Mais de 40% das ligações feitas para o Samu são trotes

Durante o anúncio do aumento no número de bases do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), nessa terça-feira, o médico Leonardo Gomes, coordenador do serviço, afirmou que um dos grandes problemas enfrentados pelo Samu em toda a Região Metropolitana do Recife é o alto índice de trotes realizados para a central.

Chamadas falsas atrapalham atendimento às vítimas. Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A Press

Chamadas falsas atrapalham atendimento às vítimas. Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A Press

“Atualmente, cerca de 42% das ligações que recebemos são de informações falsas de acidentes. Agora mesmo no período das férias, registramos um total de 70% de trotes, a maioria feitos por crianças. Isso é um problema grave porque acaba mobilizando toda uma estrutura para atender a uma ocorrência que não existe”, lamentou o coordenador do Samu.

O trote é considerado crime e a pessoa que for flagrada fazendo esse tipo de ligação pode ser penalizada com multa ou até mesmo prisão de seis meses a um ano. De acordo com a Secretaria de Saúde do Recife, atualmente, o serviço conta com um total de 700 profissionais, 22 ambulâncias, seis motolâncias e dois helicpóteros, sendo um da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e outro da Secretaria de Defesa Social (SDS). O atendimento ao Samu pode ser solicitado através do número 192.

Tecnologia vai ajudar no combate ao uso do crack

Os bairros de Santo Amaro, Ibura, Coelhos e Coque, considerados os pontos de maior incidência de venda e no consumo de crack do Recife, receberão, nos próximos 30 dias, 60 câmeras, que serão monitoradas por ônibus adaptados para servirem de bases móveis para detectar os crimes e possibilitarem ações imediatas.

Veículos vão servir para
flagrar atividade ilícita (PEDRO HENRIQUE CUNHA/ESP. DP/D.A PRESS)

A lista de equipamentos, que também inclui mais viaturas, sprays de pimenta e armas de imobilização por eletricidade (tasers) serão distribuídas em três áreas (Coelhos e Coque dividem uma delas) foram entregues nessa semana pela Secretaria Nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça, com um ano e meio de atraso. A ação faz parte do programa Crack, é Possível Vencer, do governo federal, que se baseia em três eixos: prevenção, tratamento ao usuário e repressão ao traficante.

As bases móveis servem como um pequeno centro de comando e controle, dando suporte tecnológico aos profissionais de segurança pública que acompanham, por meio de monitores, as imagens captadas por câmeras de vídeo instaladas em pontos fixos das comunidades. “Os policiais que trabalharão nas bases estão sendo capacitados a atuar de acordo com a filosofia de polícia comunitária”, explicou o secretário de Defesa Social Wilson Damásio, durante entrevista coletiva de apresentação do programa. “Esses PMs estarão aptos a encaminhar usuários aos serviços de saúde e assistência social”, completou.

A secretária nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça, Regina Meki, destacou que as bases móveis serão entregues aos estados que aderiram ao programa e Pernambuco foi o primeiro a formalizar sua participação. “A iniciativa das bases de videomonitoramento será fundamental para minimizar os problemas relacionados ao enfrentamento às drogas. Desde o ano passado, estamos entregando equipamentos de segurança pública para as unidades da federação”, destacou. Segundo dados da SDS, foram apreendidas 155 toneladas de crack no estado no primeiro semestre de 2013, 17% a mais que o mesmo período em 2012.

Do Diario de Pernambuco

SDS entrega bases do Programa Crack é Possível Vencer

Serão entregues nesta sexta-feira, pela Secretaria de Defesa Social (SDS), as Bases Móveis do Programa Crack é Possível Vencer. As bases serão entregues pela Secretária Nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça, Regina Miki, sendo três microônibus, seis veículos modelo Fiesta e seis motos modelo Yamaha Lander.

Os ônibus são equipados com câmeras e computadores e serão utilizados em ações de observação e investigação de inteligência nas cenas de uso de drogas. As bases móveis de videomonitoramento são adaptadas e auxiliam as ações de policiamento ostensivo de proximidade nas cenas de venda e consumo de crack e outras drogas.

O programa Crack, é Possível Vencer, é executado em parceria pelos ministérios da Justiça, da Educação da Saúde e do  Desenvolvimento Social e os governos estaduais e prefeituras. Desde 2012, o programa entrega equipamentos de segurança pública para as unidades da federação.

Da assessoria de imprensa da SDS

Assista ao vídeo sobre o especial Nascidos no crack

 

Rio Capibaribe terá seis bases fluviais de segurança

O Rio Capibaribe, o principal do Recife, é cenário de uma ação inédita em segurança pública na capital pernambucana. Toda a calha vai receber seis bases fluviais fixas de policiamento para garantir a segurança do transporte  no rio, inclusive o turístico, e, de quebra, inibir o tráfico de drogas nas comunidades ribeirinhas, fugas de assaltantes que atuam no Centro e até mesmo afogamentos.

Primeira central será instalada em frente ao Fórum Thomaz de Aquino. Orçada em R$ 1 milhão, ela terá policiais militares, bombeiros e guardas municipais (NANDO CHIAPPETTA/DP/D.A PRESS)

O primeiro passo é construir uma base aproveitando os restos de um prédio em ruínas na Avenida Martins de Barros, no bairro de Santo Antônio, Centro do Recife. O lugar, na frente do Foórum Thomaz de Aquino, vai funcionar como uma espécie de sede do projeto e terá também um restaurante no primeiro andar, o que seria mais um pontapé para atrair turistas ao bairro.

O Corpo de Bombeiros está com o projeto arquitetônico da obra em fase de conclusão. Em cada base, haverá policiais militares, bombeiros e guardas municipais. “Será uma ação preventiva e repressiva ao mesmo tempo”, informou o secretário de Defesa Social, Wilson Damázio. O projeto, batizado de Capibaribe Seguro, funcionará paralelamente a outro projeto do governo do estado, o Rios da Gente, que prevê a implantação de um sistema integrado de transporte de passageiro com o uso de embarcações, ônibus e metrô.

A ideia já foi apresentada pelo secretário de Defesa Social ao prefeito do Recife, Geraldo Julio, que mostrou-se interessado em apoiar a iniciativa. Depois de concluído o projeto arquitetônico, será a vez de licitar o projeto executivo para o início das obras. A expectativa é que a construção seja iniciada até o final deste ano.

Atrativo
O modelo a ser aplicado no Rio Capibaribe é semelhante ao usado ao longo da beira mar da Zona Sul. “Já temos algo parecido na orla de Boa Viagem, que são as plataformas erguidas na praia, onde PMs e bombeiros trabalham juntos 24 horas. Queremos levar isso também para o Centro”, comentou o secretário. “Em primeiro lugar, vamos oferecer mais segurança às pessoas que usam o transporte fluvial, mas a iniciativa também visa dar apoio às operações policiais realizadas no rio e no mar”, acrescentou Damázio.

Do Diario de Pernambuco, onde você pode ler a matéria completa na edição deste domingo.