Defesa do engenheiro Janderson Alencar pediu a revogação da prisão

O advogado Jairo Cavalcanti, que atua na defesa do engenheiro Janderson Rodrigo Salgado de Alencar, 29 anos, solicitou à Justiça a revogação da prisão do seu cliente, na última sexta-feira. Também na sexta-feira, a delegada Gleide Ângelo, que investigou o desaparecimento de Janderson e da filha Júlia Alencar, enviou o inquérito à Justiça no qual ele foi indiciado.

Janderson está preso no Cotel. Foto: Peu Ricardo/Esp. DP

Janderson está preso no Cotel. Foto: Peu Ricardo/Esp. DP

O engenheiro irá responder com base no artigo 237 do Estatuto da Criança e do Adolescente por ter levado a filha da casa da mãe, que tinha a guarda provisória da menina Júlia Alencar. Janderson está preso no Cotel desde o dia 25 deste mês, caso condenado pode pegar de dois a seis anos de reclusão. Ele e a criança foram encontrados no estado do Amapá, depois de 13 dias fugindo da polícia. Júlia, de um ano e dez meses, voltou para a casa da mãe na semana passada.

“A Justiça já encaminhou o processo ao Ministério Público e agora o juiz vai esperar retornar com o parecer do promotor. Também vou esperar a avaliação do meu pedido de revogação da prisão de Janderson”, pontuou Jairo Cavalcanti.

Leia mais sobre o assunto em:

Janderson quer falar porque viajou com a filha após deixar a prisão

Janderson quer falar porque viajou com a filha após deixar a prisão

O engenheiro Janderson Salgado Alencar, 29, que está preso no Centro de Triagem (Cotel), em Abreu e Lima, pretende explicar os motivos que o levaram a fugir com a filha Júlia Alencar, de um ano e dez meses, assim que deixar a prisão. Detido no pavilhão especial da unidade prisional, ele recebeu ontem a visita do advogado Jairo Cavalcanti, com quem conversou sobre o processo.

“Ele está bem e tranquilo. Assim que deixar a prisão vai dar uma entrevista coletiva para explicar as razões dele para o que aconteceu. Como ainda não tive acesso aos autos do processo, não pude entrar com o pedido de habeas corpus”, explicou Cavalcanti. A mãe de Janderson, Maria de Nazaré Salgado de Alencar, disse que o filho não era “bandido”. “Quando ele sair do Cotel vai contar as verdades do fato. Meu filho não é um bandido como estão dizendo”, ressaltou.

Já no bairro de Casa Caiada, em Olinda, em seu primeiro dia de volta à rotina, a menina Júlia Alencar foi cercada de carinhos e cuidados da mãe, Cláudia Cavalcanti, 42, e de toda a família. Na primeira noite em que dormiu na companhia materna, Júlia acordou duas vezes e chorou um pouco. “Ela deve ter acordado ainda com medo, mas fora isso, passou a noite bem. Ainda ontem (anteontem) à noite quando ela chegou em casa ficou um pouco quieta, mas depois que reconheceu o ambiente e reencontrou suas coisas, ficou eufórica. Foi uma alegria só”, contou a mãe que passou 15 dias longe da filha.

A criança que havia sido levada pelo pai foi encontrada na noite do último sábado pela polícia do Amapá e chegou ao Recife no início da tarde de ontem. O engenheiro contou à polícia que não desistiria de tentar morar com a filha.

Até serem encontrados na cidade de Santana, no estado do Amapá, Janderson e a filha percorreram mais 3,5 mil km e passaram por nove cidades de cinco estados. Segundo a delegada Gleide Ângelo, pai e filha deixaram o Recife no final da manhã do dia 10 de julho, depois que o engenheiro pegou a menina na casa da mãe. O acordo judicial determinava que ela deveria ter sido devolvida às 18h, o que não aconteceu.

“As viagens deles foram feitas de ônibus, carros e barcos. Por muito pouco ele não conseguiu sair do Brasil, mas graças a Deus deu tudo certo e a menina agora está com a mãe. Como a prisão aconteceu no sábado, ainda tenho alguns dias para fechar o inquérito e encaminhar para a Justiça”, destacou a delegada Gleide Ângelo, que investigou o caso junto com a delegada Fabiana Leandro e o chefe de investigação Raldney Júnior.

