Novos policiais civis e científicos iniciam curso de formação

Depois dos policiais militares, agora foi a vez da abertura do Curso de Formação das Polícias Civil e Científica de Pernambuco. Os novos 1.283 profissionais reforçarão, a partir de fevereiro do próximo ano, o efetivo das delegacias, Instituto de Criminalística (IC) e do Instituto de Medicina Legal (IML) do estado. O novo grupo participou da solenidade de abertura do curso nesta segunda-feira, quando foram recebidos por todas as autoridades de segurança pública de Pernambuco. O evento foi comandado pelo governador Paulo Câmara. Pernambuco está com um efetivo pequeno nas delegaciais, o que faz alguns delegados acumularem duas os mais unidades. Além disso, os agentes, comissários e escrivães estão sobrecarregados com as investigações.

Novos policiais iniciaram curso nesta segunda-feira. Foto: Hélia Sheppa/SEI/Divulgação

“São 1.283 novos policiais que vão ingressar nas carreiras de delegados, agentes e toda parte da Polícia Científica. A nossa meta é que todas as delegacias tenham as suas equipes formadas para que não haja mais o prejuízo de acumulação de funções, além da melhora da resolutividade. Só em 2017, são R$ 4 bilhões que vão ser investidos. Nós vamos, em três anos, investir R$ 10 bilhões na área de segurança pública, ou seja, todo o direcionamento que precisa ser feito, está sendo feito com esse olhar, de restabelecer a segurança e a paz em nosso estado. E, ao mesmo tempo, dar condições de trabalho e de valorização para as nossas polícias”, declarou.

No âmbito da Polícia Civil serão 850 novos servidores. Dentre esses, serão formados 140 delegados, 620 agentes e 90 escrivães. Com foco de ação nas áreas de polícia judiciária e investigativa, os novos policiais atuarão na elucidação de crimes. Cada cargo contará com carga horária e grade curricular específica. Os novos alunos foram aprovados no concurso público realizado em 2016.

Na Polícia Científica, serão 139 peritos criminais, 40 médicos legistas, 130 auxiliares de peritos, 73 auxiliares de legistas e 51 peritos papiloscopistas. Os cursos terão duração de aproximadamente quatro meses e a previsão para que os novos profissionais estejam em efetiva atuação é para o início de fevereiro. Para ambos os cursos, as aulas serão ministradas na Faculdade Guararapes, sob responsabilidade do Campus de Ensino Recife da Academia de Polícia Civil (Acadepol).

SDS abre inscrições para contratar 800 policiais civis aposentados

A Secretaria de Defesa Social (SDS) abriu o processo seletivo para a contratação de até 800 policiais civis aposentados nos cargos de comissário, agente e escrivão de polícia para a realização de funções administrativas no quadro da Polícia Civil de Pernambuco (PCPE). A remuneração mensal será de R$ 1,8 mil. Além disso, os selecionados terão direito a vale-refeição no valor de R$ 246,60 por mês, diárias (para casos de viagens a trabalho), férias remuneradas e abono natalino.

Foto: Wagner Oliveira/DP

Portaria foi assinada pelo secretário Angelo Gioia. Foto: Wagner Oliveira/DP

A jornada de trabalho será de oito horas diárias. A portaria assinada pelo secretário Angelo Gioia e publicada nesta terça-feira foi um projeto apresentado ainda na gestão do ex-chefe da Polícia Civil Antônio Barros. As inscrições acontecem desta quarta até sexta-feira (7). Os policiais civis aposentados designados terão exercício nas unidades definidas pela chefia da Polícia Civil. A ficha de inscrição está disponível no site www.policiacivil.pe.gov.br no link Ficha de Inscrição – Designação de Policiais Civis Aposentados.

Uma comissão coordenadora foi instituída para ser a responsável pela elaboração das normas e acompanhamento da execução do processo seletivo. Os selecionados serão contratados por até três anos e podem ter o contrato renovado por mais três anos. Os policiais civis serão responsáveis por prestar atendimento ao público nas permanências das unidades da PCPE, lavrar boletins de ocorrência, conduzir viaturas policiais e operar computadores. As regras para participar do processo seletivo estão no Boletim Geral da SDS, no site www.sds.pe.gov.br.

De acordo com o subchefe da PCPE, delegado Charles Gultiergue, os policiais aposentados receberão capacitação antes de iniciarem as atividades. “Esses policiais que serão selecionados ficarão nas delegacias enquanto os policiais da ativa serão voltados para as investigações, sobretudo de CVLIs e roubos. Antes de começarem a trabalhar, todos os aposentados serão capacitados na Academia de Polícia”, ressaltou Charles Gultiergue.

