No ano passado, segundo a Febraban, 29 assaltos a bancos foram registrados no estado, dez deles no Recife. “A atuação do Ministério Público incluiu a interdição de 12 agências bancárias. A parceria representa uma contribuição ao Pacto pela Vida e vai garantir a redução dos assaltos”, afirmou o promotor do Consumidor, Ricardo Coelho. Anualmente, segundo a Febraban, são gastos R$ 9 bilhões na segurança das agências. “Essa parceria é uma demonstração de que os bancos reconhecem o interesse legítimo que os sindicatos têm na integridade física e na segurança dos funcionários”, explicou o presidente da Febraban, Murilo Portugal.

As agências terão 90 dias para começar a se adaptar às exigências, que devem ser concluídas em um ano.  A presidente do Sindicato dos Bancários de Pernambuco, Jaqueline Melo, comemorou o avanço, mas destacou que a luta continua para a implementação de outros itens de segurança, como vidros blindados dentro dos estabelecimentos. Em 2012, as saidinhas de banco resultaram na morte de 57 pessoas no  país.

Do Diario de Pernambuco

Por Raphael Guerra

Segurança nos bancos reforçada com programa da Febraban

Após quase um ano sofrendo pressões do Ministério Público de Pernambuco (MPPE) e dos sindicatos, a Federação Brasileira dos Bancos (Febraban) finalmente deu um passo à frente para frear os assaltos aos clientes e funcionários. Deve ser lançado ainda neste ano o Programa de Melhorias de Segurança Bancária no Recife. Trata-se de um projeto-piloto de investimento financeiro para instalação de itens obrigatórios como portas com detectores de metais, divisórias entre os caixas e câmeras de monitoramento internas e externas. Além da capital do estado, que será a primeira contemplada, as cidades de Olinda e Jaboatão dos Guararapes serão beneficiadas com a ação, que, caso dê certo, será estendida às outras capitais brasileiras.

Agência do Banco do Brasil de Afogados foi a última assaltada no Recife. Foto: Paulo Paiva/DP.D.A/Press

“O projeto foi assinado pela Febraban após as negociações salariais. É um avanço. Agora vamos discutir que itens serão instalados em todas as agências. Eles já apresentaram uma proposta, e nós outra. Teremos que ceder em alguns pontos e eles em outros”, afirmou a presidente do Sindicato dos Bancários, Jaqueline Mello. Está marcada para hoje a reunião, em São Paulo, que vai discutir o assunto. O promotor do Consumidor, Ricardo Coelho, comemorou a medida. “É um fato inédito que estamos vivenciando e que servirá de exemplo para o resto do Brasil. Uma vitória também para o programa Pacto pela Vida, pois vai contribuir para reduzir a violência”, pontuou.

Somente neste ano, o estado já registrou 27 assaltos a bancos. No Recife, o mais recente aconteceu, há menos de duas semanas, em Afogados. Um comerciante de 61 anos foi assaltado quando iria depositar R$ 30 mil em um caixa eletrônico do Banco do Brasil. Em 2011, foram 16 ocorrências registradas. O crescimento, nos primeiros meses do ano, levou a comissão formada pelo MPPE, polícias Civil e Federal, Prefeitura do Recife e sindicatos da categoria, a realizar reuniões de rotina para criar medidas que punissem as agências que não cumprem as três leis de segurança em vigor na capital. Cem foram multadas e 15 interditadas, desde junho. Apenas a agência do Itaú do Real Hospital Português continua fechada, por não se adequar às normas.

 

O texto acima é do repórter Raphael Guerra da editoria de Vida Urbana do Diario de Pernambuco

 

MPPE pede punição de banco por morte em assalto

 

A polêmica envolvendo os assaltos a bancos no Recife ganha mais um capítulo a partir de agora. Depois de várias fiscalizações e avisos de que os responsáveis pelos crimes acontecidos devido à falta dos equipamentos de segurança previstos pela lei municipal para a capital do estado, o Ministério Público de Pernambuco (MPPE) recomendou à Polícia Civil o indiciamento do superintendente regional do Bradesco, cujo nome não foi revelado. O promotor do Consumidor, Ricardo Coelho, interpretou que a tentativa de assalto ao posto de serviço da agência localizado na Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), que resultou na morte de uma pessoa, na última sexta-feira, só aconteceu porque houve negligência. Segundo ele, os itens de segurança obrigatórios não estavam instalados. Depois de uma troca de tiros, um dos suspeitos pelo assalto acabou morrendo. Clientes e funcionários do estabelecimento ficaram em pânico.

 

Segundo o promotor do Consumidor, a tentativa de assalto ao posto de serviço da agência do Bradesco localizado na UFRPE, na última sexta-feira, só aconteceu porque houve negligência. Foto: Julio Jacobina/DP/D.A Press  (Julio Jacobina/DP/D.A Press)

 

Em nota, a Federação Brasileira dos Bancos (Febraban) informou que “alguns itens dessas leis são de difícil possibilidade material de cumprimento, não atendem os princípios constitucionais e poderiam gerar efeitos colaterais negativos, como a blindagem das agências, que dificultaria a ação da polícia em caso de as dependências serem tomadas por criminosos, e dos bombeiros no caso de incêndio”, completou. Por não cumprimento das leis, cinco bancos do Recife foram interditados no mês passado. Por sua vez, a Polícia Civil adiantou que ainda não sabe se o superintendete do banco será indiciado. O caso está sendo investigado pela Delegacia de Repressão ao Roubo que tem 30 dias para concluir o inquérito. E você? Concorda que os responsáveis pelos bancos sejam punidos caso acontecem mortes nos assaltos?