Projeto de Lei quer regulamentar revista em eventos de grande porte

Da Agência Câmara

A Câmara analisa o Projeto de Lei 4627/16, do deputado Rômulo Gouveia (PSD-PB), que determina que os produtores de eventos com público de mil pessoas ou mais façam revista na entrada do local para evitar o acesso de pessoa portando arma de fogo, substâncias ilícitas ou objetos que possam colocar em risco a segurança do evento.

O autor afirma que a proposta busca preservar a intimidade e a privacidade de quem comparece a eventos, com o uso de revista eletrônica para evitar expor os cidadãos a constrangimentos desnecessários. “O avanço da tecnologia possibilita a maior eficácia na segurança dos eventos, causando menos danos aos cidadãos”, disse.

Foto: Diogo Carvalho/DP

Revista deve ser feita na entrada de festa que tenham mais de mil pessoas. Foto: Diogo Carvalho/DP

O projeto estabelece que os vigilantes devam ser identificados com plaquetas e com o emblema da empresa no uniforme, mesmo para eventos que utilizem trajes especiais. A revista deve ser feita preferencialmente com equipamentos eletrônicos e, em último caso, manualmente.

A proposta também estabelece que a revista manual sobre mulher deve realizada exclusivamente por agente do mesmo sexo; no caso de crianças ou adolescentes, deve ser realizada na presença de um responsável. O não cumprimento da Lei sujeitará o infrator a multa no valor de cem mil a trezentos mil reais.

Equipe formada por PMs leva alegria a pessoas hospitalizadas

Quem está hospitalizado, além de cuidados médicos precisa da atenção de familiares e dos amigos. Isso ajuda na recuperação dos pacientes. Pensando nisso, um grupo de policiais militares do 19º BPM resolveu arregaçar as mangas para levar alegria aos leitos de hospitais. O grupo batizado de Equipe da Felicidade tem realizado várias visitas a colegas de farda e até a familiares deles.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

A foto acima mostra a visita realizada pelo grupo à soldado Andrea, que teve seu primeiro filho recentemente. Os PMs fazem visitas a crianças doentes, levam presentes e fazem brincadeiras. Um verdadeiro exemplo de cidadania e respeito ao próximo. São de ações como essa que precisamos para deixar o mundo melhor. E não falo somente que devam partir de policiais militares, que muitas vezes são vistos apenas como opressores, mas é uma atitude que deve ser praticada por todos.

Foto: Polícia Militar/Divulgação

Foto: Polícia Militar/Divulgação

FESTA
No início deste mês, o sonho de princesa se realizou para uma menina impactada por uma dura realidade. Policiais do 12° Batalhão da Polícia Militar, localizado na Várzea, no Recife, realizaram uma festa de aniversário para Emily, que perdeu a mãe em fevereiro deste ano e, em seguida, foi separada do irmão. Os sete anos de vida foram festejados às 19h, no Buffet Cometa Kids, na Cidade Universitária, com direito a bolo, doces, salgados, decoração, animação, pula pula, piscina de bolinha, carrinho de pipoca e algodão, tudo com a colaboração de parceiros tocados pelo drama.

No último dia 14 de fevereiro, domingo após o carnaval, ela e o irmão, de oito anos, chamaram a atenção dos policiais ao chegarem à sede do batlhão de mãos dadas e chorando, pedindo ajuda para socorrer a mãe, que estava em casa passando mal e que havia desmaiado. O mais velho, Wellington, contou à soldado Josélia que ouviu os gemidos da minha mãe e, ao olhar pelo buraco da janela, a viu se contorcendo e passando mal. Com a irmã caçula pelo braço, o menino fechou a porta da casa e foi à procura de socorro.

Casa de eventos W9! fecha e surpreende formandos

Um e-mail recebido por volta das 9h de ontem levou dezenas de universitários para a frente da empresa W9!, especializada em festas de formatura, em Santo Amaro, no Recife. No texto direcionado aos clientes, os proprietários diziam que estavam encerrando as atividades.

Com o fechamento da W9!, o sonho da comemoração da conclusão do curso superior começou a virar um pesadelo. Sem conseguir contato com os responsáveis pela empresa por telefone, os formandos levaram outro susto quando chegaram ao escritório e encontram as portas fechadas.

