Os bastidores da cobertura da morte do promotor Thiago Faria Soares

Muitos de vocês estão acompanhando o desenrolar das investigações sobre o assassinato do promotor de Itaíba, Thiago Faria Soares, 36 anos, através da imprensa. Ele foi morto com quatro tiros, na manhã do último dia 14, no Agreste do estado. No dia seguinte, a imprensa pernambucana foi toda para a cidade de Águas Belas, de mala e cuia, onde estão concentradas as investigações. No entanto, o que alguns de vocês não sabem, caros leitores, é como os jornalistas se viram para mandar a notícia para as redações no Recife.

Entrada da cidade dividida pela seca, pelos índios e pelo medo da violência

Entrada da cidade dividida pela seca, pelos índios e pelo medo da violência

Essa postagem vai mostrar um pouco do que nós vivemos durante os dez primeiros dias de cobertura jornalista no local. Debaixo de um sol forte, calor, fome, falta de sinal de telefone e internet. Quase tudo era na base do improviso. Alguns policiais envolvidos na investigação chegavam até a brincar com os jornalistas perguntando se a gente não ficava cansado de estar na porta da delegacia praticamente o dia todo. Foram muitas histórias…

Equipes do Diario e da Folha. O JC já havia voltado para o Recife

Equipes do Diario e da Folha na rodovia PE-300. O JC já havia voltado para o Recife

O trabalho de todas as equipes começava muito cedo, todos os dias. O horário de terminar era sempre uma incógnita. Quem ditava nossos horários eram os acontecimentos do dia. Em geral, na hora do almoço, seguíamos todos para o mesmo restaurante e comíamos quase sempre o mesmo prato. Na hora do jantar, uma lanchonete no centro da cidade era nosso ponto de encontro. Como a oferta de restaurantes e lanchonetes na cidade é pequena, era comum encontrarmos os delegados que investigam o caso comendo nos mesmos lugares que nós.

Não tenho dúvidas de que o produto mais consumido pelos jornalistas que passaram esses dias em Águas Belas foi a água mineral. O calor era muito grande e o sol muito forte. A nossa salvação foi uma lanchonete na frente da delegacia e a recepção da delegacia que tinha ar-condicionado e se transformou também em redação, muitas vezes. Um fato ocorrido na noite da terça-feira, certamente, não vai ser esquecido por quem estava no nosso hotel. Um vazamento de gás fez quase todos os hóspedes desceram às pressas. Algumas pessoas só deixaram o hotel após as luzes terem sido apagadas. Foi um susto danado.

Obs: As fotos que estão publicadas aqui, algumas são minhas e do amigo Paulo Paiva, também do Diario de Pernambuco. Outras, desde já, peço autorização aos colegas dos quais copiei para publicar.

 

Ex-noivo de Mysheva depõe nesta segunda sobre morte de promotor

Está previsto para esta terça-feira, em horário não definido, o depoimento de um ex-noivo da advogada Mysheva Freire Ferrão Martins, 30 anos, que, atualmente, estava noiva do promotor Thiago Faria Soares, morto no último dia 14 deste mês. O depoimento do comerciante se fez necessário para que a polícia possa esclarecer algumas dúvidas que estão surgindo durante a investigação. Apesar da linha de trabalho da polícia apontar para a questão envolvendo os 25 hectares de terra arrematados por Mysheva na Fazenda Nova, em Águas Belas, nenhuma hipótese ainda pode ser descartada.

Mysheva Ferrão Martins precisou ser amparada pelos familiares. Foto: Wagner Oliveira/ DP/ D A Press

Na manhã desse domingo, familiares e amigos de Mysheva e Thiago, que estavam com casamento marcado para o próximo dia 1, participaram da missa de sétimo dia em memória da alma do advogado. A pequena capela de São Sebastião, no centro da cidade, ficou lotada. Quase todos os participantes estavam usando uma camisa com a foto de Thiago na frente e uma foto dele com Mysheva nas costas. Durante toda a celebração, a noiva do promotor esteve visivelmente emocionada e foi amparada por familiares.

