Alessandro Carvalho assume a SDS interinamente, após saída de Damázio

Depois de ter colocado o cargo à disposição na tarde desta quinta-feira, o delegado federal Wilson Damázio deixou de ser o secretário de Defesa Social de Pernambuco. O pedido foi acatado pelo governador Eduardo Campos. No lugar de Damázio, interinamente, assume o secretário executivo, Alessandro Carvalho.

Wilson Damázio não gostou do balanço. Foto: Julio Jacobina/DP/D.A Press

Wilson Damázio colocou o cargo à disposição. Foto: Julio Jacobina/DP/D.A Press

O governador Eduardo Campos aceitou o pedido de demissão de Damázio, que colocou o cargo à disposição devido à repercussão negativa da entrevista concedida por ele e publicada no Jornal do Commercio nesta quinta-feira. O socialista entendeu os motivos alegados pelo secretário e agradeceu o trabalho realizado por Damázio à frente da SDS – ele estava na função desde 19 de abril de 2010.

Segundo a nota encaminhada pela assessoria de comunicação do governo do estado, “o governador Eduardo Campos aceitou o pedido de exoneração do secretário de Defesa Social, Wilson Damázio, apresentado depois que declarações a ele atribuídas em reportagem do Jornal do Commercio motivaram críticas e cobranças. Ele se reuniu nesta quinta-feira (19/12) com o secretário, agradeceu pelos bons serviços prestados e designou o delegado federal Alessandro Carvalho para responder pela pasta.

Polêmica

As palavras do secretário na entrevista provocaram inúmeras manifestações contrárias ao seu posicionamento, sobretudo nas redes sociais, o que pode ter influenciado sua decisão. Entre os pontos polêmicos estão as declarações de que homossexualidade seria um “desvio de conduta”, de que o policial exerce um fascínio sexual entre as mulheres e que “todo PM antigo” tem amante.

“Dirijo-me à sociedade pernambucana para declarar que as mesmas (declarações) não constituem meu pensamento nem minha visão do mundo, razão pela qual repilo os termos e peço desculpas a todos aqueles que porventura tenham se sentido ofendidos”, diz Damázio, em um trecho da nota oficial encaminhada pela assessoria de comunicação da SDS.

Veja abaixo o texto completo da nota oficial divulgada pela assessoria de comunicação da SDS nesta quinta-feira à tarde:

Eu, Wilson Damázio, Secretário de Defesa Social, com relação às declarações a mim atribuídas em reportagem do caderno Cidades do Jornal do Commercio de hoje, dirijo-me à sociedade pernambucana para declarar que as mesmas não constituem meu pensamento nem minha visão do mundo, razão pela qual repilo os termos e peço desculpas a todos aqueles que porventura tenham se sentido ofendidos.

Esclareço ainda que a entrevista que embasou a reportagem foi interrompida em vários momentos, como a própria autora relata, permitindo o desenvolvimento, nesses intervalos, de conversações informais, em tom de brincadeira e termos que, reconheço, foram inapropriados e inadequados.

Reafirmo, por fim, que se as palavras, como é fato, não representam minhas ideias nem minha história de vida, muito menos ainda, podem ser confundidas com as políticas desenvolvidas pelo Governo do Estado que vem revolucionando a Segurança Pública no Brasil com transparências, práticas cidadãs além de total e absoluta intolerância com qualquer conduta contrária aos direitos humanos, à liberdade de expressão e à proteção dos direitos individuais da pessoa humana.
Para proteger o governo e o seu legado, informo que já coloquei o cargo à disposição do governador Eduardo Campos.

Recife, 19 de dezembro de 2013

WILSON DAMÁZIO

Centro Integrado de Comunicação – CICom SDS

 

Presos 12 suspeitos de envolvimento em briga de torcidas

Pelo menos 12 pessoas foram presas nesta quinta-feira (19), suspeitas de envolvimento na briga entre torcedores do Vasco da Gama e do Atlético Paranaense, na arquibancada da Arena Joinville, em Santa Catarina, no último dia 8. A Operação Cartão Vermelho visa a cumprir mais de 20 mandados de prisão em Santa Catarina, no Paraná e Rio de Janeiro. Entre os procurados, está o ex-vereador de Curitiba Juliano Borghetti. A Polícia Civil de Santa Catarina comanda a ação, que tem o apoio de policiais do Rio e do Paraná.

