Após prisão, suspeito nega ter assassinado PM da Patrulha Escolar

Após chegar à sede do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), o ex-presidiário Carlos Eduardo Carvalho e Silva, 22 anos, nega ter sido o autor do disparo que matou o soldado da Polícia Militar Marcílio Ferreira Xavier, 32, e de ter roubado a pistola da vítima, uma ponto 40 que ainda não foi localizada.

Suspeito foi preso no bairro de Dois Irmãos, segundo a PM ele estava tentando fugir. Fotos: Reprodução TV Clube

Suspeito foi preso no bairro de Dois Irmãos, segundo a PM ele estava tentando fugir. Fotos: Reprodução TV Clube

Segundo o sargento do Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) 12º Batalhão Fábio Rio Tinto, o suspeito disse que não tem participação no crime e não revelou para onde estava tentando fugir. “Nosso serviço de inteligência em conjunto com a inteligência do 13º BPM recebeu informações de que o suspeito estaria num táxi vindo da UR-7 para Dois Irmãos. Quando ele desceu do carro, em frente à praça, foi abordado e preso”, revelou o sargento.

Marcílio estava na PM desde 2009 e deixou uma filha de poucos meses

Marcílio estava na PM desde 2009 e deixou uma filha de poucos meses

Ainda de acordo com a PM, Carlos Eduardo disse que passou a noite escondido por trás de uma casa na comunidade do Iraque. No local foram encontradas munições de pistola ponto 40 e papelotes de maconha. O delegado responsável pelo caso ainda não falou com a imprensa sobre a prisão desse suspeito. O segundo envolvido no crime segue foragido.

Suspeito de matar policial militar em Areias se entrega à polícia

Foi encaminhado para o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), no bairro do Cordeiro, o homem suspeito de ter matado o soldado da Polícia Militar Marcílio Ferreira Xavier, 32 anos, que era lotado no 12º batalhão e trabalhava na Patrulha Escolar. De acordo com fontes do blog, o homem identificado como Carlos Eduardo Carvalho e Silva e que é ex-presidiário, foi o autor do disparo que matou o militar e roubou a pistola da vítima.

Carlos Eduardo Carvalho e Silva atirou no PM. Foto: Divulgação

Carlos Eduardo Carvalho e Silva atirou no PM. Foto: Divulgação

Também segundo fontes do blog, o suspeito se entregou à polícia nesta tarde no bairro de Dois Irmãos, nas proximidades do Lafepe, após negociar com o Serviço Reservado que só se entregaria embaixo de uma câmera de monitoramento da Secretaria de Defesa Social (SDS). No entanto, PMs que participaram da ação informaram na sede do DHPP que o suspeito teria sido preso e não se entregue.

Crime aconteceu na frente desta lanchonete. Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A Press

Crime aconteceu na frente desta lanchonete. Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A Press

Marcílio foi assassinado na noite dessa quarta-feira, no bairro de Areias, no Recife. Marcílio que estava trabalhando foi surpreendido próximo à Escola Estadual Heróis da Restauração por dois homens, que roubaram a arma usada em serviço, uma pistola ponto 40. Em seguida, os assaltantes dispararam contra o militar. Marcílio chegou a ser socorrido, mas não resistiu. O corpo do PM será sepultado nesta tarde no Cemitério de Santo Amaro.

A Polícia Militar de Pernambuco divulgou nota de pesar lamentando a morte do soldado Marcílio. “A investida criminosa atenta contra todos integrantes da corporação e a sociedade pernambucana, que confia no trabalho da Polícia Militar e nos órgãos de sistema de segurança pública para a prisão dos envolvidos no assassinato do PM”, diz o texto enviado pela assessoria de Comunicação Social.

O Comando Geral da PMPE decretou luto de três dias em todas unidades da corporação. O corpo do soldado ainda está no Hospital da Restauração, de onde deve ser encaminhando ainda nesta quinta-feira para exames no Instituto de Medicina Legal, em Santo Amaro.