Na camisa estava escrita a mensagem: “Nem a morte vai ser capaz de te apagar, pois ficou um pedacinho de você em cada um de nós. Com Deus, todas as coisas são possíveis”

MPPE designou 11 promotores para acompanhar caso de Itaíba

O grupo de promotores de Justiça montado para atuar no inquérito policial do assassinato do promotor de Itaíba, Thiago Faria Soares, foi escolhido a dedo. A equipe reúne especialistas nas áreas criminal, especialmente organizações criminosas, e conflitos agrários, pontos que se destacam nas investigações do crime ocorrido segunda-feira.

Promotor Marcelo Grenhalgh foi transferido de São José da Coroa Grande para assumir Itaíba, onde chegou ontem (PAULO PAIVA/DP/D.A PRESS)

Para tratar do inquérito ou de pontos decorrentes dele, o Ministério Público de Pernambuco (MPPE) designou 11 promotores com atuação no estado, em Rondônia e Minas Gerais. Antes mesmo da nomeação, publicada no Diário Oficial do Estado desta sexta-feira, o promotor Marcelo Grenhalgh de Cerqueira Lima e Moraes Penalva Santos circulou ontem em Itaíba. Ele será o titular da promotoria e também atuará na força-tarefa montada para dar celeridade aos processos civis e criminais dos 22 municípios da 5ª Circunscrição Ministerial, no Agreste.

Ao todo, o procurador geral de Justiça Aguinaldo Fenelon designa em três portarias 17 promotores para atuar na região. O trabalho de investigação não individualizado diminui a atenção sobre um promotor como ocorreu aparentemente com Thiago. O promotor assassinado pediu a suspeição no julgamento de 16 processos envolvendo a família da noiva, a advogada Mysheva Martins. Ele, inclusive, seria transferido para Jupi, uma maneira de agilizar tais processos pendentes. Com as nomeações, uma das prioridades será analisar processos envolvendo a família Martins, de forte influência na região.

Revezamento
Dos 17 promotores, 10 vão trabalhar em ações ligadas ao inquérito policiail. Esse grupo inclui promotores do Grupo Nacional de Combate às Organizações Criminosas (GNCOC), que integra o Conselho Nacioanal de Procuradores Geral (CPG). Dois são de Rondônia, Eriberto Gomes Barroso e Otávio Xavier Junior, e um de Minas Gerais, Fábio Galindo Silvestre. Outros sete, onde também está incluído Marcelo Grenhalgh, vão se revezar nos trabalhos nos 22 municípios da região. Esse novo modelo é uma tentativa de deixar mais impessoal o trabalho dos promotores e prevenir ameaças e homicídios.

Do Diario de Pernambuco

Assassinos do promotor Thiago Faria estão sendo caçados por força-tarefa

Matar um policial, um promotor de Justiça ou um juiz de direito é como mexer em uma casa de marimbondos. Crimes dessa natureza são encarados como uma afronta às autoridades de segurança pública e exigem uma resposta muito rápida. Para isso, já foi criada uma força-tarefa pra investigar a morte do promotor de Justiça Thiago Faria Soares, 36 anos, morto a tiros no município de Itaíba, no Agreste do estado.

Uma equipe com 50 policiais civis e militares e seis promotores estão trabalhando no caso. Integram ainda a cúpula de diligências a Procuradoria Geral da República, a Polícia Civil e Militar de Pernambuco, além do Ministério Público. “Estão envolvidos nas investigações a Polícia Civil, a Polícia Militar, o Ministério Público de Pernambuco e o Ministério Público Federal. Todas as instituições vão dar resposta para esse bárbaro crime, com uma investigação rápida e segura”, destacou o governador Eduardo Campos.

Eduardo Campos reuniu-se ontem com o procurador Aguinaldo Fenelon (E) e os secretários Wilson Damázio e Tadeu Alencar (EDUARDO BRAGA/SEI)
Na noite dessa segunda-feira, Campos teve reunião com o procurador-geral do Ministério Público de Pernambuco, Aguinaldo Fenelon, e os secretários estaduais Wilson Damázio (Defesa Social), Tadeu Alencar (Casa Civil) e Mário Cavalcanti (Casa Militar). Durante o encontro, o governador telefonou para o procurador-geral da República e conselheiro nacional do Ministério Público Federal, Rodrigo Janot, que designou três procuradores e dois conselheiros para atuarem em conjunto nas investigações.

