Cabo da PM suspeito de praticar crimes é liberado pela Justiça

O cabo do 11º Batalhão da Polícia Militar de Pernambuco que havia sido autuado em flagrante na tarde da última sexta-feira por envolvimento no crime ocorrido na quinta-feira, no bairro de Campo Grande, no Recife, foi liberado pela Justiça após ser apresentado na audiência de custódia. A audiência aconteceu no Fórum Rodolfo Aureliano, na tarde desse sábado. A Polícia Civil não tem dúvidas que ele participou do crime que resultou na morte de um ex-presidiário e no ferimento à bala de outro policial militar. Outros três suspeitos estão sendo procurados.

De acordo com o Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), o cabo Cláudio da Silva Melo teve a prisão relaxada pelo juiz plantonista Edimilson Cruz Júnior, que considerou a prisão ilegal por ter sido realizada várias horas após o fato.

Militar havia sido preso na sexta-feira. Foto: Thamires Oliveira/Esp. DP

Militar havia sido preso na sexta-feira. Foto: Thamires Oliveira/Esp. DP

O policial compareceu ao Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), no bairro do Cordeiro, na tarde da sexta-feira, acompanhado de um advogado. Em seu depoimento, o cabo permaneceu calado, mas havia sido autuado em flagrante por homicídio e tentativa de homicídio. O caso também está sendo acompanhado pela Corregedoria Geral da Secretaria de Defesa Social (SDS). Segundo a polícia, os suspeitos do crime chegaram em uma caminhonete de cor preta. As vítimas estavam dentro de um Mitsubishi ASX quando foram atingidas pelos disparos.

O cabo Eduardo Leite da Silva, 38 anos, lotado no 16º BPM, foi baleado de raspão na cabeça e passa bem. A esposa dele também estava no carro, mas não foi atingifa. Já o motorista, Luciano Pereira da Silva, 38, conhecido como Lúcio da Bomba, morreu no Hospital da Restauração (HR), para onde ambos foram socorridos.

Ex-chefe da PCPE delegado Antônio Barros assume o Denarc

O ex-chefe da Polícia Civil de Pernambuco delegado Antônio Barros vai assumir, a partir desta segunda-feira, o cargo de gestor do Departamento de Repressão ao Narcotráfico (Denarc). Barros ficará no lugar do delegado João Leonardo, que agora assumirá a coordenação da Força-tarefa do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).  A portaria com as modificações foi publicada no Diario Oficial deste sábado.
IMG_2614
“Será uma experiência nova e gratificante para mim, pois na minha vida profissional também já pude contribuir chefiando várias outras unidades e funções da segurança pública, tais como: Grupo de Operações Especiais – GOE;  Inteligência da PCPE (atual DINTEL); Departamento de Repressão aos Crimes Patrimoniais – Depatri; Superintendência do Centro Integrado de Inteligência da Secretaria de Defesa Social – CIIDS; e por último, a Chefia da Polícia Civil de Pernambuco. Conto com o apoio e a torcida de todos para que possamos melhorar a repressão ao tráfico de drogas em nosso Estado”, escreveu Barros em seu Facebook. O delegado afirmou ainda que está à disposição para receber denúncias que podem ser feitas diretamente a ele, de forma privada e sigilosa, através do “messenger” do Facebook.

 

Delegado Luiz Andrey assume Diretoria Integrada Especializada

Novas mudanças na Polícia Civil de Pernambuco estão sendo feitas para que o governo consiga reduzir a criminalidade no estado. O delegado Luiz Andrey de Oliveira, que deixou a subchefia da PCPE recentemente, foi nomeado hoje para o cargo do Diretor Integrado Especializado, que chefia os departamentos e unidades especializados da Polícia Civil. Andrey assume o cargo que era ocupado pelo delegado Darlson Macedo. IMG_2573

Antes de ser subchefe da PCPE, Luiz Andrey comandou a Diretoria Integrada Metropolitana e o Departamento de Repressão ao Narcotráfico (Denarc). Também foi juiz de direito no estado da Paraíba, mas voltou para o quadro da PCPE. O Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) também ganha nova chefia a partir de hoje. O delegado Ivaldo Pereira assume a vaga que era de Mauro Cabral.

