Familiares de Beatriz Mota fazem ato em Petrolina para homenagear garota

Familiares e amigos da estudante Beatriz Mota, assassinada em dezembro de 2015 com mais de 40 facadas, em Petrolina, no Sertão do estado, farão um ato nesta quarta-feira (10) para homenagear a pequena. Beatriz foi encontrada morta dentro do Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, onde ela estudava e seu pai era professor. A Polícia Civil de Pernambuco ainda não conseguiu esclarecer o caso. Até agora, nenhum suspeito pelo crime foi preso.

Beatriz Mota tinha sete anos quando foi morta. Foto: Facebook/Reprodução

“Persistimos nessa luta por justiça, porque acreditamos primeiramente em Deus. Nossa Beatriz não teve chance de se defender. Mentes diabólicas planejaram com antecedência todos os detalhes para tirar a vida de uma inocente. Quem são essas pessoas envolvidas nesse mistério? Quais os reais motivos? O que eles não contavam era com o grande  amor que temos por Beatriz. Amor que nos une e fortalece diariamente. Estaremos hoje deixando flores para nossa princesa Beatriz, às 19h30 ao lado do Colégio”, disse Sandro Romilton, pai da garota.

Polícia Federal vai ajudar na investigação do Caso Beatriz

Depois de mais um protesto da família da menina Beatriz Angélica Mota, assassinada há dois anos em Petrolina, as polícias Civil e Federal assinarão um termo de cooperação para atuar de forma interestadual na procura pelo autor do crime. A decisão foi anunciada para parentes da criança durante reunião realizada no Palácio do Campo das Princesas, na tarde dessa segunda-feira, com a presença do chefe de Polícia Civil, Joselito Kehrle, do secretário-executivo da Casa Civil, Marcelo Canuto, da delegada Gleide Ângelo e do secretário de Defesa Social, Antônio de Pádua.

Protesto dos familiares aconteceu em frente ao Palácio. Foto: Thalyta Tavares/Esp.DP

Os pais de Beatriz, acompanhados de parentes e amigos, viajaram ao Recife para cobrar do estado a quebra do sigilo das investigações para a família. Cerca de 30 pessoas munidas de faixas e camisas os acompanharam. Durante o encontro com a comissão, eles tiveram o pedido indeferido e foram informados que a requisição deve ser formalizada junto à Justiça. “Foi esclarecido à família que quem decreta o sigilo é o Poder Judiciário. Então, eles vão peticionar a Justiça e, eles deferindo, obviamente a polícia vai abrir os autos para a família”, afirmou Joselito Kehrle. Segundo ele, as polícias estariam trabalhando de forma conjunta “informalmente”, mas o termo oficializará as ações e permitirá identificar o autor caso ele seja de fora de Pernambuco.

O advogado Jaime Badeka Filho, presidente da comissão da Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em Juazeiro, que acompanhou a família ao Recife, afirmou que entrará com o pedido na Justiça ainda nesta semana. “Esse não é um fato qualquer, é de interesse público. A família vem trabalhando de forma paralela nas investigações. Nós pedimos a abertura do inquérito, o acesso a todas as peças, todas as informações, para poder continuar colaborando”, disse Jaime.

Pais de Beatriz conversaram com o chefe da Polícia Civil. Foto: Nando Chiappetta/DP

A mãe de Beatriz, Lúcia Mota, estava há três meses esperando do governo uma resposta sobre a possibilidade de quebra de sigilo. Ela chegou a fazer greve de fome para obter a resposta. “Sai com uma resposta, mas não posso dizer que estou contente. Só vou estar quando o assassino e todos que participaram, direta ou indiretamente do crime, forem punidos. O inquérito é importante para a gente saber o que já foi feito e o que ainda pode ser feito. Eu entendo que as investigações foram obstruídas”, declarou Lúcia.

Outra demanda do grupo foi celeridade para prisão de outros envolvidos no crime. “As imagens das câmeras foram apagadas por algum funcionário da escola. Há evidências, mas eles disseram que estão sendo concluídas diligências nesta semana para dizer algo”, pontuou Lúcia Mota. “A polícia fica muito focada no executor e, no nossoentendimento, engessa as investigações. A gente acredita que, se alguma medida cautelar alternativa à prisão for decretada para algum dos suspeitos que colaboraram, já é diferente. Pode chegar ao executor, ao mentor”, acresentou Jaime Badeka Filho.