“Eles estão chegando já nesta terça-feira (15/10) para nos ajudar, num trabalho integrado das instituições, para que, no mais curto prazo de tempo possível, possamos ter a conclusão do inquérito. Já temos algumas linhas investigativas, que vão ser aprofundadas nas próximas horas, e informaremos tão logo tenhamos notícias mais concretas”, disse Eduardo Campos.

Imagem do carro onde o corpo de Thiago Godoy foi encontrado. Foto: Paulo Paiva/DP/D.A Press
 
O secretário de Defesa Social, Wilson Damázio, ressaltou que as linhas de investigação não serão divulgadas nesse momento. “As linhas investigativas são as mais variadas, como se deve fazer numa apuração. Isso está sendo feito com todo o cuidado nesse caso”, destacou. “Pernambuco vai responder. O sistema de Justiça está unido nesse momento aqui em Pernambuco, e recebemos apoio do Ministério Público Federal e de todo o sistema nacional de Justiça. Vamos botar na cadeia este assassino ou estes assassinos, seja quem for. O lugar deles é na cadeia. Vamos fazer todos os esforços. Este crime não ficará impune”, colocou o procurador-geral do Ministério Público, Aguinaldo Fenelon.
 

Abertas inscrições para V Simpósio Forense em São Paulo

Nos dias 28, 29 e 30 de novembro de 2013, acontecerá o V Simpósio Forense, “Edição Especial CSI”, na cidade de Ribeirão Preto – SP.

O I Simpósio Forense foi realizado em 2009, e desde então tem ocorrido anualmente sempre com a organização de docentes e alunos do IPEBJ – Instituto Paulista de Estudos Bioéticos e Jurídicos, instituição responsável pela implementação do primeiro curso de pós-graduação em Ciências Forenses do estado de São Paulo e do primeiro e único curso de pós-graduação em Criminal Profiling do Brasil.

O objetivo principal do evento é promover um fórum de discussão dos avanços das Ciências Forenses por meio de conferências, palestras, palestras técnicas, minicursos, apresentação de trabalhos na forma de pôster e pela convivência entre todos os participantes nas conversas, discussões e programações sociais promovidos durante o evento.

Este ano a novidade está por conta da programação especial focada na Análise de Cena de Crime. Os participantes terão a experiência de vivenciar o dia a dia dos peritos criminais, assim como acontece nas famosas sérias “CSI – Miami / NY”, “Criminal Minds”, “Lie to Me”, apenas para citar algumas.

O V Simpósio Fornense contará com a participação dos melhores profissionais do Brasil na área das Ciências Forenses, dentre eles, peritos criminais, psicólogos invetigativos, promotores de justiça, especialistas em odontologia legal, psiquiatras forense, advogados, criminólogos, entre outros.

As inscrição estão abertas e são realizadas através do website www.ipebj.com.br. As vagas são limitadas.

Conheça os palestrantes

Programação:

28/11
Balística Forense – Curso Prático/Teórico
CSI – Análise de Cena de Crime – Curso Prático/Teórico

29/11
Cadeira de Custódia na Perícia Criminal
Antropologia e Arqueologia Forense na Identificação de Desaparecidos
Ciclo de Palestras – Crime “Não” Organizado
Ciclo de Palestras – “Crime Scene Investigation” – Análise de Cena de Crime
Debate Criminal – Serial Killer – Doença Mental e Psicopatia no Banco dos Réus – Casos Concretos

30/11
Identificação Humana em Situações de Desastres (DVI) pela Metodologia da INTERPOL
Ciclo e Palestras – Evidências Linguísticas na Identificação Criminal: A Ciência da Comunicação nos Órgãos de Inteligência
Debate Forense – Banco de Dados de Criminosos como Apoio na Identificação Criminal

Contatos:

IPEBJ – www.ipebj.com.br
ipebj@ipebj.com.br

 

 

PMs de Bom Conselho serão intimados por delegado federal

Os cinco policiais militares que participaram da perseguição aos dois homens que assaltaram a agência dos Correios, no município de Bom Conselho, no Agreste do estado, e que resultou na morte da professora Alexandra Machado, 33 anos, serão intimados a depor nos próximos dias. No primeiro depoimento, os militares já afirmaram que não sabiam que havia reféns no carro além do assaltante.