Caso seja condenado, Janderson Alencar poderá pegar de dois a seis anos de reclusão. Ele foi preso em cumprimento a um mandado pelo artigo 237 do Estatuto de Criança e do Adolescente (ECA), que corresponde a subtrair criança ou adolescente com o fim de colocação em lar substituto. De acordo com a assessoria de imprensa da Secretaria de Ressocialização (Seres), Janderson poderá receber visita de familiares a partir deste domingo. Já seu advogado pode visitá-lo todos os dias, no horário das 9h às 20h. Ainda segundo a Seres, no pavilhão especial, onde ficam detentos com formação superior, as celas costumam abrigar de dois a cinco detentos. No entanto, nem a defesa nem a Seres souberam informar com quantas pessoas Janderson está dividindo a cela.

Os bastidores da cobertura do caso da menina Júlia Alencar

Ainda no sábado à noite, pouco antes das 23h, recebi a informação de que a menina levada pelo pai havia sido localizada pela polícia do Amapá e que o homem estava preso. Na mesma hora, corri para escrever um texto e postar aqui no blog. A notícia logo foi para as redes sociais do Diario de Pernambuco. No dia seguinte, por volta das 9h, cheguei em frente ao prédio onde mora a mãe da criança, em Casa Caiada, Olinda. O objetivo era saber como ela havia recebido a notícia e o que pretendia fazer de agora em diante.

Fotos: Wagner Oliveira/DP

Dezenas de pessoas aguardavam a chegada dos policiais com a criança e o pai dela. Fotos: Wagner Oliveira/DP

No entanto, no início da tarde de hoje, foi o ponto principal de toda essa cobertura. Era o momento de acompanhar o reencontro de mãe e filha depois de 15 dias afastadas. Além da cena de carinho da mãe com a filha e a expressão de alívio em seu rosto, me chamaram atenção também a satisfação dos policiais pernambucanos envolvidos na investigação e a multidão que esperava para ver não só mãe e filha, mas também a delegada Gleide Ângelo, que comandou os trabalhos.

asjkhdjkas

Um forte esquema policial foi montado na área de desembarque

Dezenas de curiosos e pessoas que se comoveram com a história da menina Júlia Alencar, que havia sido levada pelo pai, fizeram uma festa quando viram a menina com a mãe, Cláudia Cavalcanti, ao lado da delegada Gleide Ângelo no aeroporto do Recife. Aplausos, gritos, fotos e muitas filmagens foi o que se viu na área de desembarque. “Delegada, a senhora é rocheda. Eu sabia que iria dar tudo certo”, gritou uma mulher enquanto registrava as cenas.

pjkahjkads

Depois de entregar a criança à mãe, Gleide Ângelo saiu acompanhada delas

O blog Segurança Pública e o Diario de Pernambuco acompanharam a chegada dos policiais, do pai e da criança e selecionou essas imagens do que aconteceu no aeroporto. O caso do desaparecimento da menina Júlia Alencar, de um ano e dez meses, que havia sido levada pelo pai no último dia 10 de julho ganhou a atenção de muita gente pelo drama vivido pela mãe da garota. Depois de ter sido encontrada pela polícia do Amapá e o pai, Janderson Alencar, preso, a garota voltou ontem para os braços da mãe, a servidora pública Cláudia Cavalcanti.

asjkhdjkas

Jornalistas, fãs e curiosos registravam o reencontro entre mãe e filha

Designados para investigar o desaparecimento de Júlia no último dia 19, as delegadas Gleide Ângelo e Fabiana Leandro e o chefe de investigação Raldney Júnior chegaram ontem ao Recife trazendo a menina que estava aparentemente assustada. O avião que trazia os policiais, a criança e o pai pousou em solo recifense por volta das 12h30. Na área do desembarque do aeroporto, vários jornalistas esperavam para registrar o reencontro de mãe e filha.

alkjdlasjd

Foi difícil de andar até a Delegacia do Turista, onde a menina Júlia reencontrou os outros familiares

A caminhada de Gleide e Cláudia, com a filha nos braços, até a Delegacia do Turista, que fica dentro do aereporto, foi bastante tumultuada. Várias pessoas quase foram derrubadas no chão, inclusive idosas e crianças. Mesmo assim, muita gente fez questão de chegar perto da delegada para dar parabéns por ela ter voltado para o Recife com a criança. Janderson foi levado dentro de uma viatura direto para o IML, onde fez exames e depois seguiu para o Cotel, em Abreu e Lima. Antes da sua saída do aeroporto, o colega fotógrafo Peu Ricardo conseguiu esse registro dele dentro da viatura. Valeu, Peu.

