SUS atende 2,5 vezes mais mulheres vítimas de violência do que homens

Da Agência Brasil

 

A violência contra mulheres no Brasil causou aos cofres públicos, em 2011, um gasto de R$ 5,3 milhões somente com internações. O dado foi calculado pelo Ministério da Saúde a pedido da Agência Brasil. Foram 5.496 mulheres internadas no Sistema Único de Saúde (SUS), no ano passado, em decorrência de agressões.

Além das vítimas internadas, 37,8 mil mulheres, entre 20 e 59 anos, precisaram de atendimento no SUS por terem sido vítimas de algum tipo de violência. O número é quase 2,5 vezes maior do que o de homens na mesma faixa etária que foram atendidos por esse motivo, conforme dados do Sistema de Informações de Agravos de Notificação (Sinan), do Ministério da Saúde.

A socióloga Wânia Pasinato, pesquisadora do Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo (USP), destaca que além dos custos financeiros, há “enormes prejuízos sociais” gerados pela violência contra a mulher. Ela citou estudos que indicam, por exemplo, que homens que presenciaram cenas de violência doméstica durante a infância tendem a reproduzir, com mais frequência, características de dominação e agressividade em suas relações afetuosas.

“Os danos para a sociedade são enormes, com perdas em diversas esferas. Além de impactar a forma como os filhos dessas relações vão constituir suas próprias relações no futuro, as mulheres vítimas de violência deixam de produzir e de se desenvolver como poderiam no mercado de trabalho”, explicou, acrescentando que também é comum que as vítimas incorporem a violência e a agressividade em seus relacionamentos e nas formas de comunicação.

A diretora executiva do Instituto Patrícia Galvão, organização não governamental que atua em projetos de defesa dos direitos da mulher, Jacira Vieira de Melo, destacou que os números confirmam que, apesar de a Lei Maria da Penha, criada há seis anos, ser uma referência nacional e conhecida pela maioria da população, a violência contra a mulher ainda é um grave problema social. Ela defende que para enfrentar a questão é preciso fortalecimento das políticas públicas e incremento orçamentário.

“Pesquisas de opinião indicam que mais de 95% da população já ouviram falar na lei, que prevê punições severas para os agressores. Ela tem contribuído para que a violência contra a mulher cada vez mais seja vista como violação de direito fundamental, como crime, mas as estatísticas mostram que a questão continua sendo um grave problema social”, disse, lembrando que a violência é a maior causa de assassinatos de mulheres no Brasil.

Dados do Mapa da Violência 2012, estudo feito pelo sociólogo Julio Jacobo, atualizado em agosto deste ano, revelam que ,de 1980 a 2010, foram assassinadas no país quase 91 mil mulheres, das quais  43,5 mil somente na última década. De 1996 a 2010 as taxas ficaram estabilizadas em torno de 4,5 homicídios para cada 100 mil mulheres.

 

 

Trabalhadores são vítimas da violência em São Paulo

Da Agência Brasil

São Paulo – Os três vizinhos mortos durante a chacina da última quarta-feira em um bar do Jardim Boa Vista, zona sul da capital paulista, têm em comum histórias de pessoas trabalhadoras que tinham muitos sonhos. A mais jovem entre eles, a promotora de eventos Luciene Luzia Neves, de 24 anos, era integrante de um grupo de jovens da Igreja Católica que ajudava a recuperar ex-presidiários e viciados em drogas.

Entre os amigos, conhecidos e parentes que participaram do enterro de Luciene hoje (23) pela manhã, no Cemitério Memorial Parque das Cerejeiras, zona sul, estava Kelly Vaz Nogueira, de 27 anos. A amiga, que trabalha como auxiliar administrativo, frequentava a mesma igreja, no bairro de Piraporinha.

Kelly tinha um motivo especial para estar presente na última homenagem à colega. Naquele mesma sala em que a amiga era velada, há um mês e meio, a auxiliar administrativo chorava a morte do seu irmão, Leonardo Vaz Nogueira, 28 anos. “É difícil estar aqui, porque aqui o Leonardo também foi enterrado e velado. Mas nós estamos aqui para nos unir, todas as famílias que perderam [pessoas] dessa forma  trágica, para a gente fazer justiça”, disse.

