Moradores de Setúbal unidos para combater insegurança na localidade

Moradores da localidade de Setúbal, na Zona Sul do Recife, estão apostando na comunicação direta com a Polícia Militar para tentar reduzir a insegurança na área. Um grupo no aplicativo WhatsApp foi criado no início deste ano para que as informações sobre crimes ou atitudes suspeitas fossem compartilhadas em tempo real. A ferramenta tem agradado a quem vive no local e é vista com bons olhos pelos responsáveis por patrulhar a área.

Celso Calheiros fez mudanças em seu prédio para entrar no projeto. Foto: Marlon Diego/Esp. DP

Celso Calheiros fez mudanças em seu prédio para entrar no projeto. Fotos: Marlon Diego/Esp. DP

Vinte condomínios já estão inseridos no projeto. Alguns deles identificados com adesivos que informam “Área vigiada pela comunidade.” Após a troca de informações, residentes de Setúbal dizem que houve mudanças na rotina da comunidade. Uma reunião foi realizada ontem à noite entre comerciantes, moradores da área e o secretário de Segurança Urbana do Recife, Murilo Cavalcanti, com a finalidade de discutir outras medidas de segurança.

A advogada Paula Rubia Torres é uma das administradoras do grupo Setúbal Seguro. Ela conta que o meio de comunicação já possibilitou a captura de algumas imagens de situações de crimes que foram encaminhadas para a Polícia Militar. “O Setúbal Seguro nasceu a partir do Coletivo Setúbal (grupo que reúne moradores para realizar ações e debater temas) e tem dado bons resultados. Todos os prédios que estão no nosso grupo têm um celular com WhatsApp na portaria, através do qual os porteiros podem compartilhar o que estão vendo nas ruas dos edifícios em que trabalham. Depois disso, os administradores do grupo ressapam as informações para a polícia”, explicou Paula.

Rosana Melo diz que o projeto tem ajudado a mudar rotina da localidade

Rosana Melo diz que o projeto tem ajudado a mudar rotina da localidade

Moradora da Rua Izabel Magalhães, a corretora de imóveis Rosana Melo diz que o grupo tem ajudado muito na comunicação entre os residentes da localidade. “A violência está em todo lugar, e em Setúbal não é diferente. No entanto, com a criação desse grupo, nós passamos a vigiar a nossa região. O objetivo é tornar a moradia em Setúbal uma coisa gostosa. Queremos que o local seja atrativo e desejado também pela questão de segurança”, ponderou Rosana. Síndico do Edifício Montserrat, o jornalista Celso Calheiros promoveu mudanças no prédio para participar do projeto. “Estamos com um telefone com WhatsApp e vamos trocar as câmeras de monitoramento do prédio por equipamentos que possam captar boas imagens no período noturno”, contou.

O subcomandante do 19º Batalhão da Polícia Militar, major Paulo Matos, responsável pelo policiamento na Zona Sul do Recife, ressalta que a troca de informações com os moradores tem sido proveitosa. “Já existem alguns grupos como o Setúbal Seguro desde o início do ano passado. Após uma reunião com moradores da localidade, sugerimos a criação desse canal para que as informações chegassem de maneira mais rápida. Um dos grupos, por exemplo, foi dividido pelos próprios administradores em cinco quadrantes. Dessa forma, as informações são filtradas por eles e depois repassadas para nós. Isso nos ajuda bastante na identificação de suspeitos da prática de roubos em Setúbal”, destacou major Paulo.

Ainda segundo o oficial, o crime mais comum na localidade é o de assalto. “Em todo o ano de 2016, apenas um homicídio foi registrado em Setúbal e aconteceu durante uma reação a um assalto. Os roubos mais comuns naquela área são os de celulares, o que chamamos de catação”, explicou major Paulo. O 19º BPM também aplicou o projeto do comunicação via WhatsApp em Brasília Teimosa, na Rua Dhália, em Boa Viagem, e na rede hoteleira da Zona Sul.

