Polícia Civil em rota de colisão com o Ministério Público de Pernambuco

Está sendo bastante comentada entre os delegados da Polícia Civil do estado a operação realizada nessa terça-feira, Dia Nacional de Combate à Corrupção, que prendeu 91 pessoas em 12 estados brasileiros. Um tremendo mal-estar está formado entre a Polícia Civil e o Ministério Público de Pernambuco (MPPE). Isso porque os delegados estão alegando que o MPPE anunciou ser o responsável pelas investigações que prendeu quatro pessoas envolvidas no esquema criminoso no município de Garanhuns, no Agreste do estado.

Delegado Altemar Mamede investigou o caso. Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A.Press

Delegado Altemar Mamede investigou o caso. Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A.Press

A celeuma ganha força nesse momento porque está prestes a ser votada uma PEC que retira do Ministério Público o direito de realizar investigações sobre crimes. Através de um e-mail, a Secretaria de Defesa Social e Polícia Civil de Pernambuco informam que “a elucidação das irregularidades no Hospital Dom Moura, em Garanhuns, foi resultado de trabalho realizado por uma equipe da instituição cujo responsável foi o delegado Altemar Mamede, depois de indícios apresentados pela alta direção da Secretaria Estadual de Saúde, em Julho de 2012.”

A nota segue informando que “os quatro acusados presos nessa terça-feira durante a Operação Nacional Contra a Corrupção já haviam sido investigados pela Polícia Civil desde julho de 2012, quando a Secretaria Estadual de Saúde denunciou o desvio de verbas públicas à Secretaria de Defesa Social.”

De acordo com a SDS, o delegado Altemar Mamede foi designado para apurar os fatos criminosos. Durantes as investigações, o delegado solicitou à justiça a quebra dos sigilos telefônicos dos envolvidos, que identificou a prática dos crimes de falsidade ideológica, peculato (apropriar-se de dinheiro em razão do cargo público), inserção de dados falsos em sistema de informação da Administração Pública, lavagem de dinheiro, formação de quadrilha e ameaça. Ao final do inquérito policial, o delegado solicitou as prisões preventivas dos quatro indiciados, com indicação de materialidade e autoria do fato.

Já a Associação dos Delegados de Polícia de Pernambuco (ADEPPE) também divulgou nota esclarecendo que “o delegado Altemar Mamede chegou, inclusive, a solicitar à Justiça as prisões preventivas da diretora da unidade e de outros três funcionários quando terminou as investigações. O pedido, entretanto, foi negado pela Justiça, já que na época o Ministério Público de Pernambuco ofertou parecer contrário às prisões.”
A nota diz ainda que “o inquérito retornou à delegacia onde foram realizadas novas diligências sendo encontrados mais indícios do crime. Os autos retornaram à Justiça, há três meses, com todas as provas produzidas pela Polícia Civil. A ADEPPE ficou surpresa com a operação deflagrada ontem pelo Ministério Público de Pernambuco onde a instituição se posiciona como autora das investigações. Fato que não procede.”
Com informações da Assessoria de Imprensa da SDS e da ADEPPE

Leia mais sobre o assunto em:

Comissão aprova PEC que exclui possibilidade de Ministério Público investigar crimes

O medo nos estacionamentos dos supermercados

Por mais absurdo que pareça, quem usa os estacionamentos de grandes supermercados do Recife está sujeito a ações de bandidos, como a que quase provocou a morte de uma funcionária pública de 29 anos na última segunda-feira. No dia seguinte ao crime, o clima de medo aumentou entre clientes dos estabelecimentos. Quem já costumava tomar precauções nesses ambientes está redobrando os cuidados a partir de agora. O reforço na segurança, no entanto, nem sempre anda no mesmo ritmo.

Clientes têm medo de serem abordados nos estacionamentos. Foto: Bernardo Dantas/DP/D.A.Press

Clientes têm medo de serem abordados nos estacionamentos. Foto: Bernardo Dantas/DP/D.A.Press

O caso que chamou atenção pela brutalidade aconteceu no Extra da Madalena, por volta das 21h da segunda. O marido da vítima, um advogado de 32 anos, disse que o criminoso quis obrigá-la a entrar no carro, um Nisan Livina, mas ela se recusou, o que teria provocado a reação do suspeito. “Não sabemos qual era a intenção dele, se era assaltar ou estuprar. Ela acredita que ele estava muito drogado”, contou. Depois de quase ser linchado pelos clientes, o criminoso foi preso em flagrante e levado para o Cotel, em Abreu e Lima.

