A luta para bloquear telefone celular nos presídios

Por Vandeck Santiago, texto publicado no Em foco do Diario de Pernambuco

Se o que está acontecendo no Rio Grande do Norte estivesse acontecendo em São Paulo, Rio ou Brasília não tenho dúvidas que o problema estaria sendo tratado com mais prioridade e empenho. Não há nesta afirmação nenhum bairrismo às avessas ou coisa parecida, mas tão somente uma constatação da gravidade da situação que ora aflige o nosso vizinho. Faz três semanas que o crime organizado pratica uma série de ataques na capital e em municípios do interior de lá. Ontem, em seguida a uma madrugada de novos atos criminosos, o governador Robinson Faria (PSD) solicitou ao presidente interino Michel Temer que o efetivo das Forças Armadas enviado para reforçar o combate ao crime permaneça no estado por mais 30 dias, e que um contingente extra seja enviado para Mossoró, segunda maior cidade, depois da capital, Natal.

Prisões brasileiras abrigam mais de 600 mil pessoas, 61% acima de sua capacidade Wilson Dias/Agência Brasil

Prisões brasileiras abrigam mais de 600 mil pessoas. Wilson Dias/Agência Brasil

São 1.200 homens das Forças Armadas: mil do Exército e 200 da Marinha. A chegada deles, há uma semana, conseguiu conter a escalada ininterrupta de ataques. O temor do governador é que se a tropa deixar hoje o estado, que é o prazo previsto para a retirada, os atos criminosos recrudesçam. O último balanço informa que até sexta-feira já ocorreram 114 ataques em 40 cidades, o que equivale a cerca de 25% do total dos 167 municípios do estado. Numa comparação aproximada, é como se em São Paulo 170 municípios estivessem sendo alvos de ataques. São principalmente incêndios de ônibus e viaturas, tentativas de incêndio e disparos contra prédios públicos. Uma reação violenta e inaceitável do crime contra o poder do Estado.

Motivada pelo quê? Pela decisão do governo estadual em 28 de julho de bloquear sinal de celular no presídio de Parnamirim. Todo mundo neste país sabe que de dentro das unidades prisionais detentos que comandam o crime organizado dão orientações para seus seguidores que estão fora. O ministro da Defesa, Raul Jungmann, até cunhou uma pertinente frase para definir a situação. Os presídios e penitenciárias são “escritórios executivos do crime organizado”, disse ele no Recife, ao participar de debate na Rádio Jornal. O ministro defende o bloqueio do sinal, mas lança a advertência de que os estados devem ter “a capacidade” de enfrentar “a queda de braço” que se seguirá à decisão – ou seja, a reação violenta do crime organizado.

Para o brasileiro que observa a situação de fora, como mero cidadão preocupado com a segurança na cidade em que vive, é assustador ver o poder de fogo desses grupos: uma medida destinada a cortar a comunicação entre comando e comandados do crime pode desencadear ondas de violência que os estados, por si sós, talvez não estejam prontos para enfrentar.

O caso também tem dificuldades na esfera judicial. No último dia 3 o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu por 8 votos a 3 que leis estaduais não podem obrigar as operadoras de celular a bloquear o sinal de celulares em presídios e penitenciárias. As ações contestando a proibição foram da Associação Nacional das Operadoras Celulares (Acel). “Celulares entram nos presídios por omissão do Estado, e este quer repassar os custos para as empresas”, disse o ministro Luiz Fux, um dos que votaram pela inconstitucionalidade das leis estaduais de bloqueio. Os ministros do Supremo, em sua maioria, entenderam que apenas a União pode legislar sobre o tema.

Em quatro estados hoje existem leis estaduais que obrigam as operadoras a instalar os bloqueadores: Bahia, Mato Grosso do Sul, Paraná e Santa Catarina. Uma lei semelhante acabou de ser aprovada no Piauí, mas a determinação do Supremo veio antes que ela entrasse em vigor. No Rio Grande do Norte não houve lei estadual. O ministro Raul Jungmann aventa uma solução para o impasse: que a União edite uma lei liberando a instalação de bloqueadores de sinal em todos os estados. Existem hoje 1.424 unidades prisionais em todo o Brasil.

O tema do crime organizado tem margeado o debate político no país. O que está acontecendo no Rio Grande do Norte mostra que o problema é um dos principais desafios não só dos estados, mas também do Estado.