Corregedoria apura denúncia contra PMs que apreenderam fantasias

A Corregedoria Geral da Secretaria de Defesa Social (SDS) determinou a instauração de uma Sindicância Administrativa Disciplinar (SAD) para apurar as denúncias feitas contra os policiais militares acusados de apreenderem fantasias e adereços de integrantes da troça Empatando a Tua Vista, no sábado de carnaval. A portaria nº 238/2017 diz que o procedimento foi aberto “considerando a estrita observância aos princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade, finalidade, motivação e, em especial, da eficiência e do interesse público e considerando ainda a gravidade do fato e a necessidade de apuração por parte deste Órgão Correicional.”

Foto: Empatando Tua Vista/Divulgação

Grupo foi abordado também na Ponte Velha. Foto: Empatando Tua Vista/Divulgação

Na semana passada, o Ministério Público de Pernambuco (MPPE) já havia instaurado, por meio da 7ª Promotoria de Justiça de Defesa dos Direitos Humanos da Capital, um procedimento preparatório para investigar as denúncias de violação do direito à liberdade de expressão, por parte de policiais militares, contra os integrantes da troça. O procedimento foi aberto após uma representação feita pelos membros da agremiação em reunião realizada na sede das Promotorias de Justiça da Capital. A troça acusa quatro PMs de apreenderem fantasias e adereços de forma arbitrária.

Os membros da agremiação conversaram com a imprensa na última sexta-feira para se posicionar sobre o caso e cobrar providências. Segundo a auxiliar administrativa Angélica Reis, que integra a troça, cerca de dez pessoas estavam saindo de um prédio da Boa Vista, com destino ao Galo da Madrugada, quando foram surpreendidas por quatro policiais. Ela afirmou que os PMs chegaram em uma viatura, confiscaram fantasias e máscaras e revistaram o veículo de um dos membros da agremiação.

De acordo com a integrante, cerca de meia hora depois que a patrulha confiscou os objetos, a mesma viatura abordou novamente o grupo, que estava caminhando na Ponte Velha. “Um major desceu com o cassetete na mão, gritando que iria levar tudo. Isso é um absurdo. São fantasias. A gente parecia bandido e as pessoas que estavam por perto olhavam assustadas. Ninguém aqui é bandido. A gente estava no carnaval para brincar. Durante todo tempo a polícia não saía de perto da gente”, disse.

Ladrões invadem Igreja de São Miguel Arcanjo e furtam objetos

A Delegacia do Espinheiro está investigando o furto do Ostensório do Oratório da Igreja de São Miguel Arcanjo, localizada na Rua Marquês do Paraná, no bairro do Espinheiro, ocorrido nesse final de semana. A peça foi levada da igreja entre os dias 4 e 5 deste mês. O Ostensório é usado em atos da Igreja Católica para expor solenemente a Hóstia Consagrada sobre o altar ou para transportá-la em procissões. Além do Ostensório, os criminosos levaram ainda o cofre da igreja, uma mesa de som e um microfone sem fio.

Ostensório é

Ostensório é usado para expor a hóstia consagrada. Foto: WhatsApp/Divulgação

Não se sabe ainda quantas pessoas entraram no local, mas uma das portas da igreja foi arrombada e os fios do alarme foram cortados durante a ação criminosa. Havia uma pequena quantia de dinheiro no cofre e a igreja não tem câmeras de monitoramento. De acordo com o frei Paulo Sérgio Feitosa, pároco da Igreja do Espinheiro e reitor do Oratório de São Miguel Arcanjo, a central de alarme da igreja também foi destruída. “Percebemos que a igreja havia sido invadida nessa segunda-feira. Já procuramos a polícia e estamos esperando as investigações”, contou frei Paulo.

A Polícia Civil vai solicitar imagens das câmeras de segurança dos edifícios que ficam nas proximidades da igreja para tentar identificar os criminosos. Como peças iguais ou parecidas com o Ostensório não são vistas facilmente nas ruas, a igreja e a polícia esperam que quem tiver informações sobre os criminosos possam telefonar para o Disque-Denúncia pelo número (81) 3421-9595. O anonimato da ligação é garantido. A insegurança no estado está deixando a população cada dia mais assustada. Além dos constantes assaltos a bancos e ônibus, agora, nem as igrejas estão livres da criminalidade.