Universitários foram à delegacia prestar queixa após não conseguirem manter contato com os donos da empresa (ALLAN TORRES ESP DP/D.A PRESS)

A estudante Marcela Santos, 24, está concluindo o curso de medicina pela UPE e estava com as despesas da festa pagas. “O valor do investimento na minha formatura foi R$ 8,5 mil. Faz dois meses que terminamos de pagar.  Minha turma gastou mais de R$ 600 mil. Nossos eventos estão marcados do dia 28 de novembro até 13 de dezembro. Estamos procurando a polícia para prestar uma queixa contra a empresa”, ressaltou a universitária.  Ninguém ainda sabe informar o número de vítimas.

Depois de passarem a manhã em frente à sede da empresa, na Rua 13 de Maio, os formandos juntaram todos os contratos assinados com a W9!, os boletos de pagamentos, e foram até a Delegacia de Estelionato e também à Delegacia do Consumidor para registrar queixa. Como a quantidade de vítimas foi grande, muitos marcaram seus depoimentos para outras datas. O caso está sendo investigado pelo delegado Roberto Wanderley, da Delegacia do Consumidor, que dará uma entrevista coletiva na manhã desta terça-feira.

Além dos formandos, outro grupo de pessoas ficou no prejuízo com o fechamento da empresa. Ontem pela manhã, quando os funcionários chegaram para trabalhar, foram impedidos de entrar na W9!. “Trabalho aqui há quatro anos e hoje de madrugada chegou um e-mail dizendo que a empresa tinha falido. Além disso, todo mundo estava com os salários atrasados. Ninguém sabe dizer o que aconteceu”, contou a funcionária que preferiu não ter o nome publicado.

“Estudo direito e o baile da minha turma estava marcado para sexta. Já tivemos a aula da saudade e hoje (ontem) fiz o pagamento da última parcela, de R$ 1,6 mil. Meu prejuízo foi de R$ 7 mil. Agora vamos procurar a polícia e entrar com um processo para ter o nosso dinheiro de volta.”
Piragibe Leão, 31 anos

“Cada aluno da minha turma fez um contrato de R$ 4.050. Nossa festa vai ser em janeiro e eu já havia pago o valor todo. Nós estudamos fisioterapia na Unicap, e 26 alunos fecharam contrato para o baile. Agora, vamos acertar direto com os fornecedores para fazer nossa festa.”
Laiane Ohara, 22 anos

“Curso serviço social na UFPE e nossa turma fechou contrato com a W9! O nosso contrato foi no valor de R$ 3,3 mil por pessoa. Até agora eu já havia pago R$ 770, era uma parcela de R$ 110 por mês. Eu estava estagiando e trabalhando para ajudar meus pais a pagarem essa festa.”
Ana Aline Santos, 20 anos

Espertinhos de mãos bobas nas entradas de shows no Recife

Nesse final de semana, fui para uma casa de shows no Recife que tem sido um dos locais mais badalados nos últimos meses. Grandes artistas têm se apresentado no espaço. Como cheguei antes dos meus amigos, fiquei cerca de 15 minutos na porta da casa de shows para esperá-los e entrarmos juntos. Nesse pequeno intervalo, conversei com duas pessoas que estavam vendendo bebidas na frente da festa.

Além das dezenas de cambistas que circulavam de um lado pra outro gritando que compravam ingressos sobrando, observei que havia pelos menos três homens que não estavam ali vendendo nem comprando nada. Um deles tinha até um guarda-chuvas preso às costas. Antes que eu perguntasse, os vendedores ambulantes com os quais eu estava batendo um papo alertaram: “esses são os batedores de bolso”. Sem serem notados pelos seguranças que atuam apenas a partir da portaria da casa de shows, esses homens se aproveitam dos descuidos de algumas pessoas para praticar furtos.

“Eles ficam por aí cubando as pessoas que chegam pra festa. Quando um cambista está vendendo o ingresso às pessoas eles ficam por perto. Se alguém der um vacilo, eles roubam mesmo. E quando está no aperto, com muita gente, eles metem a mão nos bolsos e nas bolsas das pessoas. Tenha cuidado, meu filho”, disse um dos ambulantes. Fica aqui, então, o alerta para os responsáveis pelas casas de shows, para a polícia e, sobretudo, para as pessoas que costumam ir para festas à noite.

Leia mais sobre o assunto em:

Furtos de iPhones em festa e camarotes vips em alta no Recife

Delegacia do Turista investiga furto à delegação da Espanha

A Delegacia do Turista da Polícia Civil de Pernambuco abriu inquérito para apurar a denúncia de um suposto furto à delegação da Espanha, ocorrido dentro do Hotel Golden Tulip, em Boa Viagem, onde os europeus se hospedaram em sua passagem pelo Recife. A polícia tem 30 dias para concluir as investigações.