Até então, a polícia tem imagens do autor, de um circuito de câmeras, e também o DNA. Um total de 96 pessoas foram submetidas a perícia para confronto do perfil genético. “Nesses dois anos, nós saímos de um retrato falado para um perfil genético. Produzimos 13 volumes de inquérito policial, com 3 mil laudas e mais de 200 perícias realizadas”, acrescentou o chefe da Polícia Civil.

Beatriz foi assassinada aos sete anos de idade, com 42 facadas, em dezembro de 2015. O crime aconteceu dentro do Colégio Nossa Senhora Auxiliadora de Petrolina, durante a solenidade de formatura dos estudantes. O corpo da menina foi encontrado atrás de um armário de uma sala de material esportivo desativada. Para os investigadores, não há dúvidas de que o homem que aparece nas filmagens é o assassino. O Disque-Denúncia oferece R$ 10 mil de recompensa para quem tiver informações sobre a localização do homem.

Pais de Beatriz Mota pedem ajuda para divulgar imagem de suspeito

Os pais, amigos e familiares da menina Beatriz Angélica Mota, 7 anos, assassinada com 42 facadas em dezembro de 2015, em Petrolina, no Sertão, e o Movimento #SomostodosBeatriz estão precisando de ajuda para continuar lutando por justiça. Com o surgimento de novas imagens do assassino, a família e o amigos de Beatriz estão intensificando a procura. Mas para isso, precisam de ajuda financeira para uma nova campanha com cards, cartazes, outdoors e outras mídias.

Beatriz Mota tinha sete anos quando foi morta. Foto: Facebook/Reprodução

Beatriz Mota tinha sete anos quando foi morta. Foto: Facebook/Reprodução

Quem puder ajudar o movimento pode fazer depósitos na Caixa Econômica Federal, agência: 0080, conta poupança: 013.7520-3 em nome de Sandro Romilton Ferreira da Silva, pai de Beatriz. No mês passado, a Polícia Civil conseguiu imagens que revelam a face do autor do crime. Para os investigadores, não há dúvidas de que o homem que aparece nas filmagens de câmeras de segurança de estabelecimentos próximos ao Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, onde ela estudava, é o assassino. O Disque-Denúncia está oferecendo R$ 10 mil de recompensa para quem tiver informações sobre a localização do homem.

Policia diz que este homem é o assassino. Foto: Shilton Araújo/Esp/DP

Policia diz que este homem é o assassino. Foto: Shilton Araújo/Esp/DP

DENUNCIE
Quem tiver informações que possam auxiliar a polícia na identificação do suspeito que aparece nas imagens pode entrar em contato com os investigadores através dos números abaixo:

Ouvidoria SDS – 181
WhatsApp – (87) 9 9911-8104
Disque-Denúncia
(81) 3421-9595
(81) 3719-4545
Recompensa R$ 10 mil

Pais de Beatriz Mota participam de reunião na Câmara Municipal de Juazeiro

Acontece esta noite, na Câmara de Vereadores de Juazeiro, na Bahia, uma reunião extraordinária entre os pais da menina Beatriz Angélica Mota, 7 anos, assassinada com 42 facadas em dezembro de 2015, em Petrolina, e os representantes do legislativo municipal. Proposto pelo vereador Taino Félix (PT-BA), o encontro tem como objetivo tratar dos assuntos relacionados aos vídeos e imagens do suspeito de ter praticado o crime que abalou o estado. Na semana passada, a delegada Gleide Ângelo apresentou novidades nas investigações.

Divulgação

Parentes e amigos da menina fizeram protesto no Recife no ano passado. Foto: Divulgação

A Polícia Civil conseguiu imagens que revelam a face do autor do crime. Para os investigadores, não há dúvidas de que o homem que aparece nas filmagens de câmeras de segurança de estabelecimentos próximos ao Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, onde ela estudava, é o assassino. O Disque-Denúncia vai oferecer R$ 10 mil de recompensa para quem tiver informações sobre a localização do homem.

De acordo com a delegada Gleide Ângelo, responsável pelo inquérito, nesta etapa da investigação a ajuda da população será crucial para elucidar o caso. “A partir daquela imagem inicial que conseguimos em setembro, a gente aprofundou todos os locais em que ele passou. Nossas imagens não estavam com qualidade boa e a gente conseguiu melhorar com auxílio da tecnologia. Agora temos toda a dinâmica do crime, vimos quando ele pega a faca, coloca na perna e segue em direção à escola. Precisamos que a imagem dele seja divulgada para que consigamos achá-lo”, detalhou a delegada.