Confusão no estádio foi destaque em todo o mundo. Foto: JOKA MADRUGA/FUTURA PRESS

Confusão no estádio foi destaque no mundo todo. Foto: Joka Madruga/Futura Press

No Rio, cerca de 20 policiais do Núcleo de Apoio aos Grandes Eventos, da Delegacia Especial de Apoio ao Turismo, prenderam em Manguinhos, na Zona Norte, um torcedor do Vasco suspeito de estar envolvido no confronto.

Em Curitiba, nove torcedores do Atlético Paranaense foram detidos. Um mandado de busca e apreensão foi cumprido na sede da torcida organizada Os Fanáticos. A Polícia Civil informou que o ex-vereador, que aparece nas imagens do confronto entre os torcedores, divulgou nota em que garante que vai se apresentar à delegacia de Curitiba para prestar esclarecimentos.

Em Santa Catarina, duas pessoas foram presas suspeitas de participar da confusão envolvendo as torcidas. O delegado que comanda a operação nos três estados, Dirceu Augusto, da Delegacia Regional de Joinville, disse que as investigações foram baseadas em denúncias e nas imagens do confronto entre torcedores durante o jogo. A ação ainda está em andamento.

A confusão ocorreu durante o último jogo do Campeonato Brasileiro de 2013 e paralisou a partida por mais de uma hora. Os torcedores do Atlético e do Vasco protagonizaram cenas de violência. O confronto entre as torcidas deixou quatro pessoas feridas.

Da Agência Brasil

Edmacy deixa prisão e diz que vai provar sua inocência na morte do promotor

Com as mãos erguidas e um sorriso no rosto, o agricultor Edmacy Cruz Ubirajara, 47 anos, deixou o Centro de Observação e Triagem (Cotel), em Abreu e Lima, na tarde dessa quarta-feira. Apontado pela polícia como principal suspeito de ter atirado contra o promotor de Justiça de Itaíba, Thiago Faria Soares, 36, morto em 14 de outubro, ele estava preso há 65 dias. A falta de provas suficientes para que a polícia pernambucana solicitasse à Justiça uma prisão preventiva resultou na soltura de Edmacy. Abraçado aos familiares, ele garantiu que era inocente. “Estou provando isso.”

Agricultor perdeu 16 kg enquanto esteve preso. Foto: Ricardo Fernandes/DP/D.A Press

Agricultor perdeu 16 kg enquanto esteve preso. Foto: Ricardo Fernandes/DP/D.A Press

O suspeito foi detido um dia após a morte do promotor. Depois de uma série de depoimentos e uma simulação dos passos que teria dado no momento em que a vítima era executada a tiros, Edmacy foi encaminhado no dia seguinte para o Cotel. A prisão temporária durou 30 dias. Como já respondia a outro processo no Sergipe, a Justiça daquele estado solicitou que ele continuasse preso. No entanto, o juiz Diógenes Barreto determinou a liberdade do suspeito, na sexta-feira passada, com o argumento de que “a demora (do MPPE) em deflagrar a ação penal realmente gera incerteza quanto a autoria delitiva/participação de Edmacy no crime”.

Em poucas palavras, tentando conter a emoção da liberdade, o agricultor afirmou que sentiu tristeza e revolta pelo tempo que ficou preso. “O pior momento é chegar em um lugar desses (Cotel) sem dever nada”, destacou. O advogado do suspeito, Anderson Flexa, comemorou a decisão favorável ao cliente. “Ele sempre disse que era inocente”, afirmou. O advogado não descartou entrar com uma ação contra o estado.

O suspeito seria solto na última terça-feira, mas o alvará expedido pela 5ª Vara Criminal do TJSE não chegou a tempo ao Fórum de Abreu e Lima, devido a um problema no sistema eletrônico que impediu o envio da carta precatória. A assessoria de imprensa da Polícia Civil de Pernambuco afirmou que não comentaria a saída do suspeito da prisão, nem sobre as investigações sobre a morte do promotor, que seguem sob sigilo.