Familiares da menina Beatriz Mota protestarão no Recife nesta segunda-feira

Um grupo de aproximadamente 40 pessoas chegará ao Recife na manhã desta segunda-feira vindo da cidade de Juazeiro, na Bahia, para cobrar solução no caso do assassinato da menina Beatriz Angélica Mota 7 anos. A garota foi assassinada com 42 facadas, em dezembro de 2015, em Petrolina, no Sertão pernambucano. Até hoje, o responsável pelo crime não foi preso. De acordo com o pai de Beatriz, o professor Sandro Romilton Ferreira, o grupo virá acompanhado do advogado Jaime Badeka Filho e irá até a frente do Palácio do Campo das Princesas. A previsão de chegada à capital do estado é às 9h.

Ana Mota e Sandro Romildo querem solução do crime que vitimou sua filha. Foto: Nando Chiappetta/DP

“Iremos até o Palácio das Princesas. Também queremos falar com o atual secretário de Defesa Social, Antônio de Pádua, e com o chefe da Polícia Civil do estado, Joselito Kherle do Amaral. Queremos a resposta de um pedido de abertura do inquérito que foi feito no mês agosto. E também a resposta das perícias nos DVRs da Escola Maria Auxiliadora com a confirmação de que um funcionário da escola apagou as imagens. E, finalmente, o pedido de prisão do mesmo”, declarou Sandro, adiantando que outros pedidos serão feitos às autoridades.

Beatriz Mota tinha sete anos quando foi morta. Foto: Facebook/Reprodução

Em maio deste ano, uma reunião foi realizada na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) da participaram os pais de Beatriz. O encontro aconteceu por iniciativa do deputado estadual Odacy Amorim e foi realizado numa sessão conjunta com a Comissão de Cidadania e Direitos Humanos. Em julho do ano passado, familiares e amigos da garota assassinada e que fazem parte do grupo Somos Todos Beatriz realizaram um protesto pelas ruas do Centro do Recife. Na ocasião, foram recebidos pelo governador Paulo Câmara.

Policia diz que este homem é o assassino. Foto: Shilton Araújo/Esp/DP

Até agora o suspeito pela morte da garota não foi preso. Em março deste ano, a Polícia Civil conseguiu imagens que revelam a face do autor do crime. Para os investigadores, não há dúvidas de que o homem que aparece nas filmagens de câmeras de segurança de estabelecimentos próximos ao Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, onde ela estudava, é o assassino. O Disque-Denúncia oferece R$ 10 mil de recompensa para quem tiver informações sobre a localização do homem. A delegada Gleide Ângelo está à frente das investigações.

DENUNCIE
Quem tiver informações que possam auxiliar a polícia na identificação do suspeito que aparece nas imagens pode entrar em contato com os investigadores através dos números abaixo:

Ouvidoria SDS – 181
WhatsApp – (87) 9 9911-8104
Disque-Denúncia
(81) 3421-9595
(81) 3719-4545
Recompensa R$ 10 mil

Pais de Beatriz Mota pedem ajuda para divulgar imagem de suspeito

Os pais, amigos e familiares da menina Beatriz Angélica Mota, 7 anos, assassinada com 42 facadas em dezembro de 2015, em Petrolina, no Sertão, e o Movimento #SomostodosBeatriz estão precisando de ajuda para continuar lutando por justiça. Com o surgimento de novas imagens do assassino, a família e o amigos de Beatriz estão intensificando a procura. Mas para isso, precisam de ajuda financeira para uma nova campanha com cards, cartazes, outdoors e outras mídias.