Câmeras de segurança são novas armas dos moradores de Aldeia

Por Mariana Fabrício
Do Diario de Pernambuco

A insegurança dos moradores de Aldeia, em Camaragibe, vítimas de assaltos e até mortes, trouxe reflexos para Chã de Cruz, que fica a três quilômetros de Aldeia e de Paudalho. Para inibir os assaltos, os comerciantes se uniram para criar o próprio sistema de monitoramento com  câmeras espalhadas pelo centro. Ao todo são 11 equipamentos que filmam por 24  horas o movimento interno e externo dos estabelecimentos. Um investimento de R$ 15 mil dividido entre moradores para ajudar a inibir os crimes e  registrar possíveis roubos para ajudar nas investigações policiais.

Equipamentos foram instalados pela população. Fotos: Karina Morais/Esp.DP

Equipamentos foram instalados pela população. Fotos: Karina Morais/Esp.DP

O mercadinho de Joelma Sales, 32 anos, já sofreu dois assaltos em menos de  três meses e é um dos que estão sendo monitorados. “Por duas vezes, os carros de entrega foram roubados e eu fiquei sem a mercadoria para vender. É uma situação que não é vivida só por mim”, afirmou. Mesmo com o salão de beleza localizado ao lado de um posto policial, o  cabeleireiro Edson Souza, 43 anos, fez questão de investir mais em segurança e participar da cota. “Aqui estamos divididos entre os municípios de Camaragibe e Paudalho, o que nos atrapalha um pouco e atrasa reuniões com as autoridades competentes. Diante desses roubos que estão acontecendo por aqui a gente não pode ficar de braços cruzados e por isso tomei essa iniciativa e  mais gente está aderindo ao monitoramento”, contou.

Joelma já teve o mercadinho arrombado duas vezes

Mercadinho de Joelma Sales já foi assaltado duas vezes

O 20° Batalhão da Polícia Militar, responsável pela área, informou que não faz monitoramento das imagens de câmeras instaladas pela população. Mas que em caso de ocorrência ou flagrantes, as imagens podem ser informadas pelo 190, para subsidiar o trabalho da polícia investigativa. O comando do BPM disse ainda, através de nota, que está em “constante diálogo com a comunidade” através do Fórum de Segurança de Aldeia que faz reuniões semanais, às terças-feiras à noite, e ainda dispõe de um grupo nas redes sociais que conta com o apoio da gestão municipal.

De acordo com a Secretaria de Defesa Social, de janeiro até 28 de agosto 2016, as polícias Civil e Militar apreenderam 104 armas de fogo e realizaram 300 prisões, em toda a Área Integrada de Segurança (AIS 9), composta pelos municípios de Camaragibe e São Lourenço. Segundo o órgão, ocorreram 1.174 Crimes Violentos contra o Patrimônio (CVP) com três mortes. Em comparação ao ano passado, foram registrados 912 CVPs no mesmo período.

Leia mais sobre o assunto em:

Onda de crimes em Aldeia deixa moradores assustados

Primeiro Compaz do Recife será inaugurado neste sábado

Moradores do Alto Santa Terezinha e outras comunidades da Zona Norte do Recife serão beneficiados, a partir de amanhã, com a inauguração do Centro Comunitário da Paz (Compaz) Governador Eduardo Campos. A unidade é a primeira do Recife a funcionar e será entregue à população no dia do aniversário de 479 anos da capital pernambucana. O equipamento tem o objetivo de promover a cultura de paz e a segurança cidadã, oferecendo serviços de educação, cultura, esportes e cidadania. Aproximadamente 220 mil pessoas serão beneficiadas com a estrutura, que vai funcionar de maneira integrada com a Escola Municipal Alto Santa Terezinha, a Creche Zacarias do Rego Maciel e a Academia das Cidades.

Unidade vai beneficiar 220 mil moradores das proximidades. Foto: Malu Cavalcanti/Esp/DP

Unidade vai beneficiar 220 mil moradores das proximidades. Foto: Malu Cavalcanti/Esp/DP

Na manh’a desta sexta-feira, o prefeito Geraldo Julio realizou a última vistoria no Compaz. O gestor aproveitou a visita para apresentar o equipamento ao secretariado municipal. Quem também participou da vistoria é o vice-governador de Pernambuco Raul Henry, que é um dos idealizadores do modelo do Compaz. Na última vistoria feita no local, em fevereiro deste ano, o prefeito Geraldo Julio destacou que a unidade vai oferecer serviços de qualidade em um local que fica perto da casa das pessoas que vivem no Alto Santa Terezinha e nas proximidades. O gestor ressaltou ainda que outra função importante do Compaz é que as escolas próximas a ele poderão levar seus alunos para praticarem das atividades e utilizar a biblioteca e espaços para esportes.