Seleção da Espanha ficou hospedada em Boa Viagem. Foto: Paulo Paiva/DP/D.A Press

Seleção da Espanha ficou hospedada em Boa Viagem. Foto: Paulo Paiva/DP/D.A Press

A primeira versão indicava que os quartos de alguns atletas teriam sido violados por um funcionário do hotel. Outra apontava que a delegação teria participado de um jantar após a vitória sobre o Uruguai, embalado por uma banda de pagode. Na sequência, cinco jogadores e um membro da comissão técnica teriam subido para um dos aposentos com cinco mulheres para uma partida de strip poker. Durante essa festinha particular, alguns pertencentes teriam desaparecido.

O diretor da Capital e da Região Metropolitana da Polícia Civil, Luiz Andrey, informou que o delegado Luiz Alberto será o responsavel pelo inquérito. “Um total de 27 pessoas que trabalham no hotel já foram ouvidas e enviamos uma carta precatória para o Rio de Janeiro e pessoas da delegação espanhola serão ouvidas para falarem efetivamente o que teria ocorrido”, afirmou Andrey.

Uma festa de Natal, uma arma e duas pessoas mortas

O massacre ocorrido nos Estados Unidos recentemente fez o país repensar a questão da comercialização de armas de fogo. Aqui no Brasil, não temos registros de crimes parecidos com esse, no entanto, estamos perdendo uma batalha a cada dia que pessoas são mortas em brigas onde existem gente portando uma arma de fogo. Dessa vez, segundo a polícia, o auto de um duplo homicídio foi um jovem de 19 anos que está servindo ao Exército. Após cometer o crime, ele teria fugido acompanhado da namorada, o que revoltou ainda mais a população. Mais uma vez vem a pergunta que não quer calar: o que uma pessoa vai fazer numa festa de Natal com amigos portando uma arma de fogo? Leia matéria publicada sobre o caso no Diario desta quarta-feira.

No local do crime, cenário de<br />
destruição. No alto, veículo em<br />
que o casal tentou fugir (REPRODUÇÃO TV CLUBE)
No local do crime, cenário de destruição. No alto, veículo em que o casal tentou fugir

Do Diario de Pernambuco

O Natal teve sabor amargo para dezenas de famílias que vivem no Conjunto Habitacional Via Mangue I, no bairro do Pina, no Recife. Durante uma confraternização de moradores na Rua Jamil Asfora um desentendimento resultou na morte de duas pessoas. Testemunhas contaram à polícia que os tiros partiram da arma de um militar, ainda não localizado pela polícia.

O soldado do exército Vladson Almeida Gomes, 19, estava acompanhado da namorada, que se desentendeu com a ex-sogra do rapaz, Estela Farias de Moura, 36. As mulheres acabaram brigando e um dos moradores do residencial, Diogo Bezerra do Monte, 20, tentou separá-las. Na confusão, o militar teria sacado a arma e disparado vários tiros. Um deles atingiu o pescoço de Diogo, amigo e vizinho do soldado. Na sequência, Gomes também deu três tiros na ex-sogra. Ambas as vítimas morreram na hora. O corpo de Diogo foi sepultado na tarde da terça-feira, no Cemitério de Santo Amaro. Nesta quarta-feira, será o enterro do corpo de Estela Moura, no mesmo local.

Diogo Bezerra do Monte,<br />
20, era amigo do suspeito (REPRODUÇÃO TV CLUBE)
Diogo Bezerra do Monte, 20, era amigo do suspeito

De acordo com a delegada de plantão, Eliane Caldas, o cenário de desentendimento e revolta ainda foi piorado depois que Vladson e a namorada fugiram correndo do local. Revoltada, a população destruiu o carro do soldado Gomes, um Celta, que foi tombado de lado, e depredado pelos vizinhos. Também houve tentativa de invasão ao apartamento onde o jovem morava.

“Meu filho era inocente. Nem estava envolvido na confusão. Morreu sem motivos”, lamentava a dona de casa Fernanda do Monte, que enterrou o filho ontem.  Em toda a vizinhança, ainda nesta terça-feira, os sinais de destruição eram mantidos como lembretes do duplo assassinato. Nas calçadas, restos de mesa quebradas lembravam a todos o pânico que se fez durante a confusão presenciada por dezenas de famílias, por volta das 3h. O caso ficará sob a responsabilidade do delegado Wagner Domingues.