Polícia Militar recebe novas viaturas

Cem novas viaturas foram entregues ontem para a Polícia Militar com objetivo de reforçar as operações da corporação. Segundo o estado, 55 veículos vão substituir unidades táticas que já completaram dois anos de uso e 45 serão incorporadas ao Programa Patrulha do Bairro. Os carros, que são todos de modelo Chevrolet Spin 1.8, vão ser utilizados no combate à violência em 30 bairros do Recife e também de Olinda, Cabo de Santo Agostinho e Paulista.

Veículos novos serão reforço na segurança. Foto: Julio Jacobina/DP

Veículos novos serão reforço na segurança. Foto: Julio Jacobina/DP

Em ato realizado ontem no Palácio do Campos das Princesas, o governador Paulo Câmara destacou a importância da frota para a segurança pública. “Essa entrega de carros vai proporcionar mais agilidade ao trabalho da Polícia Militar. Eu quero enfatizar o meu compromisso, até o final do ano, de melhorar as condições de trabalho desses agentes e, em 2017, aumentar o efetivo da corporação, a partir do concurso que está em andamento. E, desta forma, a gente dar respostas mais rápidas às ocorrências policiais, correspondendo aos anseios da população”, pontuou Paulo Câmara.

O governador acrescentou que viaturas também serão substituídas nos batalhões no interior do estado. “A RMR vai ser inicialmente contemplada pelo contingente da população. Essa é a necessidade imediata. Mas a estratégia do governo prevê a renovação dos veículos do Interior.”

Até novembro, o estado vai entregar mais 856 novas viaturas, de forma gradual, de acordo com contrato de locação dos veículos que prevê troca a cada dois anos. No total, serão mil novas unidades. O investimento estimado neste ano é de R$ 64,7 milhões. Antes da implantação dosistema de locação, a instituição mantinha carros próprios, que chegavam a ter 10 anos de uso.

Em junho, o governo entregou 44 viaturas – 29 Patrulhas do Bairro e 15 em substituição às unidades táticas. As novas unidades são equipadas com rádios digitais e GPS, estabelecendo uma ponte entre o batalhão de origem do soldado que está na rua e o Centro Integrado de Operações da Defesa Social (Ciods).

O secretário de Defesa Social, Alessandro Carvalho, destacou outros investimentos. “Além dos concursos, até o fim do ano vamos adquirir três mil baterias para os rádios, munições não letais e novos armamentos”, listou.

Revista obrigatória em eventos fechados com mais de mil pessoas

Da Agência Câmara

A Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado da Câmara dos Deputados aprovou proposta que torna obrigatória a revista aos participantes de eventos fechados em que sejam esperadas mais de mil pessoas. É o que prevê o Projeto de Lei 4627/16, do deputado Rômulo Gouveia (PSD-PB). A intenção é barrar o acesso de pessoas com armas de fogo, objetos ou substâncias ilícitas que coloquem em risco a segurança do evento.

Foto: Wagner Oliveira/DP

Objetivo é garantir segurança dos participantes. Foto: Wagner Oliveira/DP

Os promotores do evento serão os responsáveis pela revista, que pode ser feita por meio de pórticos, aparelhos eletrônicos ou revista manual. A revista manual deverá ser feita por pessoa do mesmo sexo da revistada e não pode empregar tratamento desumano ou degradante, preservando-se a honra, a dignidade e a integridade da pessoa revistada.

Pela proposta, a empresa que descumprir a exigência de controle na entrada poderá ser multada em valores que variam entre R$ 100 mil e R$ 300 mil. Também é prevista a mesma multa se forem realizadas revistas degradantes.

O relator, deputado João Rodrigues (PSD-SC), destacou que a legislação atual não trata especificamente da revista em grandes eventos. “A proposição configura mais uma ferramenta à disposição da sociedade para que a segurança dos eventos seja provida de forma preventiva, para proteção de todos os envolvidos”, defendeu. A proposta tramita em caráter conclusivo e ainda será analisada pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.

 

PMs envolvidos na perseguição que causou morte de garoto são afastados

A Polícia Militar de Pernambuco afastou das atividades operacionais os dois policiais militares da Companhia Independente de Policiamento com Motos (CIPMoto) envolvidos na perseguição a suspeitos de assaltos que resultou na morte de um adolescente de 14 anos, no bairro do Vasco da Gama, Zona Norte do Recife.