Assim como Luciene, Leonardo foi morto a tiros por ocupantes de uma moto. Segundo a mãe do rapaz, a professora Adais Vaz Nogueira, 55 anos, ele foi executado à noite, enquanto deixava a namorada na casa dele, na zona sul da capital. “O passageiro da moto passou atirando e a moto caiu por cima dele e da namorada. Ela se levantou, eles viram. Daí os [assassinos] voltaram, ela pediu para não atirar, mas atiraram contra ela, que foi atingida de raspão. Meu filho morreu no local”, disse. Leonardo trabalhava como garçom e cursava o último semestre de radiologia

O pai de Leonardo, José Luis Vaz Nogueira, 58 anos, aposentado, não se conforma com o fim trágico do filho. “Meu filho era trabalhador, estudante, estava quase para se formar. Era um menino do bem. Na periferia tem trabalhadores, pessoas honestas. Não tem só vagabundo e bandido”, disse. José relatou que a rotina da família e de toda a vizinhança mudou. “Estamos atentos, com medo. Tenho outros três filhos. Quando eles saem da faculdade, eu ligo para saber se estão saindo. Não durmo enquanto eles não chegam

…Continue lendo…

Judiciário entra na luta com a polícia para conter onda de violência em São Paulo

Brasília – O Judiciário decidiu também ajudar no combate à onda de violência em São Paulo. O Conselho Nacional de Justiça (CNJ), órgão responsável pela gestão do Judiciário nacional, e o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) estão discutindo formas de apoiar o Executivo nas ações contra as práticas criminosas na capital paulista, especialmente as que resultaram na morte de policiais.

O assunto foi debatido em duas reuniões nessa terça-feira entre o presidente do CNJ, ministro Carlos Ayres Britto, e o presidente do TJSP, Ivan Sartori. Ambos estão em Sergipe para o Encontro Nacional do Judiciário. Britto não entrou em detalhes sobre o que foi discutido, pois disse que os métodos de trabalho ainda são sigilosos.

“Estamos avaliando o que o CNJ pode fazer para ajudar o Poder Judiciário a coadministrar esse problema nos estabelecimentos prisionais de São Paulo, porque a questão central é do Executivo. Vamos conversar com o governo de São Paulo, retomar o contato com o TJSP, na tentativa de somar esforços, a partir do CNJ”, disse o ministro, em entrevista coletiva à imprensa.

Da Agência Brasil

Leia mais sobre o assunto em:

Onda de violência em São Paulo assusta o resto do país

 

 

Onda de violência em São Paulo assusta o resto do país

Pernambuco, por muitas vezes, carregou o status de estado mais violento do país, segundo dados do Mapa da Violência. Ações de segurança como o Pacto pela Vida, no entanto, fizeram o cenário mudar um pouco. Mesmo assim, quando estávamos no ranking dos estados mais violentos não estávamos nem perto do que está acontecendo em São Paulo. O assunto virou manchete nacional e ganhou cinco páginas na edição da revista Época desta semana. Assassinatos de policiais militares, assaltos e tiroteios viraram rotina na capital e outras cidades do estado mais desenvolvido do país e que tem deixado de orelhas em pé brasileiros de todos os cantos. Confira matéria abaixo:

Do Diario de Pernambuco

São Paulo – Em mais uma noite violenta em São Paulo, um agente penitenciário de 47 anos foi morto e o seu irmão foi baleado. A vítima teve o seu carro fechado por homens em duas motos num cruzamento da cidade de Guarulhos, na Região Metropolitana de São Paulo, por volta das 21h de domingo. O irmão e a cunhada também estavam no veículo. A cunhada não foi atingida, e o irmão do agente não corre risco de morte. Entre a noite de sábado e a tarde de segunda-feira, 13 pessoas foram assassinadas e outras dez, baleadas, na Região Metropolitana de São Paulo.

Na tarde desta terça-feira, no Palácio dos Bandeirantes, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin e o secretário de Segurança Pública, Antônio Ferreira Pinto, vão se encontrar com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, para acertar detalhes da parceria entre os governos estadual e federal para combater a violência no estado. Desde o começo do ano, 90 policiais militares já foram mortos, em São Paulo.

Um policial à paisana foi ferido a tiros na noite de domingo, no Grajaú, Zona Sul. De acordo com policiais do 27º Batalhão, o policial estava de folga e teria tentado impedir um assalto quando foi atingido. Ele foi socorrido ao Hospital do Grajaú para ser submetido a cirurgia e transferido para o Hospital Militar.

