Polícia investiga morte de universitário da Paraíba que veio para rave no Paiva

A Polícia Civil de Pernambuco está responsável por investigar os motivos e descobrir quem são os culpados (se existirem) pela morte de um estudante de direito de 20 anos que veio da Paraíba para participar de uma rave no Grande Recife nesse final de semana. Hector Igor foi encontrado sem vida e com sinais de espancamento pelo corpo. O jovem, que segundo, parentes, amava as festas de música eletrônica foi quem organizou a vinda do grupo paraibano para a Reserva do Paiva e vendeu ingressos aos amigos que vieram com ele. Amigos esses que o deixaram para trás sem nem contarem à polícia o que poderia ter acontecido com ele.

O delegado da seccional de Jaboatão dos Guararapes, Joel Venâncio, deve designar ainda nesta segunda-feira um delegado para ficar responsável pelas investigações sobre a morte do universitário paraibano. Nesse domingo, o delegado de plantão João Furtado ouviu cinco depoimentos, todos de funcionários da festa rave, como seguranças e os responsáveis pelo evento. O corpo de Hector está sendo velado nesta manhã na Igreja Presbiteriana Renascer, no bairro das Malvinas, em Campina Grande, de onde deverá seguir para sepultamento.

Hector cursava direito. Foto: Reprodução/Facebook

Do Diario de Pernambuco

Mistério sobre a morte do universitário paraibano Hector Igor de Souza Lopes, 20 anos. O corpo do rapaz, com lesões na cabeça, nas costas e nas mãos, foi encontrado apenas de cueca a poucos metros da entrada de uma marina, onde acontecia um show de brega, na Reserva do Paiva, Litoral Sul do estado. Ele foi visto pela última vez na madrugada de ontem saindo de uma festa rave na Arena do Paiva. Um tablete com uma substância semelhante ao potente alucinógeno LSD e um algodão com éter estavam dentro da pochete onde foram encontrados os documentos, cartões de crédito e dinheiro do universitário. Overdose ou espancamento são as duas hipóteses levantadas pela polícia. A causa da morte só deve ser esclarecida nos próximos 15 dias, prazo para o laudo do IML ficar pronto. O exame deve apontar se Hector ingeriu drogas até morrer ou se foi agredido.

O universitário, natural de Campina Grande, cursava o terceiro período de direito na Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas (Facisa). Ele veio de van ao litoral pernambucano para a festa Liquid Sky com um grupo de amigos. Os jovens não foram localizados pela polícia. “Ainda não sabemos como ele se separou dos colegas. As testemunhas ouvidas disseram que ele tinha saído da rave para encontrar amigos num show de brega, que acontecia em outro espaço, distante cerca de 350 metros da Arena do Paiva”, contou o delegado João Felipe Furtado, plantonista do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). O que aconteceu entre o local da festa de música eletrônica e a entrada do show de brega é uma incógnita.

Parentes do jovem estiveram na sede do DHPP. Foto: Ricardo Fernandes/DP/D.A.Press

Como o estudante foi encontrado com ferimentos, a polícia não descarta a possibilidade de ele ter sido espancado antes de morrer. “Vamos apurar se houve luta corporal. Não eliminamos nenhuma hipótese. As testemunhas não souberam esclarecer os fatos com precisão”, disse o delegado. As mãos de Hector estavam com marcas que indicavam pressão, como se ele tivesse sido amarrado ou segurado com força. A polícia ainda vai apurar se houve omissão de socorro, pelo tempo em que a vítima permaneceu sem receber atendimento. A produção da rave informou que a festa acontece com estrutura de atendimento médico e ambulâncias, mas que o fato ocorreu fora.

A família do rapaz veio ao Recife na tarde de ontem e cobrou mais responsabilidade dos produtores de festas. Os parentes de Hector foram até a sede do DHPP, na Imbiribeira, para pedir esclarecimentos. Depois, seguiram até a Reserva do Paiva, onde tentaram conversar com pessoas que teriam visto o que aconteceu com o universitário. De lá, foram até o IML, em Santo Amaro, para liberar o corpo. O enterro será hoje em Campina Grande.

Outro caso
Em 2005, o estudante Rodrigo Correa Soares, 27, morreu ao saltar de uma altura de aproximadamente 50 metros, durante a realização de uma festa também da Liquid Sky na Lagoa Azul, em Jaboatão dos Guararapes. A perícia apontou a causa da morte como afogamento. Testemunhas  afirmaram que Rodrigo mergulhou espontaneamente, caindo de costas sobre a lagoa.