Segundo a investigação, antes de cometer o assassinato, o suspeito ficou por duas horas na frente da escola atuando como se fosse flanelinha e teve contato com várias pessoas que foram à festa. “Há indícios de que o crime foi premeditado. Ele passou horas esperando a diplomação para entrar no colégio, seria o momento oportuno para pegar qualquer criança. Estamos analisando a possibilidade de que ele não tenha agido sozinho”.

DENUNCIE
Quem tiver informações que possam auxiliar a polícia na identificação do suspeito que aparece nas imagens pode entrar em contato com os investigadores através dos números abaixo:

Ouvidoria SDS – 181
WhatsApp – (87) 9 9911-8104
Disque-Denúncia
(81) 3421-9595
(81) 3719-4545
Recompensa R$ 10 mil

Pelo menos seis pessoas podem estar envolvidas na morte da menina Beatriz Mota

As investigações da Polícia Civil de Pernambuco apontam que pelo menos seis pessoas podem estar envolvidas na morte da menina Beatriz Angélica Mota, 7 anos, assassinada a facadas, em dezembro do ano passado, no Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, no Centro de Petrolina. A informação foi divulgada nesta terça-feira pelo delegado responsável pelas investigações, Marceone Ferreira.

Além do homem apontado como o autor das facadas que mataram Beatriz Mota, a polícia afirma que cinco funcionários do colégio onde aconteceu o crime podem ter ligação com o caso. Segundo o delegado Marceone Ferreira, quatro homens e uma mulher que trabalharam no local no dia da festa mentiram nos depoimentos.

Beatriz tinha sete anos. Fotos: Reprodução/ Blog O Povo com a Notícia

Beatriz tinha sete anos. Fotos: Reprodução/ Blog O Povo com a Notícia

Ainda segundo o delegado, Beatriz não foi a única criança abordada pelo suspeito na noite do crime. Outra menina também foi abordada por um homem que pediu ajuda para buscar umas mesas. A criança, no entanto, não atendeu ao pedido e saiu correndo. Também de acordo com o delegado, as perícias feitas indicam que a menina não foi assassinada na sala em que foi encontrada.

Para a polícia, Beatriz teria sido morta em outro local e, já sem vida, teria sido levada para a sala utilizada como depósito de equipamentos esportivos desativado. Ainda de acordo com o delegado, a cena do crime teria passado por uma limpeza, o que dificultou o trabalho da perícia.

Suspeito está sendo procurado. Foto: Carol Sa Leitao/Esp. DP

Retrato falado de um suspeito foi divulgado. Foto: Carol Sa Leitao/Esp. DP

A menina foi assassinada no dia 10 de dezembro do ano passado em uma festa de formatura no colégio em que seu pai dá aulas de inglês, em Petrolina. Beatriz tinha ido para a festa acompanhada dos pais e da irmã mais velha, que foi participar das solenidades. A menina se afastou da mãe, Lúcia Mota, para beber água e não voltou. O colégio disse que só vai pronunciar sobre a coletiva da polícia nesta quarta-feira.

Até agora, nenhum suspeito foi preso, apesar da Polícia Civil ter divulgado o retrato falado do suspeito de ter cometido o crime. A imagem foi elaborada a partir do depoimento de várias testemunhas que estavam na festa. Uma recompensa no valor de R$ 10 mil esta sendo oferecida por informações que levem à prisão do ou dos suspeitos do crime.

Quem souber de algo que possa auxiliar a investigação deve ligar para o telefone do Disque-Denúncia Agreste (81) 3719-4545 ou pelo site www.disquedenunciape.com.br. O anonimato é garantido.

Polícia conclui caso da adolescente Beatriz Vital e prende suspeito

O delegado Carlos Barbosa da DPCA de Jaboatão apresenta nesta terça-feira a conclusão do inquérito que apurou o desaparecimento da adolescente Maria Beatriz Vital, 15 anos. A garota estava desaparecida desde o dia 25 de janeiro deste ano e seu corpo foi encontrado carbonizado em um matagal, em Ponte dos Carvalhos, no Cabo de Santo Agostinho. Beatriz morava no Curado IV, em Jaboatão dos Guararapes.

Segundo a polícia, o suspeito do crime, que era namorado da vítima, foi indiciado pelo assassinato e acabou preso. Durante a fase de investigação o rapaz de 29 anos negou que tivesse envolvimento no desaparecimento da jovem. Os detalhes do caso serão revelados no auditório da sede operacional da Polícia Civil de Pernambuco, na Rua da Aurora, na Boa Vista.
Leia mais sobre o assunto:

Parentes e amigos querem solução para desaparecimento de adolescente