Foto: Blog do Tiago Padilha/Reproducao da Internet

Carro da professora ficou crivado. Foto: Blog do Tiago Padilha/Reproducao da Internet

Segundo o capitão Gilson Cerqueira, que comanda as buscas aos criminosos, o delegado da Polícia Federal (PF) que investiga o caso entrou em contato com ele para dizer que iria intimar o cabo e os quatro soldados que trocaram tiros com o ladrão que dirigia o Fiat Uno onde estavam a professora e uma criança de apenas um ano. O delegado quer saber se o tiro que matou Alexandra foi disparado por um dos PMs ou pelo suspeito e ainda se a bala teve entrada pelas costas ou pelo peito da vítima.

PMs fizeram e ainda seguem fazendo buscas na cidade. Foto: TV Globo/Reprodução

PMs fizeram e ainda seguem fazendo buscas na cidade. Foto: TV Globo/Reprodução

“O delegado entrou em contato comigo para dizer que eles iriam ser intimados para um segundo depoimento. No entanto, não falou em datas. E quanto às buscas aos suspeitos do assalto, nossas equipes continuam em diligências”, afirmou Cerqueira. A PF deve liberar até o final desta semana o retrato falado dos dois suspeitos.

Enquanto isso, o delegado aguarda o resultado do laudo tanatoscópico e do exame de balística. Alexandra foi encontrada morta dentro do próprio carro, sentada no banco do passageiro. Um bebê que também estava no veículo não foi ferido. Um dos ladrões entrou no carro da professora quando ela chegava à escola da filha para levá-la para casa. O crime chocou os moradores da cidade de pouco mais de 45 mil habitantes.

Condução de investigação criminal volta a ser debatida

Para o Conselho Nacional de Defensores Públicos, o debate sobre quem tem o poder de conduzir a investigação criminal não pode se sobrepor às garantias do cidadão alvo dessa investigação. Essa foi a posição defendida pelo presidente da instituição, Nilton Leonel Arnecke, em audiência pública da Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado nesta terça-feira (17).

Audiência Pública  para dicutir a PL 5776/13, que regulamenta o poder de investigação do Ministério Público. Presidente do Conselho Nacional de Defensores  Públicos, Nilton Leonel ArneckeSegundo Arnecke, suspensão da ação penal por até um ano viola direito da duração razoável do processo.

O defensor público afirmou que o projeto (PL 5776/13), da deputada Marina Santanna (PT-GO), que regulamenta o poder de investigação do Ministério Público, prevê alguns procedimentos que causam insegurança.

É o caso da possibilidade de uma ação penal ficar em suspenso por até um ano. O defensor entende que essa é uma forma de coagir a pessoa a aceitar um acordo ou delação premiada, mas viola o direito de ter uma duração razoável do processo.

Para o advogado público também não se deve admitir que haja uma apuração preliminar anterior à instauração do inquérito. Ele afirmou que a formalidade dos procedimentos é a única forma de garantir os direitos da pessoa de saber do que está sendo acusada e que fatos há contra ela.

Arnecke também entende que são inaceitáveis relatórios sucintos, que podem omitir informações fundamentais para o investigado.

“A nossa discussão em relação ao projeto diz respeito aos direitos e garantias fundamentais do cidadão. É importante que se regulamente o poder investigatório criminal, mas é importante também que nessa luta de quem pode investigar o quê não se infrinjam os direitos e garantias fundamentais do cidadão que estão na Constituição Federal”, argumentou.

Da Agência Câmara

 

Peritos de Brasília estudam tempo de marcas deixadas por impressões digitais

Do Correio Braziliense

Diferentemente do que mostram as longas e árduas investigações da série de televisão norte-americana CSI, a identificação de uma impressão digital, palmar ou da planta dos pés é suficiente para solucionar um caso policial. Isso porque, muitas vezes, o vestígio pertence a uma pessoa que não tem acesso legítimo ao local do crime, e a comprovação de que ela esteve ali facilita imensamente o trabalho dos investigadores.