Três homens também foram baleados na região do Jardim São Luiz, Zona Sul da capital, no fim da noite do domingo. De acordo com a 47ª Delegacia Policial, no Capão Redondo, dois suspeitos que estavam em uma moto fizeram os disparos. As vítimas, de 17, 19 e 24 anos, não têm passagem pela polícia e foram transferidos para dois hospitais da região. A polícia ainda não sabe a motivação do crime.

No Ipiranga, na Zona Sul, uma menina de 10 anos e um suspeito morreram numa tentativa de assalto na Avenida das Juntas Provisórias, na noite de domingo. Um vigilante que passava de moto pelo local ficou ferido. A garota estava no carro com os pais quando foi atingida por uma bala perdida no tiroteio entre os criminosos e um bombeiro, que reagiu ao presenciar uma tentativa de assalto a um veículo.

 

População quer MPPE mais atuante contra a criminalidade

A violência recorrente no estado fez a população, mais uma vez, pedir que o Ministério Público de Pernambuco (MPPE) tenha como foco principal da sua atuanção o combate à criminalidade. O pedido foi exposto durante o sexto Fórum de Gestão Estratégica, que reuniu as Circunscrições de Palmares, Arcoverde e Garanhuns, na última sexta-feira, no Hotel Tavares Correia, em Garanhuns. Os Fóruns de Gestão Estratégica irão ajudar a nortear as ações da instituição para os próximos quatro anos. Foram realizados encontros no Recife, Olinda, Cabo de Santo Agostinho, Gravatá e Salgueiro, abrangendo todas as regiões do estado.

O combate à criminalidade foi colocado como prioridade na atuação do MPPE por 18% dos presentes. A defesa das crianças e adolescentes aparece em segundo lugar com 17%, seguida da defesa do direito à saúde, com 12%. Outras áreas como educação (12%); segurança pública (8%); combate à corrupção (8%); defesa da pessoa idosa (8%); direitos humanos (5%); meio ambiente (4%) e defesa das pessoas com deficiência (3%) também aparecem nas prioridades apontadas. Habitação e urbanismo, defesa do patrimônio público, combate à sonegação fiscal e defesa do consumidor, entre outros, são pontos importantes para apenas 1% dos presentes.

Com informações da assessoria de imprensa do MPPE

 

 

Arrombamentos e roubos viram moda no bairro do Pina

Nem mesmo uma viatura permanente na esquina da Rua Tomé Gibson com a Avenida Domingos Ferreira e os carros da Patrulha do Bairro que circulam pelo Pina são suficientes para garantir tranquilidade aos moradores e comerciantes da localidade. Os casos de furtos, assaltos e arrombamentos estão virando rotina na área. De mãos atadas, a população espera que a polícia tome as providências e combata a criminalidade na região. A seguir, na matéria publicada no Diario de Pernambuco deste sábado, você vai ver o que dizem os moradores sobre a violência no local. O texto é do repórter Raphael Guerra e as fotos de Annaclarice Almeida.

Casas e lojas da Rua Tomé Gibson, na Zona Sul do Recife, têm sido invadidas com frequência na localidade (ANNACLARICE ALMEIDA/DP/D.A PRESS)

Uma onda de furtos a residências e assaltos a estabelecimentos comerciais está assustando moradores da Rua Tomé Gibson, no bairro do Pina, Zona Sul do Recife. No último mês, sempre no horário da madrugada, pelo menos seis imóveis teriam sido invadidos por um ou dois criminosos. Um restaurante bastante frequentado da localidade também foi alvo de investidas quatro vezes à noite. Em uma delas, clientes foram rendidos e tiveram seus pertences levados. As vítimas relataram ao Diario que já pediram ajuda à Delegacia de Boa Viagem para investigar os casos. No entanto, o delegado titular Paulo Berenguer, disse que, até ontem, nenhuma queixa sobre os crimes havia sido registrada.

Casa de Ozéas de Oliveira foi invadida por uma dupla (ANNACLARICE ALMEIDA/DP/D.A PRESS)
Casa de Ozéas de Oliveira foi invadida por uma dupla

Dono de um mercadinho e da Central da Picanha Restaurante e Pizzaria, ambos na Tomé Gibson, o comerciante Weden Bezerra, 39 anos, já soma mais de R$ 5 mil em prejuízos. Os dois estabelecimentos foram assaltados. “Recentemente, três homens entraram armados, sem capuz, e renderam os clientes e funcionários do restaurante”, contou o comerciante. “Outra vez vi, meu mercadinho sendo furtado. Telefonei na mesma hora para a polícia, mas nenhum suspeito foi capturado”, completou.

