Polícia acaba com o Big Brother na comunidade Entra Apulso

Uma comunidade vigiada pelo crime. Pelo menos 11 câmeras de monitoramento foram retiradas pela Polícia Militar de postes de iluminação pública e fachadas de imóveis da comunidade Entra Apulso, em Boa Viagem, na manhã desta segunda-feira. A polícia acredita que os equipamentos foram instalados por traficantes para monitorar a aproximação dos investigadores ou até mesmo de grupos rivais. Com a ajuda de escadas, policiais militares do 19º Batalhão, responsável pelo policiamento na Zona Sul, arrancaram as câmeras que podiam ser vista por todos que transitavam na localidade.

A central de monitoramento, no entanto, não foi encontrada pela polícia. A ação da PM na área aconteceu poucas horas após dois homens terem sido carbonizados dentro de um carro. A polícia afirma que o crime foi motivado pela disputa do comando do tráfico de drogas na Zona Sul do Recife.

Câmeras de monitoramento foram retiradas pela polícia. Foto: Wagner Oliveira/DP

Além de retirar as câmeras de segurança, os PMs realizaram algumas abordagens em moradores e pessoas que passavam nas imediações da Entra Apulso. Os corpos dos dois homens que estavam dentro de um veículo Ágile ainda não foram identificados oficialmente. O outro carro usado da ação criminosa foi um Honda Civic.

O Diretor Integrado das Especializadas da Polícia Civil, delegado Luiz Andrey, informou que o duplo assassinato está sendo investigado pela 3ª Delegacia do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) em conjunto com o Departamento de Repressão ao Nacotráfico (Denarc), o Departamento de Repressão aos Crimes Patrimoniais (Depatri) e a Delegacia de Boa Viagem. “As investigações foram iniciadas ainda na noite do domingo e daremos uma resposta proporcional à ousadia desses criminosos”, declarou Luiz Andrey.

Para confirmar a identidade das vítimas, a polícia disse que será preciso encontrar uma prova técnica, o que será possível com a realização de uma perícia papiloscópica ou exame de DNA. “Precisamos identificar com exatidão e, a partir daí, dizer se eles estavam envolvidos com o tráfico. As vítimas possivelmente estariam mortas ou quase mortas e naquele local teriam sido carbonizadas”, pontou o Diretor Integrado das Especializadas.

Quanto aos quatro suspeitos de terem praticado o crime em Boa Viagem, o delegado disse que já tem os indicativos de quem são, mas que ainda não pode informar maiores detalhes. “A motivação preliminar é a briga territoral pelo tráfico de drogas entre a comunidade Entra Apulso e outra comunidade localizada próxima. Todas as imagens de câmeras de segurança da localidade estão sendo analisadas”, completou.

Documentário mostra a realidade da guerra do tráfico no Rio de Janeiro

De um lado a polícia, do outro, traficantes fortemente armados e prontos para morrer em combate. Este documentário mostra a ação de criminosos do Rio de Janeiro e o trabalho de policiais no combate ao tráfico de drogas – uma guerra sem fim. Uma equipe da TV Record foi autorizada a acompanhar uma ocupação de uma favela e mostra as imagens que muita gente jamais pensou em ver. As imagens são fortes.

Confira o especial:

O tráfico que mata inocentes

Enquanto em Brasília os deputados irão discutir sobre a implantação das Unidades de Polícia Pacificadoras (UPPs), em Pernambuco, a guerra do tráfico segue fazendo vítimas. A mais recente foi um menino de apenas 10 anos. Ele morreu na manhã desta terça-feira após ser atingido por um tiro quando estava na sala de casa, no bairro do Jordão, no Recife. O caso aconteceu por volta das 21h da segunda-feira durante um tiroteio entre traficantes e policiais militares do 19º Batalhão.

Criança estava em casa com a família. Foto: Reprodução/Facebook

Criança estava em casa com a família. Foto: Reprodução/Facebook

Krevison da Costa Gomes estava assistindo à televisão com a família quando os tiros trocados entre traficantes e PMs foram ouvidos. O pai da família, que estava na cozinha fazendo um suco de laranja, pediu que todos se baixassem. Quando o tiroteio terminou, todos os familiares se levataram, menos a criança, que havia sido ferida por um disparo na testa. A casa da família ficou toda marcada de bala e várias manchas de sangue no chão.

O menino, que completou 10 anos no domingo passado, foi socorrido pelos próprios PMs e levado para o Hospital da Restauração (HR), mas não resistiu ao ferimento e morreu. De acordo com a família, os policiais, muito nervosos, chegaram a pedir água à família, logo após a ação. Durante a operação, um homem foi preso e dois adolescentes de 16 anos foram apreendidos. Com o trio foram encontrados três revólveres. Peritos do Instituto de Criminalística (IC) estiveram no local e encontraram várias cáspsulas .40 e marcas de tiros na casa.

Veja matéria completa no programa Cardinot Aqui na Clube, às 12h

Leia mais sobre o assunto em:

Implantação das Unidades Pacificadoras em todo o país é discutida