Beatriz Mota tinha sete anos quando foi morta. Foto: Facebook/Reprodução

Beatriz Mota tinha sete anos quando foi morta. Foto: Facebook/Reprodução

Quem puder ajudar o movimento pode fazer depósitos na Caixa Econômica Federal, agência: 0080, conta poupança: 013.7520-3 em nome de Sandro Romilton Ferreira da Silva, pai de Beatriz. No mês passado, a Polícia Civil conseguiu imagens que revelam a face do autor do crime. Para os investigadores, não há dúvidas de que o homem que aparece nas filmagens de câmeras de segurança de estabelecimentos próximos ao Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, onde ela estudava, é o assassino. O Disque-Denúncia está oferecendo R$ 10 mil de recompensa para quem tiver informações sobre a localização do homem.

Policia diz que este homem é o assassino. Foto: Shilton Araújo/Esp/DP

Policia diz que este homem é o assassino. Foto: Shilton Araújo/Esp/DP

DENUNCIE
Quem tiver informações que possam auxiliar a polícia na identificação do suspeito que aparece nas imagens pode entrar em contato com os investigadores através dos números abaixo:

Ouvidoria SDS – 181
WhatsApp – (87) 9 9911-8104
Disque-Denúncia
(81) 3421-9595
(81) 3719-4545
Recompensa R$ 10 mil

Creche em Juazeiro (BA) terá o nome da menina Beatriz Angélica Mota

A Prefeitura de Juazeiro (BA) vai inaugurar, nesta sexta-feira (31), por meio da Secretaria de Educação e Juventude, a Creche Beatriz Angélica Mota Ferreira da Silva. A escolha do nome é uma forma de homenagear a menina assassinada com 42 facadas, aos sete anos, no dia 10 de dezembro de 2015, durante uma festa na escola em que estudava em Petrolina, Sertão. A unidade fica no Residencial Juazeiro I.

Beatriz tinha sete anos. Foto: Blog O Povo Com a Noticia/Reproducao da Internet

Beatriz tinha sete anos. Foto: Blog O Povo Com a Noticia/Reproducao da Internet

Para o pai de Beatriz, o professor Sandro Romilton Ferreira, será um dia muito especial para toda a família. “Será uma homenagem que trará muitas saudades e boas lembranças. Um nome eternizado e um amor vivo mais do que nunca. Será um dia muito especial em nossas vidas”, destacou Sandro. A Polícia Civil de Pernambuco divulgou recentemente a imagem do homem suspeito de ter matado a criança.

Para os investigadores, não há dúvidas de que o homem que aparece nas filmagens de câmeras de segurança de estabelecimentos próximos ao Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, onde Beatriz estudava, é o assassino. O Disque-Denúncia está oferecendo R$ 10 mil de recompensa para quem tiver informações sobre a localização do homem.

Policia diz que este homem é o assassino. Foto: Shilton Araújo/Esp/DP

Policia diz que este homem é o assassino. Foto: Shilton Araújo/Esp/DP

DENUNCIE
Quem tiver informações que possam auxiliar a polícia na identificação do suspeito que aparece nas imagens pode entrar em contato com os investigadores através dos números abaixo:

Ouvidoria SDS – 181
WhatsApp – (87) 9 9911-8104
Disque-Denúncia
(81) 3421-9595
(81) 3719-4545
Recompensa R$ 10 mil

Menina de oito anos morre após ser atingida por um tiro na cabeça

Um tiroteio após uma tentativa de assalto no Cabo de Santo Agostinho tirou a vida de mais uma pessoa inocente. A menina Larissa Raquel da Silva, 8 anos, estava na fila para receber a merenda, na manhã de ontem, quando foi atingida por uma bala na cabeça. O crime aconteceu em frente à Escola Municipal Santo Antônio, no Alto da Bela Vista, no Cabo de Santo Agostinho. Segundo a polícia, houve uma troca de tiros entre o proprietário de uma padaria e um homem de 19 anos, que foi ferido e preso. O suspeito Santiago Henrique da Silva, está custodiado no Hospital Dom Helder e será autuado em flagrante. Quando receber alta, será levado para o Centro de Triagem, em Abreu e Lima.