Parentes da vítima estão revoltados. Foto: TV Clube/Reprodução

Parentes da vítima estão revoltados. Foto: TV Clube/Reprodução

Os militares não tiveram os nomes revelados, mas segundo a assessoria de comunicação da corporação, ambos estão realizando funções administrativas e sendo assistidos psicologicamente pelo Centro de Assistência Social da Polícia Militar. O corpo do estudante Mateus Alexandre Teixeira será enterrado no Cemitério de Casa Amarela, na tarde desta terça-feira.

Ele morreu na última segunda-feira, no Hospital da Restauração, após ter sido baleado durante uma perseguição policial na noite do último sábado. O adolescente foi atingido por um tiro na nuca. A família de Mateus afirma que o disparo partiu da arma de um policial militar. O caso está sendo investigado pelo delegado Cláudio Castro do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

DHPP investiga morte de menino atingido por uma bala perdida

O Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) está investigando o assassinato do estudante Mateus Alexandre Teixeira da Silva, 14 anos. Ele morreu na manhã de ontem, após ter sido baleado durante uma perseguição policial na noite do último sábado. O adolescente foi atingido por um tiro na nuca quando estava na Rua Compositor José Dantas, no Vasco da Gama, Zona Norte do Recife.

A família de Mateus e moradores da localidade afirmam que o disparo partiu da arma de um policial militar. Policiais da Companhia Independente de Policiamento com Motos perseguiam três homens suspeitos de assaltos no momento em que o garoto foi baleado. O caso está sendo acompanhado pela Corregedoria Geral da Secretaria de Defesa Social.

Garoto foi baleado quando voltava para casa. Fotos: TV Clube/Reprodução

Garoto foi baleado quando voltava para casa. Fotos: TV Clube/Reprodução

Revoltado com a morte do filho, o pedreiro Antônio Carlos Tavares, 37, espera que os responsáveis pelo crime sejam punidos. “Quando eu já estava na porta da Corregedoria, soube que meu filho tinha ido a óbito. Voltei para resolver as coisas, mas vou finalizar a denúncia. Eles têm que pagar. Quero que os policiais sejam presos. Eles não poderiam ter feito isso com o meu filho. Ele era um estudante cheio de sonhos e queria ser economista. Agora teve os sonhos interrompidos por esses policiais que não são bem treinados. Vamos processar o estado. Esses policiais são matadores”, desabafou o pai de Mateus. O corpo do adolescente permanece no Instituto de Medicina Legal (IML), no bairro de Santo Amaro. O sepultamento está previsto para a tarde de hoje, no Cemitério de Casa Amarela.

Antônio Carlos quer que os culpados pela morte do filho sejam punidos

Antônio Carlos quer que os culpados pela morte do filho sejam punidos

A assessoria de comunicação da Polícia Militar de Pernambuco, por meio de nota, informou que os PMs da CIPMoto “participaram de diligências policiais que resultaram na troca de tiros entre eles e, pelo menos, três assaltantes, que desceram de um veículo atirando contra os policiais, que revidaram.” Ainda de acordo com a assessoria da PM, dois suspeitos foram presos, uma arma apreendida e um terceiro homem conseguiu fugir. “Os policiais chegaram a dizer que o menino estava no meio dos assaltantes, mas isso não é verdade. Mateus estava voltando da lan house quando foi atingido por um tiro na cabeça”, disse uma moradora da localidade que preferiu não se identificar.

Ainda segundo a PM, “no boletim de ocorrência, os policiais da CIPMoto relataram que os homens estavam em um veículo Siena e faziam direção perigosa, quando desembarcaram atirando, sendo um deles presos imediatamente. Em seguida, um segundo suspeito foi preso pelos PMs após travar lutar corporal com um dos policiais, que saiu com ferimentos durante a ação.” A PM esclareceu ainda que “ao tomarem conhecimento de que um adolescente de 14 anos teria sido ferido por disparos de arma de fogo, os PMs ficaram à disposição do Departamento de Homicídios e Proteçao à Pessoas (DHPP). O comando da CIPMoto abriu uma sindicância para apurar o caso.”