Ainda segundo o subchefe, os policiais aposentados serão distruíbos em todas as delegacias de Pernambuco. “A depender do tamanho da delegacia, cada uma vai receber, no mínimo, quatro novos policiais. Depois da capacitação, de forma gradativa, eles começarão a ser lotados nas delegacias. Isso deve acontecer ainda no mês de maio”, ponderou Gultiergue.

O presidente do Sindicato dos Policiais Civis, Áureo Cisneiros, acredita que a chegada dos policiais civis aposentados vai ajudar a melhorar a situação atual, no entanto, ele reforça a necessidade da convocação dos aprovados no último concurso. “Os aposentados farão trabalhos administrativos e isso vai fazer o pessoal ir para a rua trabalhar em investigações. Porém, a Polícia Civil tem um déficit de cinco mil policiais e é preciso de mais gente trabalhando em investigações”, destacou Cisneiros.

Policiais civis fazem assembleia e passeata nesta terça-feira

O Sindicato dos Policiais Civis de Pernambuco (Sinpol) realiza na manhã desta terça-feira uma assembleia em frente à sede do Sinpol, no bairro de Santo Amaro, com previsão também de uma passeata até o Palácio do Campo das Princesas. Na assembleia será decidido se a paralisação da categoria será de 24, 48 ou 72 horas. Segundo o Sinpol, a medida será votada por conta do tratamento que o governo de Pernambuco tem dado à categoria e à segurança pública do estado.

Policiais saíram do Sinpol  até o Palácio do Campos das Princesas

Policiais civis devem sair do Sinpol até o Palácio do Campos das Princesas

“Não é novidade para a sociedade pernambucana que a segurança pública de Pernambuco passa por uma profunda crise, faltando comando e sobrando trapalhadas. Os policiais civis de Pernambuco têm o pior salário do Brasil e trabalham diariamente em condições desumanas, sendo obrigados a fazer cotas para material de escritório, água, copos e até mesmo a limpeza das delegacias e Institutos da Polícia Civil. A situação é caótica”, informou a nota oficial divulgada pelo sindicato.

Atualização dia 03/08/16 às 11h10

Depois da assembleia e da passeata realizadas nessa terça-feira, uma comissão do Sinpol foi recebida por representantes do governo no Palácio do Campo das Princesas. Depois da conversa, a categoria decidiu que não faria paralisação das atividades, pelo menos por enquanto.

Assembleia dos policiais civis adiada para dia 2 de agosto

O Sindicato dos Policiais Civis de Pernambuco (Sinpol) adiou a assembleia que decidiria ontem sobre a paralisação da categoria. Uma nova assembleia foi marcada para o dia 2 de agosto, começando às 9h, em frente à sede do Sinpol, no bairro de Santo Amaro, com previsão também de uma passeata até o Palácio do Campo das Princesas. Na assembleia será decidido se a paralisação será de 24, 48 ou 72 horas.

Segundo o Sinpol, os policiais deveriam decidir sobre uma possível paralisação. A medida seria votada, segundo a entidade, por conta do tratamento que o governo de Pernambuco tem dado à categoria e à segurança pública do estado. “Não é novidade para a sociedade pernambucana que a segurança pública de Pernambuco passa por uma profunda crise, faltando comando e sobrando trapalhadas. Os policiais civis de Pernambuco têm o pior salário do Brasil e trabalham diariamente em condições desumanas, sendo obrigados a fazer cotas para material de escritório, água, copos e até mesmo a limpeza das Delegacias e Institutos da Polícia Civil. A situação é caótica”, informou a nota oficial divulgada pelo sindicato.

Ainda de acordo com Sinpol, mais de 350 profissionais compareceram ao local ontem à noite e decidiram pelo adiamento. “O Sindicato continua firme na luta e a categoria já mostra mobilização”, disse o presidente Áureo Cisneiros. E acrescentou que a categoria fez sua parte no acordo celebrado antes do carnaval, para elaborar de um novo plano de cargos e carreira para a categoria, que encerrou uma paralisação, mas o Governo de Pernambuco não cumpriu sua parte.

Presos dois suspeitos pela morte do colunista social de Caruaru

Policiais Civis lotados na 88ª DP de Caruaru, 20ª Delegacia de Homicídios e 3ª Divisão de Homicídios, coordenados pelos Delegados Bruno Vital e Márcio Cruz, após a localização do corpo do colunista social Marcolino Júnior, 46 anos, identificaram e prenderam os suspeitos Rafael Leite da Silva, 32 anos, e Davi Fernando Ferreira Graciano, 22, por envolvimento no crime. Os suspeitos foram interrogados e autuados em flagrante pelo Delegado Márcio Cruz em Caruaru.