 

Casal preso por envolvimento com tráfico de pessoas será ouvido pela CPI

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Câmara que investiga o tráfico de pessoas convocará o casal preso nesta semana em Salvador, acusado de enviar garotas para a Europa para exploração sexual. A informação é do presidente da CPI, deputado Arnaldo Jordy (PPS-PA), que anunciou na última quinta-feira (31) a apresentação de um requerimento para ouvir o homem e a mulher presos pela Polícia Federal (PF), cujos nomes ainda não foram divulgados.

De acordo com a PF, o casal convencia jovens baianas a irem trabalhar em casas de show nas cidades espanholas de Salamanca e Ávila. Cinco brasileiras foram libertadas com a descoberta da quadrilha e estão sob custódia das autoridades da Espanha.

Segundo o presidente da CPI, é preciso ouvir os acusados, para saber a extensão desta rede criminosa. “Os detidos têm muito a informar à comissão sobre como operava o esquema e se há o recrutamento de jovens em outras unidades da federação”, disse.

Arnaldo Jordy também vai solicitar formalmente à Polícia Federal o relatório detalhado sobre as prisões efetuadas, durante a Operação Planeta, e sobre a participação de outra brasileira, que está na Espanha, e que faria parte do esquema de tráfico internacional de pessoas. A próxima reunião da CPI está marcada para quarta-feira (6).

Importância da denúncia
O deputado lembrou que, assim como em outros casos, a prisão do casal em Salvador só foi possível por causa de uma denúncia anônima. “Sem a participação da sociedade fica difícil atuar contra estas quadrilhas, daí a importância da denúncia. Este é um crime muito disfarçado e que acontece, geralmente, acompanhado de extorsão e chantagem”, acrescentou.

Da Agência Câmara

 

A CPI do Tráfico de Pessoas tem um canal também para receber denúncias. Por telefone, elas podem ser feitas pelo número: (61) 3216-6275 ou pelo email: cpitraficodepessoas@camara.leg.br

Plenário pode votar projetos sobre crimes e penas

O Plenário pode votar neste ano nove projetos de lei que modificam penas atualmente previstas na legislação brasileira para diferentes tipos de crime. Em alguns casos, como no homicídio, a sanção é agravada. Em outros, como o furto, a pena é diminuída. As propostas são o resultado do trabalho da Subcomissão de Crimes e Penas, que faz parte da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ). Durante vários meses, o grupo ouviu especialistas e discutiu uma reforma pontual no Código Penal (Decreto-Lei 2.848), que é de 1940, e também propôs mudanças na Lei dos Crimes Ambientais (9.605/98) e nos estatutos do Idoso (Lei 10.741/03) e da Criança e do Adolescente (Lei 8.069/90), a fim de reequilibrar penas. “Propomos um ajuste na legislação penal brasileira de forma que ela se torne mais justa. Crimes mais graves devem receber punição mais dura e crimes mais leves, punição proporcional”, explica o relator da subcomissão, deputado Alessandro Molon (PT-RJ).

Crimes contra a vida
Na opinião de Molon, o aspecto mais relevante dos trabalhos é o agravamento das penas dos crimes contra a vida. Um dos projetos (o PL 4893/12) aumenta a pena mínima prevista para os casos de homicídio simples – de seis para oito anos de reclusão. A proposta também inclui os homicídios causados por preconceito de raça, condição socioeconômica ou religião, por exemplo, entre os homicídios qualificados, com pena de reclusão de 12 a 30 anos. Se virar lei, essa pena também passará a valer para os homicídios ligados a atos de improbidade administrativa.

Outro projeto aumenta as penas dos crimes de corrupção. O PL 4895/12 prevê pena de 4 a 15 anos de reclusão para os casos de corrupção qualificada, novo conceito definido pela proposta. Incorre no crime o funcionário que retarda ou deixa de praticar qualquer ato de ofício, pratica-o infringindo dever funcional, viola lei ou normas administrativas; causa elevado prejuízo ao patrimônio público; e desvia valores ou utiliza mal recursos destinados a serviços públicos essenciais, como saúde e educação. Atualmente, para o funcionário que infringe o dever funcional, o Código Penal estabelece detenção de três meses a um ano ou multa.

