As cotas de transmissão do Brasileirão, com divisão entre TV aberta e PPV

Cota de TV do Campeonato Brasileiro de 2013 a 2015. Crédito: José Colagrossi/Ibope/Twitter

As cotas de transmissão do Campeonato Brasileiro atendem a dois perfis de mercado, a televisão aberta e a tevê paga. Neste segundo ponto há o critério “flutuante” nas verbas repassadas aos clubes, através do pay-per-view, com a distribuição de R$ 300 milhões. Quem vende mais pacotes, recebe mais, num levantamento feito em conjunto entre o Ibope e o Datafolha – em 2014 foram dez mil assinantes entrevistados. A Sky, uma das principais operadoras envolvidas, disponibiliza um ranking de assinantes, que ajuda a compreender o quadro. Entre os clientes, Sport 1,41%, Santa Cruz 0,58% e Náutico 0,57%.

Sobre a divisão, a explicação é direta. Mesmo com a “base” paga pela Globo, existe um “bônus” na receita total, via PPV. Sport e Bahia, por exemplo, têm a garantia de R$ 27 milhões. Neste ano, na Série B, o Tricolor recebeu mais por ter mais assinantes (R$ 42 mi x R$ 33 mi). Pelo mesmo motivo, o Galo aparece à frente do Palmeiras na lista absoluta, mesmo recebendo menos na base. No quadro divulgado pelo diretor-executivo do Ibope/Repucom, José Colagrossi, o Náutico aparece em 2013. Na ocasião, quatro times receberam a cota mínima (Criciúma, Náutico, Ponte e Lusa), mas o Timbu ganhou um pouco mais por causa dos assinantes do Premiere (1,88% x 1,79%).

Vale lembrar que a partir de 2016 começa um novo ciclo de contratos, de quatro anos. No novo modelo, Flamengo e Corinthians devem receber R$ 170 milhões anuais. A cota do Sport, o único pernambucano de contrato assinado por mais de uma temporada, passa de R$ 27 mi para R$ 35 milhões.

A tendência a médio prazo é aumentar a importância do PPV nesta divisão….

Santa vence o Bragantino e a sirene do Arruda toca alto, avisando sobre o G4

Série B 2015, 29ª rodada: Santa Cruz 3x1 Bragantino. Foto: Ricardo Fernandes/DP/D.A Press

Abrindo a 29ª rodada, o Santa cumpriu bem o seu papel no Arruda. Venceu o Bragantino por 3 x 1 e colocou um pé no G4, pressionando os adversários. Claro, a torcida irá torcer por um empate no Ba-Vi (ou derrota do Bahia) e tropeços de Paysandu e América, mas, de toda forma, a caminhada na Série B segue firme. Foi a primeira vez que Martelotte repetiu a escalação, aprovando a formação com João Paulo (segundo volante) e Daniel Costa (meia). À frente, acredite, quem destoou foi Grafite, perdendo muitas chances. Só fez bem o pivô. Já os ponteiros Luisinho e Lelê correram bastante e marcaram seus gols.

No primeiro tempo, a vantagem de um gol foi enxuta demais para a superioridade coral, que chegou a ter 70% de posse de bola (foi para o intervalo com 60%, ainda considerável). Controlou e atacou. Teve (mais) um gol anulado de Daniel Costa, pois antes do chute a bola bateu no braço de Vítor, favorecendo a finalização, sejamos justos. O gol de fato e de direito saiu aos 34, com Lelê batendo com personalidade, após uma bola cruzada. A segunda etapa começou com dois gols seguidos, com Luisinho ampliando e Alan Mineiro diminuindo.

