Parentes e amigos de Beatriz Mota farão protesto no Palácio do Governo

Depois de mais de sete meses sem uma resposta definitiva sobre as investigações da morte da estudante Beatriz Mota, ocorrida em Petrolina, no Sertão do estado, os pais, parentes e amigos da garota prometem fazer um protesto no Recife nesta terça-feira. O movimento  “Somos Todos Beatriz”, que pede justiça para o caso da menina assassinada no Colégio Maria Auxiliadora, vai realizar uma manifestação no Palácio do Campo das Princesas, sede administrativa do poder executivo do estado. O protesto está previsto para iniciar às 8h.

Divulgação

Segundo organizadores, sairá uma caravana de Juazeiro/BA e Petrolina/PE com mais de 40 pessoas, que se juntarão a outros participantes do movimento na capital pernambucana para entregar um abaixo-assinado ao governador Paulo Câmara pedindo mais empenho e celeridade nas investigações. Os pais de Beatriz também participarão do ato no Recife. O documento que circulou pelas duas cidades exige providências do governo do estado, Ministério Público de Pernambuco e Polícia Civil.

“O caso Beatriz não vai cair no esquecimento. Quanto mais o tempo passa, mais aumenta o nosso sentimento de revolta com essa demora na elucidação do crime e mais aumenta também o nosso desejo de justiça. Vamos fazer um ato em frente ao Palácio das Princesas, na terça-feira, às 8 horas da manhã, e a nossa expectativa é de que o governador Paulo Câmara nos atenda e receba o abaixo-assinado”, afirmou uma das cordenadoras do movimento e madrinha de Beatriz, Michelle Chaves.

Leia mais sobre o caso em:

MPPE diz que nenhuma linha está descartada no caso Beatriz Mota

Delegados e policiais civis fazem protesto e entregam plantões extras

Os delegados e policiais civis de Pernambuco, que fizeram paralisação de 24 horas nesta quinta-feira, realizaram em frente ao Palácio do Campo das Princesas, sede do governo do estado, o enterro simbólico do programa Pacto pela Vida.

Categorias fizeram protesto e caminharam pelas ruas do Centro. Fotos: Thais Arruda Esp. para o DP/D.A Press

Categorias fizeram protesto e caminharam pelas ruas do Centro. Fotos: Thais Arruda Esp. para o DP/D.A Press

Com um caixão preto e flores, os trabalhadores denunciaram a manipulação de números para apontar redução da criminalidade e cobraram, além de melhores condições de trabalho, a reestruturação das carreiras apontadas como as que têm os piores salários do país.

Também nesta quinta, os profissionais da segurança também fizeram a entrega simbólica das jornadas extraordinárias de trabalho. Segundo eles, os plantões do Programa de Jornada Extra de Segurança (PJES) não conduziam com as condições mínimas necessárias para o bom trabalho.

Caixão preto simbolizou o enterro do Pacto pela Vida

Caixão preto simbolizou o enterro do Pacto pela Vida

A decisão foi tomada durante assembleia conjunta entre o Sindicato dos Policiais Civis de Pernambuco (Sinpol) e a Associação dos Delegados da Polícia do Estado de Pernambuco (Adeppe), no dia 26 de junho. Cerca de 90% dos policiais e mais de 240 delegados aderiram ao à entrega.