O soldador Ozéas de Oliveira, 23, contou que dois homens pularam o muro de sua casa enquanto ele dormia. O barulho fez com que ele acordasse e presenciasse a fuga de um deles com um bujão de gás. “Ele é alto, magro e com muitas tatuagens pelo corpo”, descreveu. Outro comerciante de 50 anos, que preferiu não se identificar, relatou que, por duas vezes, bandidos pularam o muro da residência dele para furtar objetos. Numa das investidas, ele teve o carro arrombado. “Decidi aumentar a altura das paredes para evitar novos casos. Não tenho mais condições de ficar acordado, todas as noites, esperando os bandidos chegarem”, disse.

Weden Bezerra já soma um prejuízo de R$ 5 mil (ANNACLARICE ALMEIDA/DP/D.A PRESS)
Weden Bezerra já soma um prejuízo de R$ 5 mil

A segurança da localidade é de responsabilidade do 19º Batalhão da PM, que tem apoio de policiais com motocicletas e da Patrulha do Bairro. Por meio de nota, o comandante da área, tenente-coronel João da Silva Neto, informou que “não tem conhecimento desse tipo de criminalidade, porém, de posse dessa informação, irá aumentar a segurança a partir do incremento no policiamento”, afirmou. A PM recomendou que os moradores e comerciantes entrem em contato pelo telefone 3181-3573, para denunciar novos casos ou tirar dúvidas. Outra possibilidade através do Disque-Denúncia, pelo telefone 3421-9595.

 

Depois da queda, o coice

Apesar de toda a divulgação na mídia sobre a Lei Maria da Penha, ainda existem seres do sexo masculino que seguem espancando suas companheiras. O número de denúncias, infelizmente, ainda é baixo devido ao medo que as mulheres têm de sofrer represálias. São casos que ganham destaque na imprensa por conta da violência empregada. As agressões costumam ser tão fortes que em alguns casos as mulheres chegam a morrer. O jornal Aqui PE traz em sua manchete de primeira página desta terça-feira mais um desses casos de violência contra mulher. Uma jovem precisou ser atendida em uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA), depois de apanhar do marido, o qual ela flagrou com outra mulher dentro de casa.

O caso aconteceu no bairro do Ibura, na Zona Sul do Recife, nessa segunda-feira. A vítima contou que depois de encontrar o marido com outra mulher foi espancada por ele. Em entrevista à equipe do Aqui PE, a jovem disse que pela janela flagrou o marido com uma desconhecida. “Eu tentava entrar em casa, mas ele não deixava. Ficava empurrando a porta”, contou. Ela disse ainda ter visto a mulher sair pela porta dos fundos e tentou correr atrás dela. Foi nesse momento que o marido, um homem de 30 anos, a espancou.

A jovem revelou que já havia sido espancada outras vezes e que não denunciava porque era ameaçada. “Essa não foi a primeira vez que ele me bateu, mas agora eu quero justiça e vou até o fim”, destacou a jovem. O casal morava junto há um ano e meio e tem duas meninas gêmeas de oito meses. Se você souber de casos de agressões contra mulheres, denuncie através do telefone (81) 3421-9595.

Bairro da Madalena na mira dos assaltantes

 

Os moradores do bairro da Madalena, no Recife, vivem uma rotina de medo ao andarem pelas ruas. Basta passar uma moto ou uma bicicleta, até mesmo à luz do dia, que a atenção é redobrada. De acordo com a Secretaria de Defesa Social (SDS), no primeiro semestre deste ano houve um aumento de 43,3% no número de assaltos na Madalena em relação ao ano passado.

Já no Parnamirim, o crescimento foi de 21,5%. Em contrapartida, houve descréscimo no número de casos em Boa Viagem e Casa Forte. A polícia pretende adotar, na Madalena e no Parnamirim, a estratégia de reforço policial que se provou ter sucesso nesses outros bairros. No primeiro semestre do ano, a Madalena teve 357 assaltos registrados.