Marcolino tinha 46 anos e era  Foto: Reprodução/Facebook

Marcolino tinha 46 anos e era muito querido pelos amigos. Foto: Reprodução/Facebook

Segundo a polícia, Rafael Leite da Silva, foi preso enquanto tentava vender o carro da vítima na capital do Agreste. As diligências continuam no sentido de esclarecer plenamente o crime registrado nesse final de semana, também no Agreste. Marcolino Júnior desapareceu no último sábado após almoçar com a mãe por volta das 14h. O corpo dele foi encontrado na tarde desta segunda-feira, na zona rural de cidade de Sairé.

Mais detalhes sobre o caso serão revelados na manhã desta terça-feira, em uma coletiva na Seccional de Caruaru com os delegados Bruno Vital e Márcio Cruz. A Prefeitura de Caruaru divulgou nota lamentando o falecimento do jornalista Marcolino Júnior, referindo-se a ele como importante nome do colunismo social em Caruaru e em todo estado. “Foi com muita tristeza que recebemos esta notícia. Marcolino marcou a sociedade caruaruense com o seu carisma e trabalho”, disse José Queiroz.

Polícia Civil vai trabalhar no carnaval

A Polícia Civil de Pernambuco descartou a possibilidade de greve durante o período de carnaval. Em assembleia realizada, na tarde de ontem, na sede do Sindicato dos Policiais Civis do estado (Sinpol-PE) a categoria decidiu manter os trabalhos, iniciando o que consideraram um “voto de confiança ao governo do estado”. Com auditório lotado de policiais, a direção do Sinpol colocou para votação a possibilidade do voto de confiança ou a continuação do movimento grevista. A categoria decidiu com dois votos contrários que não iria interromper os trabalhos no carnaval.

Foto: Sinpol/Divulgação

Decisão foi tomada em assembleia. Foto: Sinpol/Divulgação

A decisão foi tomada depois de o Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) decretar a ilegalidade da greve, ontem. A decisão foi assinada pelo desembargador Ricardo Paes Barreto e determinava pagamento de multa diária no valor de R$ 100 mil se o sindicato insistisse na mobilização. “Verifico que a permanência por tempo indeterminado da paralisação anunciada certamente conduzirá ao caos social, dada a natureza e a essencialidade da atividade policial, sobretudo nos grandes centros urbanos, causando sérios riscos e incalculáveis prejuízos à sociedade”, ponderou Paes Barreto.

A paralisação por tempo indeterminado foi votada na assembleia anterior dos policiais, na última terça-feira, e prevista para ter início neste sábado. Mas o estado enviou ao sindicato, ontem, um ofício se comprometendo a mandar um projeto de lei para a Assembleia Legislativa no dia 15 de fevereiro promovendo modificações no plano de cargos e carreiras da Polícia Civil acordado com o sindicato em dezembro de 2015.

O documento foi assinado pelo secretário de Administração, Milton Coelho. Segundo a secretaria, o benefício passará a vigorar em abril, respeitando os prazos acordados. O presidente do Sinpol-PE, Áureo Cisneiros, afirmou que, se no dia 15 de fevereiro esse projeto de lei não for enviado ao Legislativo, os policiais civis podem novamente iniciar um processo paredista. “Uma greve agora iria causar um transtorno ao povo de Pernambuco, na principal festa da população do estado. Alguns cidadãos procuraram o sindicato, escutamos as pessoas na rádios e nas ruas, então levamos isso em consideração”, ressaltou Cisneiros.

A principal reivindicação da categoria é o cumprimento da alteração no plano de cargos e carreiras, que além de mudar a estrutura de alguns cargos melhoraria a remuneração dos policiais. De acordo com Áureo Cisneiros, o projeto deveria ter sido enviado na última segunda-feira ao Legislativo, na abertura dos trabalhos da Casa para 2016. “Isso foi combinado dia 2 de dezembro de 2015 com o governo. Além de estar aquém do projeto desejado pela categoria, o governo ainda adiou a data para mandar”, lamentou Cisneiros.

Quatro policiais do Denarc presos por diversos crimes

Quatro policiais civis lotados no Departamento de Repressão ao Narcotráfico (Denarc) foram presos durante operação realizada na manhã desta terça-feira. De acordo com a Polícia Civil de Pernambuco, a Operação teve por objetivo dar cumprimento a quatro mandados de prisão preventiva e quatro mandados de busca e apreensão domiciliar, expedidos pelo Juiz de Direito da Comarca de Paulista.