Equipamento que inutiliza cédulas em caso de arrombamento de caixa eletrônico pode ser obrigatório

Da Agência Câmara

Bancos poderão ser obrigados a instalar equipamentos para inutilizar cédulas em caso de arrombamento de caixas eletrônicos se o Projeto de Lei 6737/16 for aprovado pela Câmara dos Deputados. Pelo texto, o equipamento instalado também deverá inutilizar as cédulas em caso de movimento brusco e alta temperatura.

“A medida visa proteger vigilantes, clientes e usuários das instituições financeiras que cotidianamente ficam sujeitos à violência e à crueldade de grupos de criminosos fortemente armados e portando explosivos de alta potência”, explica o autor do projeto, deputado Nelson Pellegrino (PT-BA).

Caixa eletrônico ficou completamente destruído. Foto: Wagner Oliveira/DP

Caixa eletrônico ficou completamente destruído em ação criminosa no Recife. Foto: Wagner Oliveira/DP

Segundo a proposta, as instituições financeiras poderão utilizar-se de qualquer tipo de tecnologia existente para inutilizar as cédulas, como tinta especial colorida; pó químico; ácidos e solventes; e pirotecnia, desde que não coloquem em perigo os usuários e funcionários que utilizam os caixas eletrônicos.

Ainda conforme o texto, placas de alerta deverão ser instaladas no caixa eletrônico e na entrada do banco, informado sobre a existência do dispositivo e seu funcionamento. As instituições que descumprirem as medidas ficarão sujeitas a penalidades que vão de advertência à multa e interdição do estabelecimento. O projeto acrescenta artigo à Lei 7.102/83, que trata da segurança em estabelecimentos financeiros.

Policiais do RN estão no Recife e corpos de suspeitos serão identificados através de DNA

Policiais da Divisão Especializada em Investigação e Combate ao Crime Organizado (Deicor) do Rio Grande do Norte estão no Recife para levantar as informações necessárias sobre o assalto ocorrido no Cabo de Santo Agostinho. Membros da quadrilha são investigados no RN pela prática do mesmo tipo de crime. A polícia pernambucana segue investigando a ligação dos suspeitos que atacaram o Banco do Brasil e o banco Itaú com o grupo que assaltou a sede da empresa de transporte de valores Brinks. Entre os suspeitos estão homens dos estados do Rio Grande do Norte, Alagoas, Maranhão e Pernambuco.

Ação criminosa começou no Cabo e terminou em Moreno. Foto: Julio Jacobina/DP

Ação criminosa começou no Cabo e terminou em Moreno. Foto: Julio Jacobina/DP

Já a identificação de quatro dos cinco suspeitos mortos após o confronto com a Polícia Militar só será possível através de exames de DNA. Segundo a Secretaria de Defesa Social (SDS), apenas um dos suspeitos foi identificado como Igor Reinaldo Peixoto, 37 anos. Parentes de outros dois mortos estiveram no Instituto de Medicina Legal (IML), no bairro de Santo Amaro, no Recife, mas os documentos apresentados por eles eram diferentes dos encontrados com os suspeitos. “Somente análises do código genético, em confronto com amostras dos familiares, poderão definir seus nomes, sem deixar dúvidas. Os exames ficam prontos na próxima semana. Nos outros dois casos sem identificação, ainda não houve o comparecimento de parentes ao IML nem documentos foram encontrados com os suspeitos”, destaca a nota enviada pela secretaria.

Cinco suspeitos morreram após assalto no Cabo, corrige a SDS

Diferentemente do que foi anunciado ontem em entrevista coletiva no Quartel do Comando Geral da Polícia Militar, no Derby, não foram seis suspeitos mortos no confronto entre PMs e os homens que assaltaram duas agências bancárias no Cabo de Santo Agostinho na madrugada de ontem. Participaram da entrevista de ontem o comandante da PMPE, coronel Vanildo Maranhão, o chefe da Polícia Civil, delegado Joselito Amaral, e a gestora de Polícia Científica, Sandra Santos.