O Compaz vai complementar atividades que já são desenvolvidas no bairro e oferecer outras que agreguem cidadania e acesso à informação. Além das oficinas de artes marciais, dança e música, o centro terá atividades esportivas, cursos de capacitação profissional, mediação de conflitos, acesso à Justiça, serviços de assistência social, agência de emprego, Procon e biblioteca. Essa última terá vasto acervo e sistema de carteirinha de identificação para locação de livros. Alunos da rede municipal farão cadastro para poder locar livros e terem acesso ao espaço, que contará também com sala de estudo e computadores com internet.

O centro atuará em parceria com empresas e instituições no atendimento e desenvolvimento cidadão dos moradores da região, diminuindo o custo para a administração municipal. Entre os parceiros do Compaz estão a Fundação Bernard Van Leer, Fundação Itaú, Grupo Parvi, Instituto Cervantes, British Council, Livraria Cultura, Secretaria de Educação de Pernambuco, SESC, Fundação Gilberto Freyre, Conservatório Pernambucano de Música, Universidade Católica de Pernambuco (Unicap) e diversas secretarias municipais.

Moradores do Espinheiro fazem protesto neste sábado

Cansados da violência, moradores do bairro do Espinheiro, Zona Norte do Recife, decidiram sair às ruas para chamar a atenção das autoridades de segurança pública do estado. Neste sábado, a partir das 8h, eles farão uma caminhada pelas principais vias do bairro para pedir por mais policiamento. A caminhada da paz terá concentração ao lado da Igreja Matriz do Espinheiro.

Carro da vítima foi abandonado no Espinheiro. Fotos: Guilherme Verissimo/Esp DP/DA Press

População ficou assustada após crime praticado no bairro, na semana passada, por volta das 12h. Fotos: Guilherme Verissimo/Esp DP/DA Press

Os moradores pretendem percorrer as ruas Padre Silvino Guedes, Manoel de Carvalho, Carneiro Vilela, Avenida Santos Dumont, ruas Teles Júnior e Gomes de Matos Júnior. O ato será encerrado com um minuto de silêncio para lembrar a morte do condutor de transporte escolar Jorge Rodrigues de Lima Maciel, morto com um tiro na cabeça na quarta-feira da semana passada.

A caminhada foi anunciada no fim semana durante a missa da Igreja do Espiheiro. Panfletos convocando a população para a manifestação também estão sendo distribuídos no bairro em pontos comerciais e escolas. Nas ruas, moradores se queixam de assaltos frequentes a qualquer hora do dia. À noite, ninguém se sente seguro. As pessoas estão evitando sair. “Há 15 dias uma senhora foi assaltada por dois homens armados em uma motocicleta enquanto abria a porta da sacristia da igreja”, contou a secretária da paróquia, Zenaide Moraes de Oliveira.

Os autores do homicídio contra Jorge Rodrigues ainda não foram presos. O delegado Bruno Magalhães, do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), informou que está avaliando as imagens captadas pelas câmeras de segurança dos condomínios próximos ao local, onde ocorreu o assassinato, e da Praça da rua 48, local onde os ladrões abandonaram o gol da vítima, logo após o crime. “São muitas imagens estamos fazendo o levantamento para tentar identificar os criminosos”, informou.

O policiamento na área é de responsabilidade do 13º batalhão. Segundo a assessoria de Comunicação Social, a PM faz rondas ostensivamente na região com emprego de viaturas e motos. Também há rondas de rotina com a Patrulha dos Bairros do Espinheiro e da Encruzilhada. Segundo o 13º BPM, não havia registro de homicídio na área nos últimos quatro meses.