As ruas desertas pela manhã são as preferidas pelos ladrões

“Não tem dia nem hora. As motos e as bicicletas passam e levam os pertences das pessoas. É difícil a polícia aparecer por aqui”, relatou o comerciante Ricardo Diniz Jucá, 45, enquanto caminhava pelo mercado público da Madalena. O universitário Daniel Carvalho, 22, permanece cauteloso ao passar pelas ruas do Parnamirim. A pé ou dirigindo o seu carro, prefere não se aproximar de bicicletas ou motos. “É a única forma de me prevenir”.

O comandante de Policiamento da Capital, coronel Gilmar Oliveira, avaliou o quadro como preocupante, mas garantiu que haverá redução nos próximos meses. “Vou marcar uma reunião com os delegados dessas áreas. Os inquéritos em andamento serão analisados para que as investigações sejam intensificadas e os bandidos capturados”, afirmou.

Já à noite, moradores temem sair de casa devido à escuridão

O gestor metropolitano da Polícia Civil, Antônio Feitosa, acredita que houve migração de criminosos para Parnamirim e Madalena. “Eles deixaram outras áreas que receberam reforço no policiamento. Apesar de preocupante, é natural essa variação nos números”, argumentou. Equipes da CipMotos e da Radiopatrulha vão reforçar segurança da localidade.

* Colaboração de Raphael Guerra, repórter do Diario de Pernambuco

Supostos PMs exibem vídeos de apologia à violência

 

Do Correio Braziliense

 

 (YouTube/Reprodução de vídeo)

Ao se valer do anonimato da internet, supostos policiais militares alimentam e postam vídeos no YouTube fazendo apologia à violência e enaltecendo os excessos cometidos em operações realizadas pela corporação. O vídeo mais recente, inserido no fim de junho, manda um recado para quem “desafiar” o batalhão de Rondas Ostensivas Táticas Motorizadas (Rotam). “Se tentar fugir da Rotam, vai se dar mal. Se tentar trocar tiro com a Rotam, é assim que vamos responder”, dizem as legendas enquanto aparecem cenas de carros destruídos e baleados. Na sequência, surge um homem ensanguentado e aparentemente morto após levar um tiro na cabeça.

Descritas no site como o “Dia a dia da Rotam DF”, as imagens continuam com fotos e trechos de exercícios do batalhão. Nos segundos finais do vídeo, há mais um alerta. São exibidas fotos de nove homens, com olhos cobertos por uma tarja preta, que teriam sido presos pela tropa de elite. Eles seriam os exemplos daqueles que “tentaram a sorte com a Rotam e se deram mal”. A Corregedoria abriu sindicância para apurar o caso.

A reportagem completa você lê na edição impressa do Correio Braziliense desta quinta-feira.

 

Assista ao vídeo

http://www.youtube.com/watch?v=1O2k9z6Tdv4
 

Uma vida em troca de um coco

 

Quanto mais falamos em banalização da violência, mais estamos certos de que as pessoas estão deixando de lado o amor ao próximo, o diálogo e partindo para resolver os problemas e discussões da forma agressiva. Assassinatos por motivos banais, vez por outra, são registrados pela polícia e chamam atenção, sobretudo da população, porque são crimes que poderiam ser evitados. Crimes que fazem aumentar ainda mais as estatísticas de criminalidade no estado e que, muitas vezes, não podem ser impedidos pela polícia, pois são crimes de proximidades. Ou seja, são brigas de vizinhos, brigas entre parentes, rixas e etc. A capa do jornal Aqui PE desta sexta-feira, jornal popular do grupo Diários Associados, traz mais uma dessas tristes e revoltantes notícias de mortes que parecem sem explicação. Um homem de 32 anos foi morto com quatro tiros porque se negou a dar um coco a outro homem identificado como Felipe. O crime aconteceu no bairro de Águas Compridas, em Olinda, na Região Metropolitana do Recife (RMR).

Se por um lado, nós cobramos das autoridades proteção e investigação dos crimes praticados no estado, por outro, algumas pessoas estão deixando de fazer a sua parte pelo bem geral da sociedade. Segundo a polícia, o crime ocorrido no Alto da Bondade, aconteceu depois de uma briga entre a vítima e o suspeito. Williams dos Santos Freitas estava tirando o coco de um coqueiro que fica na casa que ele morava quando o suspeito teria roubado um dos cocos, o que motivou uma briga. A matéria completa sobre esse crime você pode conferir na edição do jornal Aqui PE, que está à venda nas bancas por apenas R$ 0,25.