Na última sexta-feira, no bairro do Totó, um menino de 11 anos também foi baleado durante uma ação da Polícia Militar. De acordo com a corporação, os próprios PMs levaram o garoto para o Hospital Otávio de Freitas (HOF). Kauã Vinicius da Silva foi atingido enquanto empinava pipa com outras crianças. Ele continua internado na unidade de saúde. Segundo os moradores da comunidade, o incidente ocorreu quando uma viatura chegou ao local, onde geralmente costumam ocorrer ações truculentas. Cerca de três horas depois, a comunidade fez um protesto na localidade.

Caixas eletrônicos são os alvos da vez em Pernambuco

Não tem dia, nem hora, nem lugar. As investidas criminosas contra as agências bancárias e terminais de caixas eletrônicos estão assustando a população dos municípios do interior do estado e também da Região Metropolitana do Recife. A violência das ações, cada vez mais ousadas, também tem deixado as forças policiais de mãos atadas para resolver o problema. Quase todos os dias, o noticiário pernambucano relata casos de explosões a terminais bancários.

Na semana passada, um grupo formado por cinco homens invadiu, após disparar vários tiros e quebrar as portas de vidro, o prédio da Procuradoria Regional da Fazenda Nacional da 5ª Região, na Avenida Agamenon Magalhães, no Espinheiro. Eles explodiram um caixa eletrônico do Banco do Brasil e levaram todo o dinheiro que havia no equipamento.

Caixa eletrônico ficou completamente destruído. Foto: Wagner Oliveira/DP

Caixa eletrônico do Banco do Brasil ficou completamente destruído. Foto: Wagner Oliveira/DP

Uma Força-tarefa para investigar esses crimes foi criada pelas polícias Federal e Civil. No entanto, as ações ainda não são suficientes para frear as ocorrências. De janeiro a junho deste ano, 55 pessoas foram presas pela Delegacia de Repressão ao Roubo e outras 33 capturadas pela Polícia Federal apenas por envolvimento em crimes relacionados a roubos de bancos ou explosões e arrombamentos a caixas eletrônicos em todo estado.

Dados da Secretaria de Defesa Social (SDS), indicam que nos primeiros seis meses deste ano Pernambuco registrou 28 casos de roubo ou furto a caixa eletrônico. No mesmo período do ano passado, foram computadas 30 ocorrências no estado.
Na década de 2000, uma onda de assaltos e explosões a carros-forte assolou Pernambuco. Além das investidas praticadas no Grande Recife, quando os carros estavam estacionados perto de bancos ou grandes redes de supermercados, dezenas de abordagens foram registradas na BR-232, que liga a capital ao Agreste e Sertão do estado.

Em alguns casos, os assaltos eram praticados no horário da noite. Atualmente, esse tipo de ocorrência quase não faz parte das estatísticas da SDS. É como se os criminosos tivessem encontrado um jeito mais fácil e menos perigoso de botar a mão em grandes quantias de dinheiro. Nos carros-forte existem seguranças armados. Nos caixas eletrônicos, às vezes, há apenas um ou dois vigilantes.

Quem mora perto dos bancos ou caixas eletrônicos que são alvos dos criminosos vive momento de pânico dentro de casa enquanto as ações estão sendo praticadas. Além dos muitos tiros disparados pelos assaltantes, inclusive com armas de grosso calibre e muito mais potentes que as usadas pelos policiais, os suspeitos ainda deixam encurralados os policiais militares que estão de plantão nos destacamentos. Em muitos crimes, viaturas foram baleadas e tiveram vidros quebrados e pneus furados pelos integrantes dessas quadrilhas. Além disso, em algumas ações, os bandidos espalham grampos no asfalto ao longo do caminho para que os policiais não consigam iniciar uma perseguição.

As ações criminosas costumam dar certo para os assaltantes, no entanto, no dia 10 de julho, quatro deles acabaram mortos após uma tentativa de arrombamento à agência do Banco do Brasil, no município de Buenos Aires, Zona da Mata Norte. O banco chegou a ser invadido por 10 homens que, utilizando maçaricos, começaram a arrombar os caixas eletrônicos quando foram surpreendidos por policiais militares. Houve troca de tiros e três suspeitos morreram no local. O quarto envolvido morreu no Hospital da Restauração. Nenhuma quantia em dinheiro foi levada da agência. Um fato que tem chamado a atenção da polícia são as datas escolhidas pelos criminosos. Geralmente escolhem os primeiros dias do mês, pois sabem que os terminais estarão abastecidos para a realização de pagamentos de salários e aposentadorias.