No entanto, nem sempre o autor é alguém desconhecido das vítimas, e as impressões encontradas são todas de indivíduos que costumam ir ao local. Nessas situações, a investigação tende a se complicar, e a informação sobre o momento em que determinada impressão foi marcada na cena – antes, durante ou depois do crime – pode ser crucial para elucidar a história.

Foi um desses casos que chegou, em 2009, à equipe do Laboratório de Perícia Papiloscópica do Instituto de Identificação da Polícia Civil do Distrito Federal (II-PCDF). Ao investigar o homicídio do ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) José Guilherme Villela, de sua mulher e da empregada da casa, os responsáveis pelo caso não acharam nenhuma impressão digital estranha. Chegou-se, então, à necessidade de confirmar quando a marca de uma palma da mão havia sido feita em um móvel do apartamento, na 113 Sul.

O objetivo era descobrir em qual período o dono daquela impressão palmar tinha passado pelo local. Frente a esse desafio, o papiloscopista brasiliense Rodrigo Meneses de Barros, que ficou encarregado da missão, desenvolveu um método para chegar à resposta. Replicada em um experimento na Universidade de Brasília (UnB), a técnica foi descrita na última edição da respeitada revista forense internacional Science and Justice.

 

Policiais de Pernambuco participam de curso com agentes do FBI

 

Até o próximo dia 3, um grupo seleto de policiais, sobretudo delegados, lotados na Secretaria de Defesa Social (SDS) estarão participando do Curso de Entrevista e Interrogatório, que está sendo ministrado por policiais do FBI, através do Projeto de Cooperação, que é uma parceria entre a Seção de Assuntos de Narcotráficos, Justiça e Segurança (NAS) e a Secretaria Nacional de Segurança Pública (SENASP).

O curso ocorrerá que começou no último dia 29 de julho está sendo realizado no Campus de Ensino Recife – CERE/ACIDES, Rua Tabira,160 – Boa Vista (antiga ACADEPOL). Entre os participantes, estão delegados da inteligência da SDS, da Corregedoria Geral e do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

 

Polícia já ouviu duas vítimas do atropelamento no Pina

O delegado de Delitos de Trânsito, Newson Motta, recebeu nessa terça-feira do Departamento Estadual de Trânsito de Pernambuco (Detran-PE) o relatório sobre a situação do administrador Felipe Medrano de Lima, 24 anos, junto ao órgão. Segundo o Detran, Felipe havia sido reprovado em uma prova no mês de junho e estava estudando para fazer outro teste para conseguir uma tirar uma nova carteira de habilitação.

Também nessa terça-feira, duas vítimas do atropelamento foram ouvidas pelo delegado. Dois parentes de outras duas pessoas atropeladas estiveram na delegacia e contaram que os familiares estão internados em um hospital particular do Recife.

De acordo com o delegado Newson Motta, as duas vítimas ouvidas foram os dois motociclitas que primeiro foram atingidos pelo Veloster de placa PFA-4916. “Ainda não tenho previsão para tomar novos depoimentos, agora vou analisar o histório de Felipe no Detran”, apontou o delegado.

Segundo a assessoria de imprensa do Hospital da Restauração (HR), o paciente Daniel Pedro da Silva, 42 anos, continua sem previsão de receber alta médica. A unidade de saúde explicou ontem que o curativo no pé da vítima era consequência de um procedimento cirurgico em um dos seus dedos, que não teria chegado a ser arrancado.

Felipe está respondendo ao inquérito em liberdade, por não ter sido preso em flagrante. Ele se apresentou à polícia acompanhado do seu advgado e negou ter ingerido bebida alcoólica antes do acidente. Em depoimento, o administrador de empresas alegou que seu carro teria sido trancado por outro veículo na descida da Ponte Paulo Guerra e que ele não teria visto o sinal vermelho porque estava olhando pelo retrovisor para o veículo que o teria dado o tranca.

O acidente aconteceu na Avenida Herculano Bandeira e as câmeras de monitoramento da Companhia de Trânsito e Transporte (CTTU) registraram o momento em que o veículo bateu nas pessoas e fugiu sem prestar socorro.