Marcílio era casado e deixa uma filha de apenas três meses. Ele estava na corporação desde 2009 e atuava na Patrulha Escolar, numa parceria entre a PMPE e a Secretaria Estadual de Educação.

Um revés para o Pacto pela Vida

A violência voltou a subir no estado. Julho teve 297 Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs), 40 a mais que no mesmo período de 2014. Os números foram anunciados ontem pela Secretaria de Defesa Social. O titular da pasta, Alessandro Carvalho, ponderou que, apesar do crescimento, julho foi o segundo mês menos violento de 2015 até agora. Em junho, 264 homicídios foram computados.

Julho deste ano teve 40 mortes a mais que julho de 2014. Foto: SDS/Divulgação

Julho deste ano teve 40 mortes a mais que julho de 2014. Foto: SDS/Divulgação

Para Carvalho, o aumento nas mortes deve-se a fatores com o crescimento do tráfico de drogas e da criminalidade em geral, em meio à crise econômica, e à redução dos plantões por alguns delegados e policiais civis, em protesto.

“Apesar dos esforços que estamos fazendo, o mês de julho não teve um bom resultado no Pacto pela Vida. Depois de dois meses seguidos de redução, veio esse aumento de 15,6% no número de CVLIs. Um dos pontos que contribuiu para esse cenário foram as entregas dos plantões no interior do estado. Tínhamos 14 delegacias de plantão na Zona da Mata e no Agreste e depois das entregas, esse número caiu para oito. Isso faz com que as viaturas da PM fique mais tempo sem circular nas ruas porque estão nas delegacias para registar as ocorrências”, ponderou o secretário. Ainda segundo Carvalho, o governo do estado está aberto ao diálogo com os policiais, porém não tem previsão para que seja sinalizado aumento de salário.

 

Meta
Segundo dados da SDS, as Áreas Integradas de Segurança mais violentas em relação ao número de assassinatos foram as de Paulista (27), Caruaru (27), Garanhuns (26), Jaboatão (24), Nazaré da Mata (21) e Cabo de Santo Agostinho (20). O desafio da SDS agora será atingir a meta do Pacto pela Vida, que prega uma redução de 12% em relação ao número de mortes com o mesmo período do ano anterior, para o mês de agosto.

Em 2014, 250 assassinatos foram registrados em Pernambuco em agosto. Isso significa dizer que para este mês, para atingir a meta, o estado não pode registrar mais do que 220 homicídios.

Medidas para tentar conter roubos a bancos em Pernambuco

As polícias Civil e Militar anunciaram ontem reforços para tentar reduzir os assaltos a bancos na Região Metropolitana. De acordo com o comandante da Polícia Militar, coronel Pereira Neto, o policiamento foi reforçado nos principais corredores bancários. “Haverá bloqueios e policiamento com motos perto das agências”, ressaltou. Ele informou que neste ano, 30 pessoas foram presas no estado por esse crime.

Assaltos no Grande Recife e no interior têm sido constantes. Foto: Rodrigo de Luna/TV Clube

Assaltos no Grande Recife e no interior têm sido constantes. Foto: Rodrigo de Luna/TV Clube

O chefe da Polícia Civil, Antônio Barros, anunciou que neste mês a Delegacia de Repressão ao Roubo receberá mais um delegado, totalizando três. “Acredito que o aumento do efetivo e a troca de informações entre a delegacia e as as agências ajudarão a prender os suspeitos”, ressaltou Barros. Neste ano, 12 pessoas foram presas pela Civil por assaltos a bancos.

Segundo a SDS, 24 assaltos foram registrados em 2015 no estado, até a última terça-feira. De acordo com o Sindicato dos Bancários de Pernambuco, o número de assaltos neste ano é de 35. Na manhã desta quinta-feira, o sindicato faz uma coletiva para apresentar os dados referentes aos últimos sete meses. Às 14h, uma reunião no Centro de Apoio Operacional às Promotorias de Justiça de Defesa do Consumidor (Caop Consumidor) do Ministério Público de Pernambuco (MPPE) vai discutir a questão da segurança nos bancos.