Os investigadores acreditam que o grupo que vem aterrorizando o interior do estado também possa estar agindo nas cidades do Grande Recife. Há uma suspeita de que sejam de estados vizinhos a Pernambuco e de que utilizem as rodovias federais para fugirem com facilidade. Segundo o assessor de comunicação da Polícia Federal, Giovani Santoro, os assaltantes que cometeram o crime no prédio da Procuradoria Regional da Fazenda usaram os mesmos procedimentos que são feitos no interior do estado. “Eles estavam com armamentos pesados, usaram a mesma logística das investidas do interior, agiram durante a madrugada e estavam em grande número de pessoas. Além disso, usaram artefatos explosivos para destruir o terminal eletrônico”, ressaltou Santoro.

Os dados da SDS revelam ainda que de janeiro a junho deste ano ocorreram dez roubos a bancos contra 18 no mesmo período do ano passado. No entanto, o número de furtos teve um aumento. Em 2015, apenas quatro agências sofreram furtos nos seis primeiros meses do ano. Já no mesmo período deste ano foram computadas 14 ações. Enquanto as autoridades de segurança pública não conseguem encontrar um jeito de barras essas investidas criminosas, as agências bancárias e os caixas eletrônicos seguem como alvos fáceis das quadrilhas de assaltantes.

Maria da Penha faz dez anos e mulheres seguem sofrendo agressões

Do início de 2006 até o final do mês de julho deste ano, 2.834 mulheres foram assassinadas em Pernambuco. Somente nos sete primeiros meses de 2016, 158 vítimas do sexo feminino foram mortas no estado. Segundo a secretária de Mulher de Pernambuco, Silvia Cordeiro, 60% dos assassinatos de mulheres estão ligados aos crimes afetivo-sexual, aqueles que envolvem violência doméstica.

Silvia Cordeiro diz que mulheres estão denunciando mais. Foto: Marcos Pastich/PCR

Silvia Cordeiro diz que mulheres estão denunciando mais. Foto: Marcos Pastich/PCR

Apesar das estatísticas ainda serem alarmantes, as mulheres estão denunciando mais os agressores, também segundo a secretária. Um dos fatores que contribuiu para essa mudança foi a criação da Lei Maria da Penha (Lei nº 11.340/2006), que completa dez anos de vigência neste domingo. “A Lei Maria da Penha é reconhecida como um divisor de águas no combate à violência contra a mulher. Celebrar esses dez anos é muito importante”, destacou Silvia Cordeiro.

Criada no dia 7 de agosto de 2006, a Lei Maria da Penha criou mecanismos para coibir e prevenir a violência doméstica e familiar contra a mulher. A Lei dispõe sobre a criação de unidades judiciárias de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher e estabelece medidas de assistência e proteção às mulheres em situação de violência doméstica e familiar. “Além de ser relevante por trazer o nome de uma mulher que vivenciou uma violência e foi até os tribunais internacionais, a lei trouxe para a sociedade a evidência desse tipo de violência. As mulheres são violentadas pela condição de serem mulheres, independentemente de idade, cor e classe social”, apontou a secretária da Mulher do estado.

Silvia Cordeiro ressalta ainda que houve muitos avanços nesses dez anos de existência da lei. “Antes da criação da lei, os agressores não eram presos em flagrante nem existiam medidas protetivas de urgência. Assim, mulheres que prestavam queixa não tinham outra opção senão voltar para casa. Também não havia determinação judicial que afastasse o agressor, daí o índice de reincidência era elevado. As mulheres continuam sofrendo violência nos ambientes privados, mas também estão tendo mais acesso às escolas e às informações”, comentou a secretária.

A gestora destaca ainda que o aumento no número de denúncias revela que as mulheres estão mais confiantes e seguras, mas também indica que os homens, mesmo com as punições previstas em lei, continuam praticando a violência. “Pernambuco é um estado muito machista e mais da metade das mortes de mulheres acontecem devido a esse machismo. No entanto, muitas vítimas que perderam suas vidas não procuraram ajuda”, destacou.