Aos 14, o Braga quase empatou. O susto agitou o técnico tricolor, que acionou Bruno Moraes no lugar de Grafite. Era preciso “matar” o jogo, mas a mudança durou pouco tempo, pois Alemão foi expulso e Bruno sacrificado, dando lugar a Marlon, improvisado na defesa. Mesmo com um a menos durante 20 minutos, o Santa foi mais consistente, com o time paulista sem saber o que fazer com a bola. Aos 44, Luisinho deixou para Bruninho definir, ligando a sirene do Arruda. Um aviso em alto e bom som que o G4 está chegando de vez…

Série B 2015, 29ª rodada: Santa Cruz 3x1 Bragantino. Foto: Ricardo Fernandes/DP/D.A Press

Balanço dos jogadores profissionais no Nordeste, inferior a dois salários mínimos

Quadro sobre os jogadores profissionais de futebol no Nordeste em 2015 (via CBF/FPF). Arte: Infogr.am (Cassio Zirpoli)

Um levantamento da CBF sobre o Nordeste, de 2015, aponta a existência de 1.911 contratos ativos de jogadores profissionais. No futebol, de uma forma geral, se enxerga um meio de altos salários, muito acima da média do trabalhador comum. Esse contexto existe, é verdade, mas numa parcela ínfima dos atletas, como Diego Souza (R$ 250 mil) e Grafite (R$ 166 mil), destaques de Sport e Santa Cruz, por exemplo. No geral, nas divisões inferiores, nacionais e estaduais, o rendimento mensal mal passa de um salário mínimo (R$ 788).

De acordo com o dado repassado pelo diretor de competições da FPF, Murilo Falcão, apenas 200 jogadores ganham mais de R$ 1 mil na região. E essa mesma fatia é a única com contratos superiores a três meses de duração. Pois é, o restante (89,5%) ganha menos e só atua 1/4 do ano. Não por acaso, no futebol local é comum ver os mesmos nomes disputando a primeira divisão no primeiro semestre e a segunda divisão no segundo semestre, sempre em clubes pequenos. Imagine em centros menos estruturados, como Sergipe e Piauí…

Em 2014, o movimento Bom Senso FC, liderado pelos próprios jogadores, também fez um raio x da categoria, num retrato nacional. Situação parecida. Dos 20 mil atletas no boletim informativo diário (BID), 82% joga por menos de salários mínimos (na época em R$ 724), com 15% de desempregados. Dos 684 clubes listados, 583 (ou 85%) ficam inativos por seis meses. É um problema geral.

Nordeste (CBF) 
1.911 jogadores profissionais
89,5% com menos de R$ 1.000
10,5% com mais de R$ 1.000

Brasil (Bom Senso FC)
20.000 jogadores profissionais
82% com menos de dois salários mínimos (R$ 1.448)
3% com mais de dois salários mínimos  (R$ 1.448) 

Na Série A2 do Pernambucano (abaixo), o cenário fica ainda mais evidente, até por ser “Sub 23″, com a possibilidade de inscrição de no máximo quatro jogadores sem limite de idade. Naturalmente, a faixa salarial cai ainda mais.

Série A2 (Sub 23) de 2015: Barreiros 0x0 Ipojuca. Foto: FPF/site oficial

O perfil da torcida do Santa Cruz, de acordo com o Ibope 2014

Perfil da torcida do Santa Cruz segundo a pesquisa Lance!/Ibope 2014. Crédito: José Colagrossi/Twitter

O Ibope liberou um verdadeiro raio x da torcida do Santa Cruz, produzido na última pesquisa do instituto, encomendada pelo diário Lance! em 2014. Com 24% da preferência pernambucana, seriam 2.210.052 tricolores, mensurando com a estimativa populacional do Brasil no mesmo período. Seriam 1.370.232 homens e 839.819 mulheres. No quadro, também é possível conferir o perfil de escolaridade, idade, renda familiar e a região onde mora a torcida. Um mapeamento detalhado como esse poderia ser utilizado pelo departamento de marketing do clube para ações pontuais, bem direcionadas.

Como curiosidade, a justificativa da expressão “time do povo”, que se expande à forte presença nas camadas menos abastadas. Segundo o levantamento, 74% da torcida coral recebe no máximo dois salários mínimos. Outro ponto é a presença do público, 100% no Nordeste, numa questão meramente estatística, pois, naturalmente, existem torcedores do clube em todas as regiões do país.