GOE, no bairro do Cordeiro, era Quartel General para operações

Prisões foram feitas por policiais do GOE com o apoio de outras especializadas

Os policiais civis Leonardo Menezes Lourenço, João Rodrigues de Almeida Filho, Jorge Augusto Silva Rodrigues e Ednã Vitorino da Silva foram presos por policiais civis do Grupo de Operações Especiais (GOE), com apoio do Departamento de Repressão aos Crimes Patrimoniais (Depatri) e da Delegacia de Repressão aos Crimes Contra a Administração e Serviços Públicos (Decasp). Os policiais são investigados por envolvimento nos crimes de associação criminosa, roubo, concussão, sequestro e ameaça.

As investigações tiveram início há dois meses e estavam sendo realizadas pelo próprio Denarc. Em seguida, o chefe da PCPE, delegado Antônio Barros, designou o delegado titular do GOE, Cláudio Castro, para dar continuidade ao procedimento. Mais informações sobre as prisões serão fornecidas pela PCPE nesta quarta-feira às 9h.

Lei torna crime hediondo o assassinato de policiais

Da Agência Brasil

A presidenta Dilma Rousseff sancionou, sem vetos, a lei que torna crime hediondo o assassinato de policiais civis, militares, rodoviários e federais, além de integrantes das Forças Armadas, da Força Nacional de Segurança Pública e do sistema prisional, seja no exercício da função ou em decorrência do cargo ocupado. A nova lei foi publicada na edição dessa terça-feira do Diário Oficial da União.

Aprovada pelo Congresso, em junho, a lei também estabelece o agravamento da pena quando o crime for cometido contra parentes até terceiro grau desses agentes públicos de segurança e for motivado pelo parentesco deles. Esses tipos de homicídio especificamente serão considerados qualificados, o que aumentará a pena do autor do crime.A pena vai variar de 12 a 30 anos de prisão, maior que a pena para homicídio comum, de seis a 20 anos. Também foi aumentada em dois terços a pena para casos de lesão corporal contra esses agentes de segurança pública ou parentes deles.

Delegados e policiais civis fazem protesto e entregam plantões extras

Os delegados e policiais civis de Pernambuco, que fizeram paralisação de 24 horas nesta quinta-feira, realizaram em frente ao Palácio do Campo das Princesas, sede do governo do estado, o enterro simbólico do programa Pacto pela Vida.

Categorias fizeram protesto e caminharam pelas ruas do Centro. Fotos: Thais Arruda Esp. para o DP/D.A Press

Categorias fizeram protesto e caminharam pelas ruas do Centro. Fotos: Thais Arruda Esp. para o DP/D.A Press

Com um caixão preto e flores, os trabalhadores denunciaram a manipulação de números para apontar redução da criminalidade e cobraram, além de melhores condições de trabalho, a reestruturação das carreiras apontadas como as que têm os piores salários do país.

Também nesta quinta, os profissionais da segurança também fizeram a entrega simbólica das jornadas extraordinárias de trabalho. Segundo eles, os plantões do Programa de Jornada Extra de Segurança (PJES) não conduziam com as condições mínimas necessárias para o bom trabalho.

Caixão preto simbolizou o enterro do Pacto pela Vida

Caixão preto simbolizou o enterro do Pacto pela Vida

A decisão foi tomada durante assembleia conjunta entre o Sindicato dos Policiais Civis de Pernambuco (Sinpol) e a Associação dos Delegados da Polícia do Estado de Pernambuco (Adeppe), no dia 26 de junho. Cerca de 90% dos policiais e mais de 240 delegados aderiram ao à entrega.

Delegados e policiais civis farão paralisação na próxima quinta-feira

Policiais civis e delegados decidiram nessa sexta-feira a favor da paralisação na próxima quinta-feira. As categorias reivindicam melhores condições de trabalho e uma reestruturação da carreira. Atualmente, os profissionais da segurança civil de Pernambuco recebem o menor salário do país.

Decisão foi tomada em assembleia nessa sexta-feira. Foto: Sinpol/Divulgação

Decisão foi tomada em assembleia nessa sexta-feira. Foto: Sinpol/Divulgação

A paralisação começará as 8h30, e as categorias devem se mobilizar em frente à Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag), na Rua da Aurora, em Santo Amaro. Policiais e delegados prometem, ainda, realizar uma passeata até o Palácio Campo das Princesas, em Santo Antônio.

Entre as decisões, tomadas durante assembleia conjunta entre o Sindicato dos Policiais Civis de Pernambuco (Sinpol) e a Associação dos Delegados da Polícia do Estado de Pernambuco (Adeppe), estão a abstenção da categoria em casos ligados ao Pacto Pela Vida e a entrega dos plantões do Programa de Jornada Extra de Segurança (PJES), a partir da próxima semana.