Tiro que matou professora de Bom Conselho pode ter entrado pelas costas

O exame tanatoscópico que está sendo aguardado pela Polícia Federal e foi realizado no corpo da professora Alexandra Machado, 33 anos, vai esclarecer se o tiro que a matou teve entrada pelas costas ou pelo peito. Até o momento, o delegado federal que investiga o caso não sabe se Alexandra foi morta pelo assaltante que a fez de refém ou se a professora foi atingida por um dos tiros disparados pelos policiais militares que perseguiam o carro dela sem saber que a mesma e um bebê estavam no veículo com o suspeito.

Se o exame apontar que o tiro que matou Alexandra teve entrada pelas costas, a possibilidade dela ter sido morta pelas armas dos PMs ganha força. Na cidade de Bom Conselho, os comentários são de que a professora foi morta com um tiro pelas costas. Segundo o assessor de comunicação da PF, Giovani Santoro, além do exame tanatoscópico, o delegado aguarda o resultado do exame de balística que está sendo feito no projétil encontrado no corpo de Alexandra.

Leia matéria completa na edição impressa do Diario desta terça-feira.

Confira mais detalhes sobre o assunto em:

PF fará retrato falado dos suspeitos de assalto em Bom Conselho

Governo do estado apresenta redução de assassinatos um dia após crime que chocou Pernambuco

Enquanto os secretários de Defesa Social e de Planejamento e Gestão do estado, Wilson Damázio e Fred Amâncio, estiverem anunciando que Pernambuco fechou o mês de setembro com redução de 20,3% na taxa de Crimes Violentos Letais Intencionais os parentes da professora Alexandra Machado, 33 anos, estarão cuidando do enterro do corpo de mais uma vítima da violência urbana. O sepultamento deve acontecer ainda nesta quinta-feira.

De acordo com a Secretaria de Defesa Social (SDS), o mês de setembro ganhou destaque em 2013, como o mês com a maior redução de homicídios em relação ao mesmo período do ano passado. Para os familiares de Alexandra, no entanto, outubro chegou com uma marca que eles jamais esquecerão. A professora chegava à escola onde a filha estuda para buscá-la quando foi feita refém e assassinada na manhã dessa quarta-feira, no Agreste do estado.

Antes mesmo que pudesse se encontrar com a menina, foi rendida por um bandido e terminou sendo vítima de um dos mais covardes crimes que já viram os moradores de Bom Conselho, a 287 km do Recife, em um dia de terror que parou a cidade. Alexandra virou refém de um dos dois assaltantes que fugiam da polícia após invadir a agência local dos Correios. Obrigada a dirigir seu carro em direção à zona rural, foi assassinada a tiros durante o percurso e teve seu corpo abandonado ao lado de uma criança de um ano também feita refém.

As polícias Federal, Militar e Civil procuram os responsáveis pelo dia de terror na cidade de 45 mil habitantes, que parou em meio à perseguição policial e notícias desencontradas. Até o início da manhã desta quinta-feira, nenhum suspeito do crime que revoltou a população da cidade havia sido localizado pela polícia.

Leia matéria completa da edição impressa do Diario de Pernambuco desta quinta-feira.

 

O endereço da tragédia

Durante quatro horas, acompanhei a operação policial que foi montada no final da manhã desta quarta-feira para tentar salvar a vida de um menino de nove anos que estava sendo feito de refém pelo padrasto com uma arma apontada para a cabeça. Uma verdadeira ação de guerra foi montada em frente ao edifício Estrela do Mar, na Avenida José Augusto Moreira, no bairro de Casa Caiada, em Olinda.

O objetivo era deter um homem de 27 anos que ameaçava matar o enteado. Minutos antes, ela já havia matado a companheira com dois tiros. Assim com a notícia, a revolta se espalhou rapidamente. Em pouco tempo, dezenas de curiosos estavam perto do endereço da tragédia. O prédio de aspecto velho nunca chamou tanto a atenção de quem passava por uma das principais vias de Olinda como ontem.

Familiares da vítima estavam desesperados. Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A Press

Familiares da vítima estavam desesperados. Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A Press

Depois de muita negociação, a polícia conseguiu fazer com que o assassino se entreguasse e liberasse a criança. Na saída do prédio, escoltado pelos homens da Companhia Independente de Operações Especiais (Cioe), o homem identificado como André Cabral Muniz, 28 anos, foi xingado pelos populares revoltados. Queriam que a polícia o deixasse na rua para que pudessem linchá-lo, o que não foi permitido, obviamente.

André (de camisa branca à frente dos PMs) se rendeu após o crime. Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A Press

André (de camisa branca à frente dos PMs) se rendeu após o crime. Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A Press

No final da tarde, o corpo da modelo Danielle Solino Fasanaro, 35, foi levado para o Instituto de Medicina Legal (IML), no bairro de Santo Amaro. O caso está sendo investigado pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), onde André está detido por enquanto. Para a família da vítima fica agora, além da dor e da revolta, a tafera de cuidar do filho deixado por Danielle.