…Continue lendo…

Detento é ferido em confusão no Complexo do Curado

Depois da fuga em massa na semana passada, mais uma unidade do Complexo Prisional do Curado volta a apresentar problemas. Uma confusão entre presos por motivos ainda desconhecidos causou corre-corre na unidade Presídio Agente Marcelo Francisco de Araújo (Pamfa), no final da manhã desta sexta-feira.

Segundo fontes do blog, os próprios agentes controlaram a confusão e não foi preciso a intervenção da Polícia Militar (PM). Tiros de advertência foram disparados na unidade. Um dos detentos do presídio acabou sendo agredido pelos colegas de cela e teve ferimentos na cabeça. O nome do preso ferido é José Edson de Souza e ele foi socorrido para o Hospital Otávio Freitas (HOF). A assessoria de imprensa da Secretaria de Ressocialização (Seres) informou que a situação está controlada no local e que não houve princípio de rebelião.

Ainda de acordo com a assessoria, o detento responsável por ferir o outro preso já foi identificado e está sendo levado para a Delegacia de Jardim São Paulo.

 

 

 

Três PMs condenados pela morte da juíza Patrícia Acioli

A Justiça do Rio condenou nesta semama três dos 11 policiais militares acusados de participação na morte da juíza Patrícia Acioli, ocorrida em agosto de 2011. Os três receberam penas diferenciadas. O cabo Jefferson de Araújo Miranda foi condenado a 26 anos; o cabo Jovanis Falcão, a 25 anos e seis meses; e o soldado Junior Cezar de Medeiros, a 22 anos e seis meses. Todos em regime de reclusão, inicialmente fechado.

Os três réus foram condenados pelos crimes de homicídio triplamente qualificado e formação de quadrilha. O júri foi presidido pelo juiz Peterson Barroso Simão, do 3º Tribunal do Júri de Niterói. Ao ler a sentença o magistrado disse que “a população não suporta mais a banalização da violência e que a vitória não deve ser sobre o inimigo, mas sobre o próprio ódio”.

O juiz relatou na sentença que a participação de cada um foi “decisiva”. “A barbárie não pode se espalhar em solo fluminense, nem brasileiro”, disse o magistrado, que manteve a prisão dos réus e declarou a perda do cargo público.

Em seguida, o juiz Peterson Barroso descreveu a participação de cada um dos condenados. O cabo Jovanis Falcão apresentou culpabilidade intensa. Ele ocultou o terceiro executor no veículo Palio que participou do crime, ateou fogo no carro para inviabilizar a perícia técnica e tinha em sua casa espólio de guerra. “Ele apresentou personalidade de completo desvalor à vida alheia”, disse o juiz.

…Continue lendo…

Policiais civis do estado cairão na folia com o bloco Canabrava

Com 21 anos de existência, o bloco de carnaval Canabrava, mantido pelo Sindicato dos Policiais Civis de Pernambuco (Sinpol) vai ganhar as ruas do centro do Recife na próxima sexta-feira (08). A troca das camisas já está sendo realizada na sede do Sinpol, em Santo Amaro. Bloco antecipa os festejos de momo para os policiais civis, já que durante os quatro dias de folia eles estarão trabalhando para garantir a segurança da população.

O desfile sempre acontece na véspera do Galo da Madrugada. Cada camisa está sendo trocada por dois quilos de alimento não perecível, e toda a arrecadação será encaminhada para as vítimas da seca no Sertão. A atração principal do bloco será a Banda Cerveja e Beijo, com o trio Rekebra. A concentração está marcada para as 15h e a saída do bloco prevista para às 20h, com roteiro que parte da Rua Frei Cassimiro, em frente a sede do Sinpol/PE, em Santo Amaro, segue pela Avenida Cruz cabugá, Rua Princesa Isabel, e Rua da Aurora, finalizando em frente ao Instituto de Identificação Tavares Buril (IITB).

Criado em 1992, por um pequeno grupo de policiais civis, hoje o Canabrava reúne não só a categoria e seus familiares, mas os moradores do bairro de Santo Amaro e adjacências. Atenção, policiais civis, corram e façam a troca das suas camisas para brincar o carnaval com o colegas de profissão.

Serviço:

Bloco CanaBrava
Sexta-feira (08/02/2013)
Concentração 15h
Saída 20h
Banda Cerveja e Beijo e Trio Rekebra
Local: Sede do Sindicato dos Policiais Civis de Pernambuco – Sinpol/PE – Rua Frei Cassimiro, 179, bairro Santo Amaro.
Roteiro: Rua Frei Cassimiro, Av. Cruz Cabugá, Rua Princesa Isabel, Rua da Aurora.