Os bastidores da cobertura do caso da menina Júlia Alencar

Ainda no sábado à noite, pouco antes das 23h, recebi a informação de que a menina levada pelo pai havia sido localizada pela polícia do Amapá e que o homem estava preso. Na mesma hora, corri para escrever um texto e postar aqui no blog. A notícia logo foi para as redes sociais do Diario de Pernambuco. No dia seguinte, por volta das 9h, cheguei em frente ao prédio onde mora a mãe da criança, em Casa Caiada, Olinda. O objetivo era saber como ela havia recebido a notícia e o que pretendia fazer de agora em diante.

Fotos: Wagner Oliveira/DP

Dezenas de pessoas aguardavam a chegada dos policiais com a criança e o pai dela. Fotos: Wagner Oliveira/DP

No entanto, no início da tarde de hoje, foi o ponto principal de toda essa cobertura. Era o momento de acompanhar o reencontro de mãe e filha depois de 15 dias afastadas. Além da cena de carinho da mãe com a filha e a expressão de alívio em seu rosto, me chamaram atenção também a satisfação dos policiais pernambucanos envolvidos na investigação e a multidão que esperava para ver não só mãe e filha, mas também a delegada Gleide Ângelo, que comandou os trabalhos.

asjkhdjkas

Um forte esquema policial foi montado na área de desembarque

Dezenas de curiosos e pessoas que se comoveram com a história da menina Júlia Alencar, que havia sido levada pelo pai, fizeram uma festa quando viram a menina com a mãe, Cláudia Cavalcanti, ao lado da delegada Gleide Ângelo no aeroporto do Recife. Aplausos, gritos, fotos e muitas filmagens foi o que se viu na área de desembarque. “Delegada, a senhora é rocheda. Eu sabia que iria dar tudo certo”, gritou uma mulher enquanto registrava as cenas.

pjkahjkads

Depois de entregar a criança à mãe, Gleide Ângelo saiu acompanhada delas

O blog Segurança Pública e o Diario de Pernambuco acompanharam a chegada dos policiais, do pai e da criança e selecionou essas imagens do que aconteceu no aeroporto. O caso do desaparecimento da menina Júlia Alencar, de um ano e dez meses, que havia sido levada pelo pai no último dia 10 de julho ganhou a atenção de muita gente pelo drama vivido pela mãe da garota. Depois de ter sido encontrada pela polícia do Amapá e o pai, Janderson Alencar, preso, a garota voltou ontem para os braços da mãe, a servidora pública Cláudia Cavalcanti.

asjkhdjkas

Jornalistas, fãs e curiosos registravam o reencontro entre mãe e filha

Designados para investigar o desaparecimento de Júlia no último dia 19, as delegadas Gleide Ângelo e Fabiana Leandro e o chefe de investigação Raldney Júnior chegaram ontem ao Recife trazendo a menina que estava aparentemente assustada. O avião que trazia os policiais, a criança e o pai pousou em solo recifense por volta das 12h30. Na área do desembarque do aeroporto, vários jornalistas esperavam para registrar o reencontro de mãe e filha.

alkjdlasjd

Foi difícil de andar até a Delegacia do Turista, onde a menina Júlia reencontrou os outros familiares

A caminhada de Gleide e Cláudia, com a filha nos braços, até a Delegacia do Turista, que fica dentro do aereporto, foi bastante tumultuada. Várias pessoas quase foram derrubadas no chão, inclusive idosas e crianças. Mesmo assim, muita gente fez questão de chegar perto da delegada para dar parabéns por ela ter voltado para o Recife com a criança. Janderson foi levado dentro de uma viatura direto para o IML, onde fez exames e depois seguiu para o Cotel, em Abreu e Lima. Antes da sua saída do aeroporto, o colega fotógrafo Peu Ricardo conseguiu esse registro dele dentro da viatura. Valeu, Peu.

Foto: Peu Ricardo/Esp. DP

O engenheiro Janderson Alencar saiu do aeroporto numa viatura descaracterizada. Foto: Peu Ricardo/Esp. DP

Engenheiro foi preso onde estava escondido com a filha havia três dias

Após passar três dias praticamente trancado junto sua filha Júlia Alencar no kitnet que havia alugado na cidade de Santana, no Amapá, o engenheiro Janderson Barbosa Alencar, 29 anos, foi preso depois que um policial entrou no imóvel como se fosse um eletricista.

Janderson e Júlia chegam nesta segunda-feira

Janderson e Júlia chegam nesta segunda-feira

Segundo informações do blog amapaense Selesnafes.com, Janderson e a menina chegaram ao local por meio de uma embarcação vinda da cidade de Altamira, no Pará, um dos locais onde pai e filha chegaram a se hospedar.

O delegado Uberlândio Gomes, do Amapá, estava monitorando os passos do pernambucano.  “Ele estava esperando uma parente dele chegar de Santarém para ajudá-lo na fuga. Provavelmente ia atravessar para a Guiana Francesa”, comentou o delegado Uberlândio ao Selesnafes.com.

Para tentar forçar a saída de pai e filha do imóvel, a polícia cortou o fornecimento de energia elétrica do local. A iniciativa não deu certo. Foi então que a polícia resolveu criar um plano para entrar no imóvel.

A proprietária do kitnet disse ao engenheiro que havia chamado um eletricista para checar a instalação do kitnet. No entanto, o eletricista era um agente da Polícia Civil do Amapá.

Ele entrou no local com autorização do engenheiro, que ao perceber um descuido de Janderson deu sinal para os outros policiais entrarem no imóvel e imobilizaram o engenheiro.

De acordo com a polícia, ele não teve tempo de reagir. Os policiais encontraram com o engenheiro mais de R$ 25 mil em dinheiro. Janderson, Júlia e os três policiais pernambucanos que estavam investigando o caso chegam ao Recife no início da tarde desta segunda-feira. A mãe da menina, Cláudia Cavalcanti, vai receber a filha no aeroporto.