Foto: Peu Ricardo/Esp. DP

O engenheiro Janderson Alencar saiu do aeroporto numa viatura descaracterizada. Foto: Peu Ricardo/Esp. DP

Engenheiro foi preso onde estava escondido com a filha havia três dias

Após passar três dias praticamente trancado junto sua filha Júlia Alencar no kitnet que havia alugado na cidade de Santana, no Amapá, o engenheiro Janderson Barbosa Alencar, 29 anos, foi preso depois que um policial entrou no imóvel como se fosse um eletricista.

Janderson e Júlia chegam nesta segunda-feira

Janderson e Júlia chegam nesta segunda-feira

Segundo informações do blog amapaense Selesnafes.com, Janderson e a menina chegaram ao local por meio de uma embarcação vinda da cidade de Altamira, no Pará, um dos locais onde pai e filha chegaram a se hospedar.

O delegado Uberlândio Gomes, do Amapá, estava monitorando os passos do pernambucano.  “Ele estava esperando uma parente dele chegar de Santarém para ajudá-lo na fuga. Provavelmente ia atravessar para a Guiana Francesa”, comentou o delegado Uberlândio ao Selesnafes.com.

Para tentar forçar a saída de pai e filha do imóvel, a polícia cortou o fornecimento de energia elétrica do local. A iniciativa não deu certo. Foi então que a polícia resolveu criar um plano para entrar no imóvel.

A proprietária do kitnet disse ao engenheiro que havia chamado um eletricista para checar a instalação do kitnet. No entanto, o eletricista era um agente da Polícia Civil do Amapá.

Ele entrou no local com autorização do engenheiro, que ao perceber um descuido de Janderson deu sinal para os outros policiais entrarem no imóvel e imobilizaram o engenheiro.

De acordo com a polícia, ele não teve tempo de reagir. Os policiais encontraram com o engenheiro mais de R$ 25 mil em dinheiro. Janderson, Júlia e os três policiais pernambucanos que estavam investigando o caso chegam ao Recife no início da tarde desta segunda-feira. A mãe da menina, Cláudia Cavalcanti, vai receber a filha no aeroporto.

Mãe da criança levada pelo pai conta os minutos para ter a filha nos braços

A notícia recebida na noite desse sábado de que sua filha Júlia Alencar, de apenas um ano e dez meses, foi encontrada no estado do Amapá, a servidora pública Cláudia Cavalcanti, 42 anos, só quer uma coisa: pegar a filha em seus braços. Na manhã deste domingo, Cláudia recebeu a imprensa em seu apartamento, na cidade de Olinda, e falou sobre o alívio de saber que a filha está bem.

Cláudia espera a chegada da filha. Foto: Wagner Oliveira/DP

Cláudia espera a chegada da filha. Foto: Wagner Oliveira/DP

“Quando recebi a ligação da delegada Gleide Ângelo dizendo que minha filha havia sido encontrada, minha vontade foi de pegar o primeiro avião e ir embora me encontrar com ela. Chorei muito e também fiquei com o corpo todo trêmulo. A delegada disse que só voltaria com Júlia e graças a Deus isso vai acontecer. Não vejo a hora de ter minha filha nos meus braços”, declarou Cláudia.