Os percentuais foram revelados pelo diretor-executivo do Ibope/Repucom, José Colagrossi. Em breve, ele deve divulgar também os perfis de Náutico e Sport.

Confira os dados do Ibope projetados com a população segundo o IBGE 2014:

Idade
10 a 15 anos: 486.211
16 a 24 anos: 331.507
25 a 34 anos: 397.809
35 a 44 anos: 221.005
45 a 54 anos: 419.909
Mais de 55 anos: 353.608

Escolaridade
Até 4ª série do fundamental: 707.216
5ª a 8ª série do fundamental: 596.714
Ensino médio: 795.618
Superior completo: 110.502

Classe social
A/B: 265.206
C: 1.237.629
D/E: 707.216

Renda familiar
Mais de 5 a 10 salários mínimos: 154.703
Mais de 2 a 5 salários mínimos: 397.809
Mais de 1 a 2 salários mínimos: 751.417
Até 1 salário mínimo: 884.020
Não respondeu: 22.100

Confira o quadro numa resolução maior clicando aqui.

Evandro Carvalho garante jogo da Seleção Brasileira na Arena até 2016

Evandro Carvalho chefiando a delegação da Seleção Brasileira no Superclássico das Américas de 2014. Foto: Fifa/twitter

A CBF divulgou em 13 de agosto os locais das duas primeiras partidas da Seleção Brasileira pelas Eliminatórias da Copa de 2018. A entidade escolheu Fortaleza (Castelão) e Salvador (Fonte Nova), deixando a FPF numa saia justa, uma vez que o presidente Evandro Carvalho apostava no estado como subsede. No entanto, o dirigente garante que haverá um jogo do Brasil por aqui até o fim de 2016. Ou pelas Eliminatórias, cuja tabela segue em formação, ou em algum amistoso. Neste caso, faria parte do Brazil Global Tour, como é chamado o giro da Canarinha pelo mundo. A informação foi repassada ao blog pelo próprio Evandro, durante a passagem em Natal, no lançamento do Nordestão.

Presidente, como você reagiu ao anúncio de que Fortaleza e Salvador seriam os primeiros palcos das Eliminatórias, no lugar do Recife?
“Normal. São nove jogos (no Brasil) e ainda tem tempo para colocar outras cidades. Em breve, Marco Polo Del Nero (presidente da CBF) virá ao Recife para confirmar um jogo aqui (em 12 de julho de 2012, o então mandatário José Maria Marin anunciou uma partida no Palácio do Campo das Princesas)”.

Qual seria o adversário em Pernambuco? E a data, já tem algum prazo?
“Primeiro, precisamos saber se será pelas Eliminatórias. Sei que será um jogo da seleção principal, de acordo com o calendário da CBF. Deve ser no ano que vem, provavelmente”.

Se for um amistoso, há risco de não ser ‘Data Fifa’, como em 2012, numa segunda-feira? Na ocasião, veio o time reserva da China…
“Ali, a data não importou, e sim o adversário. A China é um dos países que mais exporta para o estado. Era interessante fortalecer a relação comercial, num grande trabalho do governador Eduardo Campos (o blog comentou isso na época, veja aqui)”.

A última partida da Seleção no estado aconteceu no Arruda. Com a Arena Pernambuco funcionando, existe alguma dúvida sobre o local?
“Será na Arena Pernambuco, até porque a empresa que gerencia os jogos da Seleção (ISE, uma companhia árabe que comprou os direitos até 2021) exige um ‘padrão arena’ nas partidas. E a Arena é um equipamento do estado”.  

Jogos da Seleção Brasileira em Pernambuco: 5 na Avenida Malaquias (1934), 2 na Ilha do Retiro (1956 e 1969) e 10 no Arruda (de 1978 a 2012).