Menina foi atingida quando estava na escola. Foto: Reprodução/TV Clube

Menina foi atingida quando estava na escola. Foto: Reprodução/TV Clube

De acordo com o primo de Larissa, Márcio Fernando da Silva, 28, a menina estava numa fila na área externa da escola para receber a merenda quando foi atingida. “Pelo que disseram, o tiro que acertou a cabeça dela teria saído da arma do homem que foi fazer o assalto. A família ainda está muito abalada e providenciando o enterro que deve acontecer amanhã (hoje), no Cemitério da Cohab do Cabo”, ressaltou Márcio. Até o final da tarde de ontem, o corpo da criança permanecia no necrotério do Hospital da Restauração (HR), onde ela morreu por volta das 12h de ontem. Antes de chegar ao HR, Larrisa havia sido atendida na Unidade de Pronto Atendimento da Cohab, no Cabo de Santo Agostinho.

Larissa Raquel tinha oito anos. Foto:

Larissa Raquel tinha oito anos. Foto: Reprodução/TV Clube

Na tarde de ontem, o delegado Ermírio de Azevedo, da Delegacia do Cabo, esteve no local do crime para acompanhar as perícias que foram realizadas. O proprietário da padaria, José Vicente do Carmo, 57, se apresentou na delegacia e prestou depoimento. As armas utilizadas pelo suspeito e pelo comerciante foram apreendidas pela polícia e passarão por perícia. O resultado vai apontar de qual revólver saiu o disparo que atingiu a garota. “O comerciante já prestou depoimento e o assaltante segue custodiado no hospital. O procedimento do flagrante ainda está sendo finalizado. Por enquanto, só o suspeito está na condição de autuado”, declarou o delegado.

Por meio de nota, a Prefeitura do Cabo de Santo Agostinho lamentou o falecimento da estudante Larissa Raquel da Silva, aluna da Escola Municipal Santo Antônio. A prefeitura “se solidariza com os familiares e amigos da vítima e espera que as autoridades policiais tomem as providências que o caso requer para que, com a brevidade possível, a Justiça possa punir os responsáveis por essa tragédia que atingiu a toda a sociedade cabense.”

No dia 12 de maio deste ano, uma outra menina foi morta baleada na cabeça quando chegava em casa, também no Alto da Bela Vista, no Cabo. A garota Mikaela Tahilla, de 6 anos, foi atingida por disparos de arma de fogo durante uma perseguição policial a supostos traficantes. A criança estava acompanhada do irmão mais velho. A vítima morreu dois dias depois, no Hospital da Restauração, onde estava internada na emergência pediátrica. Dois suspeitos foram detidos pela polícia três dias após o crime. O comandante do 18º BPM, através da assessoria de comunicação da PMPE, informou que o policiamento no Alto da Bela Vista é realizado pela Patrulha do Bairro, motopatrulhamento e recobrimento do Grupo de Apoio Tático Itinerante (GATI).

Olinda
Na madrugada de ontem, um menino de três anos e a mãe dele, uma dona de casa de 27, foram baleados na frente de casa, na Rua Golfinho, no bairro de Ouro Preto, em Olinda. O pai da criança disse que estava jogando futebol quando ouviu o barulho dos disparos e voltou para casa, quando já encontrou os dois feridos. O homem socorreu esposa e filho para a UPA da Cidade Tabajara, de onde as vítimas foram transferidas para o HR. Os tiros foram transfixantes, mas não deixaram as vítimas em estado grave. O caso foi registrado no posto policial do HR e será investigado pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

MPPE diz que nenhuma linha está descartada no caso Beatriz Mota

Enquanto a Polícia Civil de Pernambuco mantém o silêncio sobre as investigações da morte da menina Beatriz Mota, 7 anos, o Ministério Público de Pernambuco (MPPE) divulgou nota de esclarecimento sobre o caso ocorrido dentro de uma escola no centro de Petrolina, no Sertão do estado. Segundo o MPPE, nenhuma linha de investigação pode ser descartada ainda.