Gleide Ângelo, Fabiana Leandro e Raldney Júnior chegarão ao Recife com Júlia nesta segunda-feira

Os policiais Gleide Ângelo, Fabiana Leandro e Raldney Júnior chegarão ao Recife com Júlia nesta segunda-feira

Janderson Alencar, pai da garota, estava sendo procurado pela polícia pernambucana desde o dia 10 deste mês. Ele tinha autorização da Justiça para ficar com a filha das 9h às 18h. Como não devolveu a menina no horário determinado, o caso foi denunciado à polícia e os dois passram a ser procurados. Antes de fugir com a filha, segundo a Polícia Civil de Pernamnbuco, Janderson realizou um saque bancário no valor de R$ 400 mil, o que o ajudou em seu deslocamento pelo Brasil.

Polícia Civil localiza criança que havia sido levada pelo pai

Foi localizada na noite deste sábado, pela Polícia Civil de Pernambuco, a menina Júlia Cavalcanti de Alencar, de 1 ano e 9 meses, que havia sido levada pelo pai. Ela está em segurança. A garota e o pai, Janderson Rodrigo Salgado Alencar, 29, estavam na cidade de Santana, no Amapá. Ele está preso.

A operação pela prisão contou com o apoio da Polícia Civil daquele estado que realizou a abordagem em uma residência localizada na área central da referida cidade. A operação que resultou na localização da criança e prisão do genitor da mesma foi fruto de trabalho em conjunto entre as Polícias Civis de Pernambuco e do Amapá, onde esta última também contou com informações da Inteligência da PCPE.

As delegadas da 9ª DPH da cidade de Olinda/PE, Gleide Angelo e Fabiana Leandro, que presidem as investigações, estão em vôo do Pará para o Amapá com o objetivo de proceder ao recambiamento do preso e trazer a criança para o Estado de Pernambuco.

Júlia e Janderson estavam sendo procurados desde o dia 10 de julho depois que ele não devolveu a menina para a mãe como estava previsto em decisão judicial. Ainda não há previsão para o horário de chegada de pai e filha a Pernambuco, pois as delegadas irão precisar de autorizacão judicial para viajar com a criança.

Polícia do Pará ajuda delegada nas buscas por pai e filha

Policiais civis da equipe de inteligência do estado do Pará estão auxiliando a delegada Gleide Ângelo e mais dois investigadores pernambucanos nas buscas pelo engenheiro Janderson Rodrigo de Alencar, 29 anos, e sua filha Júlia Cavalcanti Alencar, de um ano e dez meses. Os policiais da 9ª Delegacia de Homicídios de Olinda chegaram à cidade de Belém na noite da última quarta-feira depois de realizarem diligências no estado do Maranhão, por onde pai e filho passaram antes de seguirem para o Norte do país. Segundo a assessoria de comunicação da Polícia Civil do Pará, os policiais do setor de inteligência ficarão à disposição da equipe comandada por Gleide Ângelo tempo que for necessário.

Ainda segundo a Polícia Civil do Pará, diligências estão sendo realizadas nas cidades de Belém e Ananindeua. “Os policiais do Pará ficarão com a equipe de Pernambuco o tempo necessário para realizar as buscas e, se for preciso, farão viagens até para o interior do estado”, ressalou o assessor da Polícia Civil, Walrimar Santos. Informações extra-oficiais apontam que Janderson teria familiares na cidade de Belém. Antes de chegar no Pará, a polícia já sabe que o engenheiro esteve hospedado em um hotel na cidade de São Luís, no Maranhão, onde foram encontrados pertences do pai e da filha.

Janderson Alencar está sendo procurado pela polícia pernambucana desde o dia 10 deste mês. Ele tinha autorização da Justiça para ficar com a menina das 9h às 18h. Como não devolveu a menina no horário determinado, o caso foi denunciado à polícia e desde então os dois estão sendo procurados. Antes de fugir com filha, segundo a Polícia Civil de Pernamnbuco, Janderson realizou um saque bancário no valor de R$ 400 mil, o que tem ajudado seu deslocamento pelo Brasil.

Os nomes e as fotografias de Janderson e Júlia foram repassados para as polícias Federal e Rodoviária Federal. O engenheiro não tem autorização da mãe para fazer viagens com a criança, o que impede a saída dele do país por aeroportos. Depois do sumiço de Janderson, Cláudia obteve na Justiça um mandado de busca e apreensão itinerante para a criança. Com isso, qualquer pessoa que encontrar o engenheiro com a filha pode acionar a polícia, que poderá resgatar a menina a entregá-la à mãe. A servidora pública Cláudia Cavalcanti, 42, mãe de Júlia, segue com esperanças de reencontrar a filha. “Tenho certeza de que minha filha vai voltar para casa”, disse Cláudia na última quarta-feira.