Grupo conseguiu atacar duas agências bancárias: Julio Jacobina/DP

Grupo conseguiu atacar duas agências bancárias: Julio Jacobina/DP

No início da tarde desta sexta-feira, a Secretaria de Defesa Social (SDS) confirmou que houve um equívoco ontem ao ser anunciado que um suspeito internado no Hospital Dom Helder Camara, no Cabo de Santo Agostinho, havia morrido. Ele continua internado na unidade de saúde e está sob custódia da Polícia Civil. Com isso, o total de mortos na ocorrência passa a ser de cinco homens. Os corpos permanecem no Instituto de Medicina Legal (IML), no bairro de Santo Amaro, no Recife.

Corpos dos cinco assaltantes estavam em um canavial. Foto: Julio Jacobina

Corpos dos cinco assaltantes estavam em um canavial em Moreno

Outros cinco foram presos. Desses, quatro já foram levados para o Departamento de Repressão aos Crimes Patrimoniais (Depatri), no bairro de Afogados, onde foram ouvidos e autuados em flagrante. O suspeito hospitalizado, assim que receber alta médica, também será interrogado e depois encaminhado para o Centro de Observação Criminológica e Triagem (Cotel), em Abreu e Lima, para onde já foram levados ontem os quatro suspeitos autuados.

Madrugada de terror no Cabo de Santo Agostinho

Pelo menos três agências bancárias foram alvos de criminosos, na madrugada de hoje, no Cabo de Santo Agostinho, na Região Metropolitana do Recife. Uma quadrilha de assaltantes chegou ao centro da cidade por volta das 3h30 e fez vários disparos no local além de explodir caixas eletrônicos.

Fotos: WhatsApp/Divulgação

Fotos: WhatsApp/Divulgação

A polícia acredita que o Banco do Brasil e o Itaú tenham sido roubados. Uma agência da Caixa Econômica Federal teve uma porta de vidro quebrada. Moradores da localidade ficaram apavorados. Ações desse tipo têm sido cada vez mais comum em municípios próximos da capital.

Há informações de que trabalhadores que passavam pelo local foram feitos de réfens pelos bandidos. A perícia do Instituto de Criminalística já está no local e recolheu várias cápsulas que foram encontradas pelo chão. As agências ficam na Avenida Getúlio Vargas, uma das ruas mais movimentadas do Cabo.

Delegacias distritais passarão a investigar crimes de homicídios

O novo chefe da Polícia Civil de Pernambuco, delegado Joselito Kehrle do Amaral, vai assinar, nos próximos dias, uma portaria que autoriza as equipes das delegacias distritais do estado a investigarem também, a partir de data da publicação da mesma, crimes de homicídios ocorridos nas suas respectivas áreas de circunscrição. Até então, os Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs) ocorridos no Grande Recife eram investigados apenas pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

Crimes de mortes do Grande Recife eram investigados pelo DHPP. Foto: Teresa Maia/DP

Mortes do Grande Recife eram investigadas pelo DHPP. Foto: Teresa Maia/DP

A ideia de criar a portaria foi do então chefe da PCPE, delegado Antônio Barros, que inclusive chegou a apresentar a sugestão em reuniões de monitoramento do programa Pacto pela Vida. A decisão é parte das iniciativas que estão sendo adotadas pelo governo para tentar reduzir a criminalidade em Pernambuco, que tem alcançado índices assustadores. Segundo dados da Secretaria de Defesa Social (SDS), em janeiro deste ano, 479 assassinatos foram registrados no estado. Os números de fevereiro ainda não foram divulgados pelo governo do estado. A previsão é de que o balanço da criminalidade seja revelado no próximo dia 15 deste mês.

De acordo com o novo sub-chefe da PCPE, delegado Charles Gultiergue, a medida será positiva para elucidação de crimes de homicídios no estado. “Depois da publicação da portaria, todas as delegacias irão trabalhar na investigação de assassinatos. Nos casos onde a Força-tarefa do DHPP estiver nos plantões e já colher informações sobre suspeitos do crime, as informações serão repassadas para as delegacias do distrito, que já darão início às investigações”, explicou Charles.