Dona de casa procurou a delegacia para denunciar. Foto: Wagner Oliveira/DP

Dona de casa procurou a delegacia para denunciar. Foto: Wagner Oliveira/DP

Por temer as ameaças do ex-companheiro, com quem viveu por 12 anos, a dona de casa M.A.L, 48 anos, esteve ontem na Delegacia da Mulher, no bairro de Santo Amaro. Acompanhada da filha de apenas oito anos contou o sofrimento que passou enquanto vivia com o micro-empresário, pai da sua única filha. “Ele sempre foi muito violento. Eu sofria agressões de todo tipo. Estamos separados há oito anos e as ameaças agora acontecem porque telefono para cobrar quando ele atrasa o pagamento da pensão alimentícia da filha, que foi decidida pela Justiça”, revelou a dona de casa.

Ainda segundo M.A.L, as ameaças agora são direcionadas a ela e também à criança. “Vim procurar a polícia e também vou à Justiça. Ele tem condições de pagar a pensão, mas desde fevereiro deste ano que fica arrumando desculpas para não depositar o dinheiro. Eu não aguento mais essa situação”, desabafou a dona de casa.

Dentre os mecanismos em prática para evitar a violência, a Secretaria da Mulher, em parceira com outros órgãos, criou a Câmara Técnica de Enfrentamento da Violência contra a Mulher do Pacto pela Vida, que se reúne semanalmente com representantes de vários órgãos para acompanhar os casos, traçar estratégias e criar políticas públicas para enfrentar a violência contra as mulheres. Ainda segundo a secretaria, nos seis primeiros meses deste ano um total de 12.834 boletins de ocorrências foram registrados nas delegacias comuns e especializadas onde a vítima era mulher.

Delegado Cláudio Castro assume Delegacia de Desaparecidos do DHPP

O delegado Cláudio Castro, que atuou durante 10 anos no Grupo de Operações Especiais (GOE) da Polícia Civil, dos quais oito como delegado titular, está lotado agora na Delegacia de Desaparecidos e Proteção à Pessoa (DDPP) do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). Castro assumiu o lugar que já ocupado pela delegada Gleide Ângelo, que atualmente está na 9ª Delegacia de Homicídios de Olinda.

Cláudio Castro comandou as duas prisões. Foto: Bernardo Dantas/DP/D.A/Press

Cláudio Castro foi titular do GOE. Foto: Bernardo Dantas/DP/D.A/Press

Castro tem vasta experiência em resolução de crimes de extorsão mediante sequestro e é conhecido pelo perfil operacional e por chefiar grandes operações na Polícia Civil. Em seu lugar no GOE assumiu o delegado Guilherme Caraciolo, que já havia passado pela especializada como delegado adjunto de Castro em 2008 e depois foi deslocado para outras delegacias. Caraciolo atuou um tempo da Delegacia de Homícidios de Jaboatão dos Guararapes, onde investigou a morte do médico Artur Eugênio.

Violência e ousadia em roubo a caixa eletrônico na Agamenon Magalhães

A violência utilizada nas investidas criminosas contra agências bancárias e terminais de caixas eletrônicos no interior do estado chegou ao Grande Recife. Cinco homens fortemente armados e que estavam em um Honda Civic preto chegaram atirando, por volta das 4h30 de ontem, no prédio onde funciona a Procuradoria Regional da Fazenda Nacional da 5ª Região, na Avenida Agamenon Magalhães, no bairro do Espinheiro.

Cenário de destruição no prédio da União. Fotos: Wagner Oliveira/DP

Cenário de destruição no prédio da União. Fotos: Wagner Oliveira/DP

Depois de intimidarem com tiros os vigilantes que estavam na guarita do local,  realizarem disparos para o alto e trocarem tiros com policiais militares por mais de cinco minutos, os suspeitos destruíram as portas de vidro do prédio do governo federal e conseguiram explodir o caixa eletrônico do Banco do Brasil. O teto de gesso caiu. Não houve feridos, mas todo o dinheiro que estava no terminal foi levado pelo grupo. O carro utilizado pelos assaltantes foi localizado pouco tempo depois, na Rua do Cupim, no bairro das Graças. Até o momento, ninguém foi preso.