Beatriz tinha sete anos. Foto: Blog O Povo Com a Noticia/Reproducao da Internet

Beatriz tinha sete anos. Foto: Blog O Povo Com a Noticia/Reproducao da Internet

Confira abaixo:

Diferentemente do que se percebe por alguns títulos das matérias veiculadas sobre o caso Beatriz, de Petrolina, com base em pronunciamento de membro do Ministério Público de Pernambuco (MPPE), incumbe esclarecer que a colocação do promotor de Justiça responsável pelo caso, foi no sentido de que nenhuma linha de investigação deva ser, nesse momento, descartada.

Ciente da possibilidade de diversas interpretações quanto ao conteúdo das declarações do órgão ministerial, o MPPE deixa clara:

1. a inexistência de acusação voltada a qualquer tipo de religião ou credo;
2. que a responsabilização pela(s) conduta(s) homicidas que levaram à morte uma criança de forma tão estúpida e violenta devam ser imputadas individualmente a seu(s) autor(es) e não a qualquer religião ou credo e;
3. que as investigações ainda estão em curso, portanto nada conclusivo pode ser apontado como causa do homicídio, que sensibilizou o município, Estado e País;
4. que as falhas eventualmente apontadas no procedimento investigatório dizem respeito, em sua maioria, à própria estrutura deficitária e ao método/modelo de investigação consolidada na prática policial em nosso País, não dizendo respeito a atuação individual de seus componentes.

As instituições componentes do aparato de justiça e segurança estão envidando esforços para encontrar a solução do caso, prestando, assim, satisfação à população que clama pela Justiça, neste sentido, prudência e cautela devem pautar a propagação de informações sobre o caso neste momento.

Polícia Federal pode assumir investigação do caso Beatriz Mota

Parentes e amigos da menina Beatriz Angélica Mota, de apenas 7 anos, morta a facadas em Petrolina, esperam por uma resposta positiva da Polícia Federal para que as investigações do caso sejam feitas por agentes federais. A PF ainda está analisando a possibilidade de assumir o caso. A garota foi morta durante uma festa formatura, no dia 10 de dezembro de 2015. Há duas semanas, a presidente Dilma Rousseff, em visita à Petrolina, conversou com os pais de Beatriz.

Beatriz tinha sete anos. Foto: Blog O Povo Com a Noticia/Reproducao da Internet

Beatriz tinha sete anos. Foto: Blog O Povo Com a Noticia/Reproducao da Internet

Para que a PF assuma a investigação, é preciso uma determinação do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que precisa de parecer técnico da PF e requerimento do procurador-geral da República. O pedido para que a PF assuma o caso é apontada como “a única” esperança para que as investigações avancem, segundo familiares da vítima.

Na semana passada foram divulgadas, pela Polícia Civil de Pernambuco, imagens da garota durante a festa no Colégio Nossa Senhora Auxiliadora. No vídeo é possível ver Beatriz com a mãe na arquibancada da quadra do colégio e, depois, se afastando sozinha do local. As imagens também mostram amigos e familiares procurando pela menina na escola.

Em depoimento, convidados da solenidade onde o crime aconteceu mencionam a presença de um “estranho”, que teria sido visto no banheiro feminino com duas crianças. Cerca de 2,5 mil pessoas estavam no evento. A grande quantidade de convidados circulando no local é um dos fatores que dificulta a investigação.

Imagens feitas nos celulares e pelo fotógrafo que estava trabalhando na festa estão sendo usadas pela polícia. A instituição de ensino não tinha câmeras de monitoramento no local onde a menina foi encontrada morta. A escola só tinha câmeras na portaria, corredores e pátios. Apesar da divulgação do retrato falado, a Polícia Civil não descarta a participação de outros envolvidos no caso.