Moradores farão protesto contra onda de assaltos na Lagoa do Araçá

Mora perto da Lagoa do Araçá, na Imbiribeira, tem sido sinônimo de medo. Foto: Jailson da Paz/DP.D.A Press

Morar perto da Lagoa do Araçá, na Imbiribeira, tem sido sinônimo de medo. Foto: Jailson da Paz/DP.D.A Press

Um protesto organizado por moradores das proximidades da Lagoa do Araçá, na Imbiribeira, vai ganhar as ruas do bairro nesta sexta-feira. Cansados da onda de assaltos na localidade e da ausência de policiamento, moradores estarão concentrados a partir das 18h na Praça de Eventos da Lagoa para chamar a atenção do poder público para a violência no local. Na manhã desta quinta-feira, pelo menos dois assaltos já foram praticados por suspeitos em motos nas proximidades da Lagoa do Araçá, um na Rua David Kauffman e outro na Engenheiro José Brandão Cavalcante.

Rotina de medo toma conta das proximidades da Lagoa. Foto: Pedro da Hora/Esp. DP/D. A Press

Moradores temem estar nas ruas.  Foto: Pedro da Hora/Esp. DP/D. A Press

Através das redes sociais, a população está convocando o maior número possível de pessoas para participarem do protesto. A saída está prevista para as 19h e o percurso será as ruas, Leôncio Soares Pessoa, Av. Engenheiro Alves de Souza, Arquiteto Luiz Nunes, Grasiela e José Brandão de Cavalcante. A caminhada deve terminar por volta das 21h em frente ao Núcleo de Seguraça Comunitária da Lagoa.

Cartaz está sendo divulgado nas redes sociais

Cartaz está sendo divulgado nas redes sociais

Organizadores do protesto pedem que as pessoas levem cartazes, apitos, panelas ou qualquer coisa que faça barulho para chamar a atenção das autoridades. Também está sendo pedido que quem foi assaltado leve o Boletim de Ocorrência para anexar ao ofício que será entregue à Prefeitura do Recife e à Polícia Militar. Segundo os moradores da área, os assaltos são, geralmente, praticados por suspeitos em motos e em cinquentinhas e acontecem a qualquer hora do dia.

Moradores de favelas do Rio disputam “olimpíadas” de rua

Da Agência Brasil

Nos próximos dois meses, mais de 5 mil atletas competirão em modalidades lúdicas e esportivas nos Jogos da Rua, um evento que, em sua primeira edição, reúne delegações de 32 complexos de favelas da região metropolitana do Rio. Com esportes como o futebol e o basquete e brincadeiras como amarelinha, pau na lata e peteca, a competição busca integrar as comunidades e aumentar a autoestima dos moradores.

“Eles não estão aqui defendendo uma competição, estão aqui defendendo a bandeira da favela deles. Já que eles moram lá, e já que a favela existe, precisamos valorizar esse território que sempre foi estigmatizado”, disse Celso Athayde, integrante do conselho da Central Única de Favelas (Cufa), que organiza os jogos. “As favelas são territórios que não podem conviver por barreiras historicamente construídas. Então, a gente cria formas de integração e alguns símbolos para que possamos ir eliminando essas barreiras. Os jogos são mais um salto neste pensamento”.

A escolha das 21 modalidades lúdicas procurou valorizar atividades que fazem parte do cotidiano e do lazer dos moradores das comunidades. Dentre os jogos que terão premiação com medalhas de ouro, prata e bronze estão dominó, sinuca, queimada, pião, pipa, sueca, totó, golzinho de rua, estilingue e futebol de botão. Até a batalha do passinho (uma competição de dança), nova moda nas comunidades, foi contemplada.

Comunidades do Rio participam dos jogos de rua
Nos próximos dois meses, mais de 5 mil jovens participarão dos Jogos da Rua, evento que reúne delegações de 32 complexos de favelas da região metropolitana do RioTânia Rêgo/Agência Brasil

“Não existe na favela espaço físico em que a gente possa praticar atividades de alta perfomance, de alto rendimento. A gente resolveu valorizar o que a favela já faz, fazendo com que eles produzam o evento também”, disse Celso, que acrescentou que os jogos levam aos moradores das comunidades o espírito dos grandes eventos esportivos, dos quais são excluídos. “Eles não participam nem como voluntários, porque têm que saber inglês, então, como participar desse processo de alguma maneira e ter algum sentimento de pertencimento?”