Pai e filha desaparecidos podem estar na cidade de Belém, no Pará

A Polícia Civil de Pernambuco pode estar muito perto de encontrar o engenheiro Janderson Rodrigo de Alencar, 29 anos, e sua filha Júlia Cavalcanti Alencar, de um ano e dez meses. A cidade de Belém, no estado do Pará, no Norte do país, seria o paradeiro atual de pai e filha. Eles estão desaparecidos desde o último dia 10, depois que Janderson não devolveu a menina à mãe na casa dela, em Olinda.
Janderson e Júlia ainda estão desaparecidos. Foto: Divulgação

Janderson e Júlia ainda estão sendo procurados. Foto: Divulgação

Ontem, a delegada Gleide Ângelo e policiais do estado do Maranhão chegaram a realizar diligências para tentar encontrar os dois em São Luís, mas não tiveram sucesso. Eles foram vistos em um hotel da cidade no sábado. No entanto, quando os policiais chegaram ao local, Janderson e Júlia já haviam saído. Apenas alguns pertences deles foram encontrados pela polícia.

Informações sobre o paradeiro de Janderson e da menina também foram publicadas no blog SJNotíciasMA, de São Luís. De acordo com as notícias veiculadas pelo jornalista Stenio Johnny, Janderson chegou a fretar vários táxis para se deslocar na capital do Maranhão e teria parentes em Belém. “Ele chegou a pagar três diárias adiantadas no hotel onde estava hospedado, mas foi embora antes. De lá ele foi para o Centro Histórico e pernoitou na cidade de Açailândia. Em seguida, fretou outro táxi e foi para a cidade de Marabá (PA) e depois para Belém. Pelo que soube, ele anda com uma grande quantia em dinheiro”, contou o jornalista.

Cláudia espera reencontrar a filha logo. Foto: Peu Ricardo/Esp.DP

Cláudia espera reencontrar a filha logo. Foto: Peu Ricardo/Esp.DP

A primeira informação sobre o possível paradeiro da filha reacendeu as esperanças da servidora pública Cláudia Cavalcanti, 42, de reencontrar a menina. “Eu soube que eles passaram pelo estado do Maranhão através da imprensa. Estou com mais expectativas de que minha filha seja encontrada logo. Desejo muito estar com ela em meus braços o mais rápido possível”, desabafou Cláudia. A delegada Gleide Ângelo segue em diligências fora do estado desde a última terça-feira.

Janderson tinha uma autorização judicial para ficar com a menina em 10 de julho, no horário das 9h às 18h, quando deveria devolvê-la à mãe. Desde então os dois estão sendo procurados pela polícia. O caso foi denunciado pela família da criança ao Departamento de Polícia da Criança e do Adolescente (DPCA), onde a mãe de Júlia prestou depoimento e contou detalhes da sua relação com o engenheiro, de quem estava separada. A Polícia Civil descobriu que no início deste mês Janderson realizou um saque bancário no valor de R$ 400 mil, o que, para a polícia, foi um sinal de que ele teria premeditado fugir com a filha.

Os nomes e as fotografias de Janderson e Júlia foram encaminhados para as polícias Federal e Rodoviária Federal. Além disso, ele não tem autorização da mãe para realizar viagens com a criança, o que dificultaria a saída dele do país através de aeroportos. Após o sumiço de Janderson, Cláudia conseguiu na Justiça um mandado de busca e apreensão itinerante para a criança. Com isso, qualquer pessoa que encontrar o engenheiro com a filha pode acionar a polícia, que poderá resgatar a menina a entregá-la à mãe.

A família de Júlia criou uma conta no Instagram e uma página no Facebook para ajudar a localizar a criança. Também foi criada a hastag #VamosEncontrarJulia. Quem tiver informações pode telefonar para os números (81) 99752-9191 ou (81) 99977-2143. A advogada da mãe da criança, Suelene Sá Almeida, lembrou que como o pai não tem carteira de habilitação nem carro, ele pode ter contado com a ajuda de outras pessoas na fuga.