Podcast 45 (175º) – Empate do Santa em São Luís e goleadas de Náutico e Sport

Começamos o 45 minutos com o Santa, que empatou com o Sampaio e se manteve a dois pontos do G4. Analisamos a partida, o gol anulado, as opções de Martelotte para a próxima rodada e o rendimento de Grafite. No Náutico, comentamos a segunda vitória seguida, que recolocou o time na briga pelo acesso. Na sequência foi a vez do Sport, que venceu a Chape, ganhando um pouco de tranquilidade para enfrentar o Huracán. Quais são as chances na Argentina? O campo reduzido pode induzir Falcão a mudanças?

Confira um infográfico com as principais atrações do podcast aqui.

Nesta 175ª edição, estive ao lado de Celso Ishigami, Fred Figueiroa, João de Andrade Neto e Rafael Brasileiro. Ouça agora ou quando quiser!

Classificação da Série A 2015 – 28ª rodada

A classificação da Série A 2015 após 28 rodadas. Crédito: Superesportes

Na briga pelo título brasileiro de 2015, o Corinthians abriu sete pontos de vantagem sobre o vice-líder, pavimentando o caminho para o hexa. Na parte de cima, parece haver briga apenas pela 4ª vaga à Libertadores, com Galo e Grêmio fincados no G4. Enquanto isso,São Paulo, Palmeiras e Flamengo vão se revezando no ligar da última vaga ao torneio continental.

Tão embolada  quanto no fundo da tabela, com o Vasco numa recuperação impressionante (13 pontos nos últimos 15 disputados). Pressiona ainda mais a turma logo acima do Z4. Na marola, a 5 pontos do G4 e a 9 do Z4, o Sport, em 10º lugar após a vitória sobre a Chape. Com a possibilidade de ter um fim de ano tranquilo na competição, o time da Ilha do Retiro pode mirar a Copa Sul-Americana. Lá, um brasileiro campeão faria o G4 da Série A virar G3.

A 29ª rodada do representante pernambucano
03/10 (18h30) – Internacional x Sport (Beira-Rio)

Histórico em Porto Alegre pela elite: 2 vitórias rubro-negras, 6 empates e 7 derrotas

Sport goleia a Chape e ganha fôlego para ir com tudo na Sula, contra o Huracán

Série A 2015, 28ª rodada: Sport 3x0 Chapecoense. Foto: Paulo Paiva/DP/D.A Press

Para tranquilizar a campanha no Brasileirão, a vitória sobre a Chapecoense era essencial ao Sport, que poderia abrir nove pontos sobre o 17º colocado, a dez rodadas do fim. Por mais que tivesse uma cara de decisão, a irregularidade da equipe afastou a torcida. Sem tanto apoio na Ilha, no encerramento da rodada, o time dirigido por Falcão – agora com quatro treinos até a peleja – conseguiu confirmar a expectativa e ganhou fôlego para ir a Buenos Aires com tudo.

É verdade que começou num ritmo lento. O Sport só finalizou uma vez no primeiro tempo, com Diego Souza aproveitando a sobra de um escanteio batido por Marlone. Bastou para ficar em vantagem, mas não sem tomar sufoco. Usando bastante o lado esquerdo rubro-negro, com a marcação de Renê e Danilo desordenada, a Chape levou perigo à meta de Danilo, que fez duas grandes defesas, em chutes de Bruno Rangel (livre) e Ananias (de fora da área).

A conversa no vestiário surtiu efeito, pois o Sport abriu mais o jogo, aumentando o aproveitamento no passe, finalizando mais. André perdeu três chances seguidas, no detalhe. E parecia ter sido dele o gol aos 33 minutos. De volta após as más atuações de Ferrugem, Samuel Xavier cruzou e André chegou para cabecear, mas Apodi deu uma ‘voadora’ e fez contra. No fim, Régis, ex-Chape e que acabara de entrar, fez boa jogada individual e cravou o 3 x 0. A goleada dá a tranquilidade necessária ao Leão, que na quarta enfrentará o Huracán precisando reverter o 1 x 1 em casa. É o jogo para manter “2015″ ainda à vera..