Suspeito está sendo procurado. Foto: Carol Sa Leitao/Esp. DP

Suspeito está sendo procurado pela polícia. Foto: Carol Sa Leitao/Esp. DP

O delegado responsável pelo caso, Marceone Jacinto, enfatiza que “por ser um caso de grande complexidade, nenhuma linha de investigação foi descartada, inclusive a possibilidade do envolvimento de outros suspeitos”. A polícia alerta que a população pode ajudar nas investigações, repassando informações ao Disque-denúncia ou ao site da instituição. A Polícia Civil oferece R$ 10 mil para quem prestar informações que ajudem a encontrar o assassino.

Com informações da Agência Estado

Governo formará agentes para lidar com jovens em conflito com a lei

Da Agência Brasil

Cerca de 20 mil agentes públicos que atuam no Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase) trabalham, diariamente, com jovens em conflito com a lei. Os adolescentes cumprem medidas socioeducativas de meio aberto, restritivas ou privativas de liberdade. Uma convivência que, muitas vezes, é difícil e enfrenta resistências de ambos os lados. Em Pernambuco, existem 20 unidades da Funase.

Foto: Bernardo Dantas/DP/D.A Press

Foto: Bernardo Dantas/DP/D.A Press

Os desafios para a efetivação da socioeducação são diversos, incluindo aos adolescentes a garantia de acesso a políticas como educação, fim das violações e construção de uma cultura de direitos. Em 2014, apenas em Fortaleza ocorreram 15 rebeliões nas unidades do sistema, de acordo com o Centro de Defesa da Criança e do Adolescente (Cedeca-CE).

Diante desse cenário e com o objetivo de melhorar o serviço nos estados, foi criada a Escola Nacional do Socioeducativo. Ela terá como papel oferecer formação continuada a trabalhadores do Sinase em todo o país, com conteúdos teóricos e práticos padronizados e pautados pela perspectiva dos direitos humanos.

Segundo a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, em 2012, o sistema comportava 20.532 adolescentes em restrição e privação de liberdade e 88.022 em meio aberto, ou seja, que prestam serviços à comunidade ou estão em liberdade assistida.

Foto: Annaclarice Almeida/DP/D.A. Press

Foto: Annaclarice Almeida/DP/D.A. Press

“A gente fica na nossa e também não espera nada deles. Só o serviço que eles têm de fazer. Não os olhamos como amigos nem inimigos. É cada um no seu canto”, disse o adolescente D.S.**, que está há um ano e dois meses na Unidade de Internação de Planaltina, cidade do Distrito Federal a aproximadamente 45 quilômetros de Brasília.

“Respeitamos e somos respeitados. O respeito acaba quando um excede. Uma das partes se altera e aí acaba o respeito. Sobra para nós. Nosso direito acaba quando começa o deles, mas o deles não acaba”, contou T.L.**, há um ano e dez meses na unidade.

Agente de Reintegração Social há cinco anos, Igor Lopes conta que no dia a dia, na unidade, não enfrenta maiores turbulências, mas ressaltou que os problemas acontecem. “A maior parte da rotina é tranquila, mas tem momentos em que há maior tensão aqui. Por alguns fatores, a relação entre a gente e os internos fica mais difícil”. Ele lembrou que, quando assumiu o cargo, teve pouco tempo de preparo.

“Passamos no concurso e não tivemos um curso de capacitação com tempo maior, com maiores técnicas de defesa pessoal ou de aulas teóricas para utilização no Sistema Socioeducativo. Foi um curso de apenas uma semana e entramos no sistema”, acrescentou.

Lucas Jacobina trabalha desde 2010 como agente de reintegração social. Ao ingressar no sistema, ele contou com a ajuda de colegas mais experientes. “No começo, tive um pouco de receio, porque quem está de fora não imagina como é o clima aqui dentro. Tive sorte pelos muitos parceiros bons, que já trabalhavam há mais tempo e ensinaram bem o serviço. Depois que aprendemos o serviço, percebemos que não é essa coisa de outro mundo”.