Delegada Gleide Ângelo investiga desaparecimento de Júlia Alencar

Por Thamires Oliveira
Especial para o Diario

A delegada Gleide Ângelo, titular da 9ª Delegacia de Homicídios de Olinda, foi designada ontem para assumir as investigações sobre o caso da menina Júlia Cavalcanti Alencar, de um ano e dez meses, que está desaparecida desde o dia 10 de julho. A mãe da garota, a servidora pública Cláudia Cavalcanti, 42, acusa o ex-companheiro, o engenheiro Janderson Rodrigo Salgado de Alencar, 29, de ter fugido com a filha. Segundo a polícia, ele sacou R$ 400 mil em um banco antes de levar a menina.

Janderson e Júlia ainda estão desaparecidos. Foto: Divulgação

Janderson e Júlia ainda estão desaparecidos. Foto: Divulgação

O caso estava sendo investigado pelo Departamento de Polícia da Criança e do Adolescente (DPCA). Nova responsável pela apuração, Gleide Ângelo já atuou em casos de desaparecimento de grande repercussão, como o da estudante Maria Alice Seabra, que foi morta pelo padrasto e teve o corpo deixado em um canavial de Itapissuma, e o da estudante Vaniela Oliveira, encontrada viva, em João Pessoa, após três dias de sumiço.

Nas redes sociais, a família de Júlia Alencar iniciou uma campanha com o slogan Vamos encontrar Júlia. Há nove dias sem nenhuma notícia da filha, Cláudia permanece na esperança de que ela seja devolvida pelo pai. Janderson deveria ter entregue a menina para a mãe às 18h do domingo, conforme determinado pela Justiça. “É enlouquecedor não saber nenhuma notícia. Não sei se ela está comendo, se está dormindo, se está bem. Eu clamo que se ele ama a filha, e está vendo ela sofrer, não a prive do convívio com a mãe e a família”, desabafa Cláudia.

Cláudia espera reencontrar a filha logo. Foto: Peu Ricardo/Esp.DP

Cláudia espera reencontrar a filha logo. Foto: Peu Ricardo/Esp.DP

Segundo Cláudia, a filha é doce e tímida. Durante os quatro meses que o casal morou junto, a relação entre pai e filha era “carinhosa e protetora”, e ninguém jamais poderia prever essa atitude por parte do pai. Em novembro de 2015, a Justiça determinou uma medida protetiva para Cláudia, depois de ela ter sido ameaçada de morte pelo ex-companheiro. A determinação, no entanto, não afetava a relação entre pai e filha. Durante os sete meses seguintes, o casal disputou a guarda da menina na Justiça, que a entregou para a mãe, definindo uma visita semanal do pai no sábado ou no domingo, das 9h às 18h.

Gleide Ângelol em coletiva no DHPP. Foto: Paulo Paiva/DP

Gleide Ângelo vai continuar as investigações. Foto: Paulo Paiva/DP

A primeira visita ocorreu de forma satisfatória para ambas as partes. Na segunda visita, dia 10 de julho, Janderson não voltou para entregar a filha em Olinda. Desde então, o celular dele se encontra desligado e todas as suas contas nas redes sociais foram deletadas. A família do engenheiro afirma também não ter notícias sobre a localização dele. “Vivo na esperança de encontrar minha filha. A família sonha em ver de novo ela correndo, brincando e arrastando sua boneca pela casa”, conta Cláudia.

A polícia acredita que o crime tenha sido premeditado devido ao saque de alto valor realizado por Janderson antes de sumir com a menina. Segundo a polícia e Cláudia, ele não exercia a profissão e vivia de renda de herança familiar. “Ele já morou em várias cidades do Brasil e do mundo e tem contatos em vários lugares. É provável que ele tenha saído do estado e até do país”, afirma a advogada de Cláudia, Suelene Sá Almeida. Após o registro do desaparecimento do ex-companheiro e da filha, ela conseguiu na Justiça um mandado de busca e apreensão itinerante. Informações podem ser repassadas pelos telefones (81) 99752-9191 e (81) 99977-2143.