Série A 2015, 28ª rodada: Sport 3x0 Chapecoense. Foto: Paulo Paiva/DP/D.A Press

Aflitos, Arruda e Ilha Retiro no mapa de 1875, antes do futebol no Recife

Planta do Recife em 1875. Crédito: Biblioteca Nacional

Em 2015, a população do Recife chegou a 1,6 milhão de habitantes, segundo o IBGE. Há 140 anos, a população da capital pernambucana era de 116 mil pessoas. Era o primeiro dado demográfico da história do país, através do censo da Diretoria Geral de Estatística (DGE), ainda na época imperial. A partir deste Recife, então, imagine como seria a cidade naquele tempo. Há registros cartográficos, naturalmente. Na Biblioteca Nacional é possível ver a íntegra da Planta da cidade do Recife e seus arrabaldes. A última palavra, pouco usada hoje em dia, tem como sinônimos arredores ou cercanias. Ou seja, um esboço do que nós conhecemos atualmente como “Grande Recife”.

Em março de 1875, a Repartição de Obras Públicas elaborou um novo mapa cartográfico para a capital, pois a planta de 1855 estava ‘esgotada’. Foi um pedido do então presidente da província, o desembargador Henrique Pereira de Lucena. Ao blog, a indicação coube a João Guilherme da Silva, estudante de geografia na UFPE, justamente pelas localizações dos Aflitos, Arruda e Ilha do Retiro, ainda sem aterros, com veias abertas nos rios, ruas (“estradas”) com outros nomes, poucas pontes e quase nenhuma edificação, até porque a concentração urbana era no Bairro do Recife e na Boa Vista. Poucos pontos se mantêm, como o Hospital Português e a Igreja Nossa Senhora dos Aflitos.

O football só chegaria ao estado no século seguinte. E os próprios grandes clubes surgiram em outros lugares, perambulando até fincar raízes nos bairros tradicionais, em 1918 (Náutico), 1936 (Sport) e 1943 (Santa Cruz). O intenso crescimento urbano pode ser medido numa comparação com os mapas atuais, totalmente digitalizados, através do Google Maps: Aflitos, Arruda e Ilha do Retiro.

Aflitos (O terreno ficava no limite da estrada no bairro que sequer tinha nome)

Planta do Recife em 1875 (Aflitos). Crédito: Biblioteca Nacional

Arruda (Os dois canais próximos ao estádio, hoje, eram córregos do rio)

Planta do Recife em 1875 (Arruda). Crédito: Biblioteca Nacional

Ilha do Retiro (Era uma ilha de fato, que passaria por seguidos aterros)

Planta do Recife em 1875 (Ilha do Retico). Crédito: Biblioteca Nacional

A 28ª classificação da Segundona 2015

A classificação da Série B 2015 após 28 rodadas. Crédito: Superesportes

O G4 chegou a cinco rodadas com a mesma formação, variando apenas a ordem dos colocados, tendo agora o Vitória como vice-líder ultrapassando o Paysandu (resultado do confronto direto, na Fonte Nova, com 3 x 1 para os baianos). Havia a expectativa da entrada do Tricolor no pelotão de cima da Segundona, nesta 28ª rodada. No entanto, o Santa Cruz empatou com o Sampaio Corrêa, no Castelão, e se manteve a dois pontos de distância, mas perdeu uma colocação na tabela – do 5º para o 6º lugar.

Já o Timbu somou seis pontos nas últimas duas rodadas. Deu um salto, diminuindo a diferença de oito para quatro pontos. Ainda assim, a goleada do Náutico sobre o ABC, na Arena Pernambuco, não tirou o time da 8ª colocação.

Obs. Após 23 dias, a Série B voltou a ficar com a tabela completa, com a realização do jogo adiado, da 23ª rodada, Atlético-GO 0 x 0 Criciúma.

No G4, um carioca (líder), dois baianos e um paraense.

A 29ª rodada dos representantes pernambucanos
29/09 (21h00) – Santa Cruz x Bragantino (Arruda)
03/10 (16h30) – Oeste x Náutico (José Liberatti, Osasco)