Na cerimônia de abertura, sob o Viaduto Negrão de Lima, espaço cultural de grande importância em Madureira, na zona norte do Rio, o atleta olímpico do taekwondo Diogo Silva acendeu a pira que representa o início dos jogos. Amanhã (3), a competição começa com a primeira fase das disputas de amarelinha, com dois representantes de cada favela por gênero. Os jogos ocorrerão apenas nos fins de semana e um quadro atualizado de medalhas vai ser mantido no site da Cufa.

Bloqueadores não impedem presos de usar telefones celulares

“Mais uma vez vou te pedir: manda meu dinheiro, beleza?”. A mensagem é curta e direta e foi enviada, via celular, por supostos traficantes que cumprem pena no Complexo Prisional do Curado ao pai de um preso dependente de crack. Além de revelar o drama de um homem que é obrigado a custear o consumo de drogas do filho dentro de uma unidade penal do estado, a denúncia, feita nessa segunda-feira em audiência pública na Assembleia Legislativa pelo pai do detento, também revela que os celulares continuam funcionando dentro do complexo penitenciário mesmo após a instalação de bloqueadores.

Unidade prisional implantou bloqueadores há cerca de um mês, mas sistema passa por ajustes (PAULO PAIVA/DP/D.A PRESS)

Há cerca de um mês, a Secretaria de Ressocialização (Seres) anunciou que a iniciativa seria o fim da comunicação entre os presos e o mundo exterior, o que inibiria a prática de alguns crimes. Na vizinhança do complexo, no entanto, o sistema funciona “muito bem” e há moradores que estão incomunicáveis.

“Se quiser falar com um preso agorinha, tem celular pra falar com ele. O Frei Damião de Bozano (uma das unidades do complexo) é como uma cracolândia. No último domingo, saí devendo R$ 370 aos traficantes. Eles pegam meu número de telefone e tenho que depositar o dinhero. Ou deposito ou meu filho apanha. Eles dizem: ‘Se não pagar, o senhor visita seu filho no hospital porque a gente vai botar pra quebrar’”.

Danielle e Zuleide não conseguem completar ligações

Problema já foi denunciado pelo blog no início de fevereiro. Moradores da área estão incomunicáveis. Foto: Alcione Ferreira/DP/D.A Press

O secretário de Ressocialização, Romero Ribeiro, disse que os bloqueadores estão em testes e, por isso, sujeitos a falhas. “Eles funcionam, mas têm ajustes em áreas de sombra. Só teremos resposta da empresa no dia 15 de abril”. O secretário disse que vai instaurar sindicância para apurar a denúncia a partir de hoje.

Artifício

Para Eduardo Tude, presidente da empresa Teleco, de inteligência em telecomunicações, há duas possíveis explicações: 1) O bloqueador estaria impedindo a comunicação em uma frequência e os presos estariam usando outras; 2) Os presos estariam usando rádios para falar com uma central que faz o serviço de comunicação por celular. Em meio ao impasse, os vizinhos do complexo são prejudicados.

Para a dona de casa Maria de Lourdes de Oliveira, 55 anos, usar celular, internet e TV por assinatura viraram desafio. “Na semana passada, minha mãe passou mal e precisou ser socorrida. Ela me disse que ligou várias vezes e meu celular dava fora de área. Quem socorreu foram os vizinhos”. Já a comerciante Vanessa Nascimento teve o faturamento comprometido porque a maquineta da loja não funcionava. “Também não consigo falar ao celular”, reclama.

Do Diario de Pernambuco

Ipojuca fará conferência de Segurança

Acontece nos próximos dias 12 e 13, no Hotel Armação, em Porto da Galinhas, a II Conferência Municipal de Segurança, Proteção e Defesa Civil, que terá como tema A defesa do Ipojuca somos todos nós.

