Mais de 30 mil jovens são assassinados por ano no Brasil

Os jovens de 15 a 29 anos são as principais vítimas de homicídio no Brasil e, entre 2012 e 2015, mais de 30 mil pessoas nessa faixa etária foram assassinadas por ano no país. Os dados fazem parte do Atlas da Violência 2017, divulgado nesta segunda-feira pelo Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea) e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Apesar de 2015 ter registrado uma queda de 3,6% em relação a 2014, o número de jovens mortos continuou acima dos 30 mil, com 31.264. A situação se repete desde 2012 e atingiu o pico de 32.436 em 2014.

Violência tem deixado a população de Pernambuco muito assustada. Foto: Wagner Oliveira/DP

De 2005 a 2015, o número de jovens mortos no país cresceu 16,7%. Enquanto a taxa de homicídios da população em geral é de 28,9 casos para cada 100 mil habitantes, entre os jovens a proporção é de 60,9 casos. Dentro dessa faixa etária, as principais vítimas são os homens jovens. Entre eles, a taxa de homicídios chega a 113,6 casos por 100 mil habitantes. O problema se agrava em alguns estados, onde a taxa pode ser o dobro da nacional.

Em Alagoas, 233 homens jovens de 15 a 29 anos foram assassinados para cada 100 mil homens dessa faixa etária. Sergipe tem a segunda maior taxa, com 230,4 para 100 mil. O Rio Grande do Norte registra 197,4 casos para 100 mil habitantes nessa faixa etária e gênero, mas foi o estado que teve o maior salto no período de 2005 a 2015: 313,8%.

Da Agência Brasil

Palestra discutirá violência contra a mulher negra nesta quinta-feira

Em alusão ao Dia da Consciência Negra (20), o Congresso Nacional promoverá uma palestra nesta quinta-feira (21) para discutir as diversas formas de violência contra a mulher negra. O evento é uma iniciativa da Secretaria da Mulher da Câmara dos Deputados e da Procuradoria Especial da Mulher do Senado.

Segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), mais de 50 mil mulheres foram assassinadas no País entre 2001 e 2011, cerca de cinco mil por ano. As mulheres negras foram as principais vítimas em todas as regiões, com 61% das mortes, à exceção da Região Sul. Na Região Nordeste, o percentual de mulheres afrodescendentes assassinadas chega a 87%.

Debatedoras
Participarão do debate as pesquisadoras Bruna Cristina Pereira, do Núcleo de Estudos e Pesquisa sobre a Mulher da Universidade de Brasília (Nepem/UnB); e Mônica Oliveira Gomes, da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial da Presidência da República.

A discussão faz parte de campanha organizada pelos órgãos da Câmara e do Senado pelo fim da violência contra as mulheres.

A palestra será realizada às 10 horas, na sala 2 da ala Nilo Coelho, no Senado.

Da Agência Câmara

Pernambuco é um dos três estados que mais entrega armas

Pernambuco foi apontado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) como um dos três estados do Brasil que mais têm se empenhado pelo desarmamento e a queda da criminalidade no país. O instituto publicou um estudo, em parceria com a ONG Viva Rio, que apontou queda de 40,6% na de armas de fogo de 2002 a 2009, em todo o Brasil – o Estatuto do Desarmamento entrou em vigor em dezembro de 2003. O levantamento destaca Pernambuco, Rio de Janeiro e São Paulo como as três unidades da federação com resultados mais positivos, embora não especifique um ranking.

Armas podem ser entregues sem burocracia. Foto: Juliana Santos/DB/D.A.Press

Armas podem ser entregues sem burocracia. Foto: Juliana Santos/DB/D.A.Press

Em Pernambuco, segundo a Polícia Federal, 3.591 armas e mais de 10 mil munições foram entregues de 23 de maio de 2011 a 15 de março deste ano. Para a PF, o aumento no valor do pagamento das indenizações – que agora variam de R$ 150 a R$ 450 e são depositadas em até 24 horas – e do número dos postos de entrega contribuíram para o crescimento na entrega de armas.

“A população de Pernambuco está entendendo que ter uma arma em casa não é sinônimo de segurança, principalmente quando essa arma não tem registro. Muitas vezes, os bandidos descobrem e acabam invadindo o imóvel para roubá-la”, alertou o assessor de comunicação da PF, Giovani Santoro. Ele também credita a redução da violência ao trabalho do Pacto pela Vida, implantado em 2007 pelo governo do estado, e que ganhará uma versão municipal no Recife, com metas a serem definidas em uma reunião no próximo sábado.

“Não restam dúvidas de que a Campanha do Desarmamento ajudou a recolher armas, mas a Polícia Militar, num período de um ano, apreende cerca de sete mil armas ilegais das ruas”, acrescentou o secretário de Defesa Social, Wilson Damázio.

Pernambuco foi o único estado do Nordeste a apresentar resultados positivos no combate à violência entre 2000 e 2010, período também abordado pelo estudo do Ipea. Segundo o Mapa da violência 2013 – Mortes por armas de fogo, divulgado no início de março, o estado reduziu em 27,8% o número de homicídios em 10 anos, enquanto Alagoas, Ceará e Bahia, por exemplo tiveram aumento na casa dos 200% no mesmo período.

Do Diario de Pernambuco