Para José Carlos Amaral e Márcio Saldanha, o preparo realmente é insuficiente. Também agentes do Sistema Socioeducativo do DF, eles criaram um curso para reforçar conhecimentos de segurança protetiva aos colegas de profissão. “A segurança protetiva significa preservar a harmonia social e a integridade física daquele que lhe agride”, salientou Saldanha.

Assistente social, Ludmila Pacheco trabalha há mais de 20 anos com jovens em conflito com a lei. Ela acredita que a formação poderá mudar a situação do sistema. “Quando você trabalha com uma questão como a violência, com a produção da violência, é preciso ter preparo técnico. O preparo tem de começar do ponto de vista filosófico até as técnicas de atuação cotidianas.”

Segundo ela, essa será uma oportunidade de promover entendimentos sobre o sistema e dialogar com a população que acredita na punição como forma de prevenir e controlar o delito. “O Estatuto [da Criança e do Adolescente] traz outro conceito. A forma de reverter o delito é sim pela privação, que é punitiva, porém pelo processo socioeducativo. Pouca gente entende o processo socioeducativo. A escola veio suprir isso.”

Até a criação da escola, cabia aos estados a tarefa de formar trabalhadores. Cada unidade da Federação organizava e ofertava cursos próprios, muitas vezes, sem aliar teoria e prática ou estabelecer leituras mais aprofundadas sobre a situação dos adolescentes que cumprem as medidas, acrescentou Ludmila.

A partir de agora, a escola organizará cursos com base em três núcleos de conteúdos. O Núcleo Básico compreende discussões sobre adolescência e juventude, políticas públicas e marco legal da socioeducação no Brasil, metodologia do atendimento socioeducativo e parâmetros de segurança no atendimento, enquanto o Núcleo Específico será focado em discussões teóricas voltadas a demandas de cada localidade. Já o Núcleo de Especialização promoverá o aprofundamento de conhecimentos sobre prática socioeducativa.

Coordenador nacional do Sinase, Cláudio Augusto Vieira da Silva disse que a formação padronizada “é uma proposta antiga dos profissionais, que querem melhor qualificação, mais preparo e entendimento da natureza do atendimento socioeducativo”.

De acordo com ele, os primeiros cursos serão ofertados em abril, em parceria da Secretaria Nacional de Direitos Humanos da Presidência da República com a Universidade de Brasília (UnB). Os sete módulos do Núcleo Básico serão oferecidos a distância e gratuitamente para funcionários do Sistema Socioeducativo.

A expectativa é que, em maio, seja aberta a primeira turma de especialização em socioeducação, também voltada aos trabalhadores do Sinase.

Polícia segue buscas para prender suspeitos de assalto em Bom Conselho

As buscas pelos criminosos que assaltaram a agência dos Correios de Bom Conselho e provocaram um intenso tiroteio no fim da manhã da quarta-feira seguirão durante o fim de semana. Segundo o comandante do Gati, capitão Gilson Cerqueira, as equipes estão em diligências ininterruptas para tentar prender os suspeitos.

“Além dos PMs do Gati, os policiais da Rocam e os do Serviço Reservado do 9º Batalhão estão empenhados nessas capturas. As polícias Civil e Federal dão apoio às investigações. Estamos recebendo algumas informações da população sobre o paradeiro dos suspeitos pelo assalto”, afirmou Cerqueira.

Assaltantes desapareceram na zona rural do município (REPRODUCAO DA TV CLUBE)

Quem tiver pistas de onde os assaltantes possam estar escondidos deve entrar em contato com a polícia através dos números 190 ou (87) 3761-8300. A Polícia Militar de Alagoas também apoia as buscas aos criminosos. A morte de Alexandra Machado deixou a população de Bom Conselho de luto.

A cidade parou para acompanhar a missa e o sepultamento do corpo na quinta-feira. Desde o momento do crime, o assunto tem sido o mais comentado localmente. Alexandra era professora e atualmente estava trabalhando como diretora de uma escola da rede municipal de ensino. Ela era casada e deixou uma filha de três anos.