A Conferência terá a finalidade de criar e fortalecer debates entre autoridades e população sobre a segurança do Ipojuca. Durante a programação, será eleita a composição do Conselho Municipal de Segurança Pública do Ipojuca e abordada a necessidade de criação de um plano municipal de segurança e políticas públicas.

O assunto será discutido em palestras sob a orientação de autoridades jurídicas, científicas e especialistas de Pernambuco e outros estados. Nos meses de janeiro e fevereiro, pré-conferências foram realizadas no Ipojuca e nos seus distritos, onde oficinas temáticas sobre Defesa Civil e Social atuaram como um fórum para construir e nortear as autoridades sobre ações de prevenção e segurança, promovendo assim melhorias para o povo.

As inscrições para a Conferência estarão abertas nos dias do evento. Mas, os interessados em participar também podem acessar http://conferenciaprotegeipojuca.webnode.come realizar o cadastro antecipadamente.

Com informações da assessoria de comunicação

A conferência e a ideia de criar um Conselho Municipal de Segurança para a cidade de Ipojuca chegam em boa hora. Isso porque recentemente os moradores do município procuraram o Ministério Público de Pernambuco para reclamar do aumento da violência e até de toque de recolher em algumas localidades.

Leia mais sobre o assunto em:

Moradores de Ipojuca pedem ajuda devido a toque de recolher

Morte de criança de 6 anos gera protesto na BR-232

A morte do menino Miguel Almeida de Lima Freitas, de apenas 6 anos, que foi usado como proteção durante um tiroteio, deixou os moradores do bairro do Totó revoltados. Nessa terça-feira, depois do sepultamento do corpo da criança, parentes e vizinhos do garoto saíram em passeata do Cemitério Parque das Flores e bloquearam a BR-232, nos dois sentidos, em forma de protesto.

População foi para a BR-232 com cartazes. Foto: Bernardo Dantas/DP/D.A Press

População foi para a BR-232 com cartazes. Foto: Bernardo Dantas/DP/D.A Press

Com pedidos de Justiça, os manifestantes interromperam o trânsito queimando objetos e se deitando no chão. A via só foi liberada por volta das 17h. A Polícia Rodoviária Federal (PRF) esteve no local para negociar com o grupo. Devido ao protesto, houve congestionamento nos dois sentidos da rodovia. Atitudes como essa costumam acontecer sempre depois de tragédias como a que vitimou o pequeno Miguel. O povo vai para rua cobrar por uma segurança a qual já deveriam estar recebendo.

Protesto fechou a BR-232 na tarde desta quinta. Foto: Raphael Guerra/DP/D.A Press

Protesto fechou a BR-232 na tarde desta segunda. Foto: Raphael Guerra/DP/D.A Press

O tiro que atingiu Miguel partiu de uma dupla de motoqueiros que tentava matar um rapaz de 19 anos. De acordo com a polícia, os dois suspeitos já foram identificados, mas ainda não foram localizados pelos investigadores. O crime teria sido motivado por uma briga em um pagode na sexta-feira passada.

Leia mais sobre o assunto em:

Garoto de seis anos morreu após ser baleado por criminosos

População de Cupira e Solidão pede mais atenção para segurança

Nesta semana estive viajando por vários municípios do interior de Pernambuco produzindo uma matéria para o Diario de Pernambuco. Passei por cidades do Sertão, do Agreste e das matas Norte e Sul do estado. Nas conversas com os moradores, muitos deles relataram a falta de policiamento e os constantes assaltos que estão acontecendo nas regiões.

No município de Solidão, por exemplo, segundo os moradores, falta efetivo policial. Em Cupira, também no Agreste, muita violência e a falta de policiais amedrontam famílias e comerciantes, que dizem já não ter mais para quem apelar. A população relata que as delegacias ficam fechadas à noite e nos finais de semana.

“No sertão e em várias regiões do estado, a situação não é diferente. Enfim, peço que as autoridades saibam que não é só a capital que precisa de segurança pública, o interior também clama por ela urgentemente”, disse uma moradora de Cupira, que preferiu o anonimato. Fica, então, o alerta para a Secretaria de Defesa Social (SDS), para verificar os problemas relatados pela população nas referidas cidades.