Policiais civis fazem assembleia e passeata nesta terça-feira

O Sindicato dos Policiais Civis de Pernambuco (Sinpol) realiza na manhã desta terça-feira uma assembleia em frente à sede do Sinpol, no bairro de Santo Amaro, com previsão também de uma passeata até o Palácio do Campo das Princesas. Na assembleia será decidido se a paralisação da categoria será de 24, 48 ou 72 horas. Segundo o Sinpol, a medida será votada por conta do tratamento que o governo de Pernambuco tem dado à categoria e à segurança pública do estado.

Policiais saíram do Sinpol  até o Palácio do Campos das Princesas

Policiais civis devem sair do Sinpol até o Palácio do Campos das Princesas

“Não é novidade para a sociedade pernambucana que a segurança pública de Pernambuco passa por uma profunda crise, faltando comando e sobrando trapalhadas. Os policiais civis de Pernambuco têm o pior salário do Brasil e trabalham diariamente em condições desumanas, sendo obrigados a fazer cotas para material de escritório, água, copos e até mesmo a limpeza das delegacias e Institutos da Polícia Civil. A situação é caótica”, informou a nota oficial divulgada pelo sindicato.

Atualização dia 03/08/16 às 11h10

Depois da assembleia e da passeata realizadas nessa terça-feira, uma comissão do Sinpol foi recebida por representantes do governo no Palácio do Campo das Princesas. Depois da conversa, a categoria decidiu que não faria paralisação das atividades, pelo menos por enquanto.

Policiais civis fazem passeata nesta quarta-feira

O Sindicato dos Policiais Civis de Pernambuco (Sinpol-PE) fará nesta quarta-feira uma grande passeata para exigir ao governo do estado que atenda à pauta de reivindicações entregue no dia 30 de janeiro. O ato está marcado para ganhar as ruas às 15h e pertende percorrer a Avenida Cruz Cabugá, Rua do Hospício, Rua Princesa Isabel e terminará em frente ao Palácio do Campo das Princesas, onde a categoria deve realizar uma assembleia geral.

Os policiais civis reivindicam melhores condições de trabalho, equipamentos à altura da corporação e diversos outros pontos como a fixação do percentual de 225% de gratificação de Função Policial para todo o quadro da Polícia Civil, do agente até o delegado de polícia, alterações no Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos, dentre os quais, inclusão dos Peritos Papiloscopistas no Quadro Técnico da Polícia e reposição inflacionária para o ano base 2015.

Leia mais sobre o assunto em:

Sinpol pede fechamento de delegacias e de IMLs

PMs e bombeiros prometem ato e ameaçam entrar em greve

PMs e bombeiros prometem realizar nesta sexta-feira uma mobilização para reivindicar melhorias para a categoria. A ação está marcada para as 13h, no Memorial de Medicina, no Derby. O objetivo é seguir até a Assembleia Legislativa, onde entregarão a pauta. Apesar do movimento não ser organizado por nenhuma associação, o assunto é discutido pela Defesa Social.

Ontem, o governador João Lyra Neto se reuniu com comandantes de todos os batalhões e disse que estaria disposto a conversar com a tropa. Panfletos divulgados nas redes sociais sinalizam para uma paralisação se os pedidos não forem atendidos.

“Estamos tranquilos. Tudo que foi acordado está sendo cumprindo. Se há novas pautas, temos que recebê-las. Se chegar uma demanda, vamos analisar”, declarou. Ainda segundo Lyra, o governo não pode abrir nova negociação porque existem orçamentos e previsões financeiras.

Segundo fontes da cúpula da PM, um novo encontro com a categoria está previsto para hoje. Representantes da polícia devem se reunir com o presidente da Assembleia, Guilherme Uchôa, para discutir um plano de carreiras para os praças, uma queixa constante dos militares. Um reajuste de 14% para os PMs está previsto para o mês de junho.

Protesto de greve pode virar guerra entre polícias

 

É imprevisível o que vai acontecer na tarde desta quarta-feira quando os policiais civis tentarem sair em passeata até o Centro de Convenções, onde está funcionando a sede do governo do estado. Imprevisível porque na tarde dessa terça-feira, o desembargador do Tribunal de Justiça de Pernamnbuco (TJPE) Silvio de Arruda Beltrão solicitou ao comandante da Polícia Militar, coronel Luís Aureliano, que disponibilizasse a força policial que se fizer necessária para impedir a passeata que os civis, que estão em greve há mais de uma semana, anunciaram para as 14h desta quarta.

A coisa pode ficar feia, levando em conta que já não existe um clima muito ameno entre as duas polícias e ainda mais que o Sindicato dos Policiais Civis de Pernambuco (Sinpol) já havia determinado que o protesto seria pacífico. Garantia essa que foi por água abaixo no momento em que os civis sabem que poderão ser impedidos pelos militares de lutarem por seus direitos. A categoria quer um aumento de 65% nos salários, melhores condições de trabalho e equipamentos de segurança novos. O governo já havia dito que não teria negociações além das já acertadas no ano passado, que seria um reajuste de 43% até o ano de 2014.

Em seu pedido, o desembargador Silvio Beltrão, o mesmo que já julgou a ilegalidade da greve justifica que “à luz dos fatos trazidos à baila (debate), os quais são de efetiva notoriedade pública, a categoria dos policiais civis vem paulatinamente descumprindo os termos da decisão que determinou a suspensão da greve com imediato retorno ao trabalho”, disse o desembargador. O Sinpol garantiu que a passeata que terá concentração na frente do Instituto de Criminalística (IC), na Rua Odorico Mendes com a Avenida Agamenon Magalhães está mantida para esta tarde.

O que ninguém sabe é o que pode acontecer quando os civis ganharem a rua. Estamos tratando de profissionais que já estão com os psicológicos muito abalados pelas cobranças e perigos inerentes da profissão, pelas decepções e frustrações com o governo e com a facilidade de ambas as partes trabalharem com uso de arma de fogo. Caso alguns não consigam contralar suas emoções e tragédias aconteçam, a pergunta é, desde já, quem será ou serão os responsáveis?

 

Passeata sem a presença de delegados

 

Vestidos de preto, cerca de 500 policiais civis saíram nesta tarde em passeata pelo Centro do Recife para cobrar melhores condições de trabalho. O grupo saiu da sede do Sindicato dos Policiais Civis (Sinpol), no bairro de Santo Amaro, e seguiu até o Palácio do Campo das Princesas. Com apitos, cartazes e narizes de palhaços, os policiais não contaram com a presença dos colegas delegados. Apenas os agentes, escrivãos e comissários marcharam atrás de um carro de som. O protesto, que deixou o trânsito do Centro tumultuado, contou com o apoio da Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar.

 

Policiais saíram do Sinpol até o Palácio do Campos das Princesas

 

Apesar de também reclamarem das condições de trabalho, dos baixos salários e da falta de atenção do governo do estado com a categoria, os delegados de Pernambuco optaram por não irem às ruas, talvez para evitar constragimento com a chefia. No entanto, o blog tem recebido vários e-mails relatando o descontentamento da categoria com a atual situação. Faltou apenas um pouco de coragem para se juntarem à comissão que foi recebida por um representante do governador Eduardo Campos, na sede do Palácio.