O cenário de guerra chamou a atenção de quem mora nas proximidades e de policiais que passavam pelo local. Ao perceberem a intensa troca de tiros e o barulho da explosão, os motoristas que trafegavam pela Agamenon Magalhães tentaram voltar de ré para não serem atingidos. Um motoqueiro subiu o viaduto da João de Barros na contramão com medo dos disparos e bateu em outra moto. Uma das motocicletas caiu do viaduto e os dois motoqueiros, que não chegaram a cair do elevado, ficaram feridos. Cláudio Araújo Noronha Júnior e Douglas Henrique da Silva foram socorridos pelo Corpo de Bombeiros e levados para o Hospital da Restauração (HR), no Derby.

Caixa eletrônico ficou completamente destruído

Caixa eletrônico do Banco do Brasil ficou completamente destruído

Pela manhã, os funcionários que chegavam para iniciar o dia de trabalho no prédio da Procuradoria Regional da Fazenda foram impedidos de entrar. O atendimento ao público e todas as atividades foram suspensas durante todo o dia de ontem e devem voltar ao normal hoje. O biólogo Felipe Marinho, 30 anos, mora perto do prédio e ouviu o barulho de dentro de casa. “No mesmo momento em que estavam dando os tiros também houve a explosão. Eu até falei que parecia um barulho de granada. Parecia uma guerra. Eles estavam bem armados. E tudo aconteceu num horário de muito movimento na avenida”, ressaltou Felipe.

O trânsito na via local em frente ao prédio foi interditado pela Companhia de Trânsito e Transporte Urbano (CTTU) e só foi liberado por volta das 11h. Dezenas de curiosos pararam em frente ao prédio para tirar fotos do estrago causado pelos assaltantes. Peritos do Instituto de Criminalística (IC) foram ao local para iniciar a perícia, mas como se trata de um prédio federal, peritos da Polícia Federal também foram acionados e finalizaram o trabalho pericial. “Os PMs entregaram pra gente um saco cheio de cápsulas e nós achamos ainda mais de dez cápsulas e algumas cédulas destruídas. Ainda não sabemos qual foi o tipo de explosivo utilizado para detonar o caixa eletrônico”, disse o perito da PF Márcio Casé.

A procuradora regional Raquel Peruch Borges, ressaltou que o atendimento ao público precisou ser interrompido e os cerca de 200 funcionários foram dispensados do trabalho ontem. Equipes da Coordenadoria de Defesa Civil do Recife (Codecir) estiveram no local para avaliar a condição do prédio depois da explosão. “Amanhã (hoje) se o prédio for liberado estaremos voltando ao trabalho normalmente. Pedimos ao Tribunal Regional Federal a suspensão dos prazos judiciais de hoje (ontem) e amanhã (hoje) e suspendemos o atendimento ao público aqui no prédio”, informou a procuradora.

Policiais civis fazem assembleia e passeata nesta terça-feira

O Sindicato dos Policiais Civis de Pernambuco (Sinpol) realiza na manhã desta terça-feira uma assembleia em frente à sede do Sinpol, no bairro de Santo Amaro, com previsão também de uma passeata até o Palácio do Campo das Princesas. Na assembleia será decidido se a paralisação da categoria será de 24, 48 ou 72 horas. Segundo o Sinpol, a medida será votada por conta do tratamento que o governo de Pernambuco tem dado à categoria e à segurança pública do estado.

Policiais saíram do Sinpol  até o Palácio do Campos das Princesas

Policiais civis devem sair do Sinpol até o Palácio do Campos das Princesas

“Não é novidade para a sociedade pernambucana que a segurança pública de Pernambuco passa por uma profunda crise, faltando comando e sobrando trapalhadas. Os policiais civis de Pernambuco têm o pior salário do Brasil e trabalham diariamente em condições desumanas, sendo obrigados a fazer cotas para material de escritório, água, copos e até mesmo a limpeza das delegacias e Institutos da Polícia Civil. A situação é caótica”, informou a nota oficial divulgada pelo sindicato.

Atualização dia 03/08/16 às 11h10

Depois da assembleia e da passeata realizadas nessa terça-feira, uma comissão do Sinpol foi recebida por representantes do governo no Palácio do Campo das Princesas. Depois da conversa, a categoria decidiu que não faria paralisação das atividades, pelo menos por enquanto.