A mulher, cujo nome a família prefere não revelar, está internada em situação estável no Hospital Portugûês. Ela teve fraturas múltiplas no rosto e apresenta muito inchaço no local. A cirurgia poderá ser feita assim que os edemas diminuam.

No hipermercado onde ocorreu o caso, não havia seguranças no estacionamento ontem à tarde. “Se houvesse fiscalização, isso não teria acontecido”, comentou a dona de casa Jaquilene Gomes, 45. O marido dela, o autônomo Genildo Moura, 54, concorda: “Não temos vigilantes na área interna ou externa. É muito perigoso”, acrescentou.

A aposentada Cristina Lisbôa, 76 anos, disse que todas as semanas vai ao Carrefour, na Torre, pelo menos uma vez, e que se sente insegura quando segue para o estacionamento, onde costuma deixar seu carro. “Certa vez precisei pedir para uma pessoa me acompanhar até o veículo porque um estranho estava me seguindo”, comentou. No mesmo lugar, o aposentado Pedro Gonçalves, 66, disse que nunca sofreu tentativas de assalto, mas defende que deveria haver mais segurança no supermercado. “Nunca vejo vigilantes por perto dos veículos”, criticou. Coincidentemente, no mesmo momento da entrevista um deles passou de moto fazendo a ronda.

Através de nota, o Extra informou que prestou assistência imediata à vítima, que foi encaminhada ao hospital. “O estacionamento do Extra tem medidas para garantir a segurança dos clientes, tais como empresa terceirizada responsável pela segurança do local, controle de entrada e saída dos veículos através de câmeras de monitoramento e equipe treinada para acionar as autoridades competentes mediante qualquer atitude suspeita. A rede reitera que permanece à disposição das autoridades competentes para prestar os esclarecimentos necessários”, diz a nota. A assessoria de imprensa do Carrefour, no entanto, afirmou que a rede não costuma falar sobre a segurança ofertada nos supermercados da rede, por cautela.

Do Diario de Pernambuco

 

Cliente ferida em assalto no supermercado passa por cirurgia

Uma mulher foi assaltada e agredida no final da noite dessa segunda-feira dentro do estacionamento coberto de um supermercado na Rua Benfica, no bairro da Madalena, no Recife.Testemunhas contaram que a vítima, uma servidora pública de 29 aos que pediu para não ser identificada, foi agredida e ferida em um dos olhos com uma chave, quando guardava as compras no carro.

Homem foi autuado em flagrante e levado para o Cotel. Foto: TV Clube/Reprodução

Homem foi autuado em flagrante e levado para o Cotel. Foto: TV Clube/Reprodução

A vítima foi levada para o Hospital do Português. Ela sofreu várias fraturas na face e deve ser submetida a uma cirurgia.

Testemunhas contaram que a vítima chegou e ser ferida no olho por uma chave. O estacionamento ficou bastante movimentado após o assalto. Foto: Facebook/Reprodução
Testemunhas contaram que a vítima chegou e ser ferida no olho por uma chave. O estacionamento ficou bastante movimentado após o assalto. Foto: Facebook/Reprodução

O assaltante foi detido por clientes do estabelecimento e foi livrado de linchamento por  funcionários do local. Ferido, ele foi encaminhado por policiais militares para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Caxangá e de lá para Delegacia da Várzea. Identificado como Greysson Gomes Falcão, 39 anos, o suspeito foi encaminhado para o Centro de Observação e Triagem Professor Everardo Luna (Cotel) em Abreu e Lima.

Do Diariodepernambuco.com.br

Leia  mais sobre o assunto em:

Mulher é agredida durante assalto em supermercado na Madalena

Adolescente assassinado na Funase estava marcado para morrer

Um fim trágico e anunciado. Um adolescente de 16 anos com histórico de infrações e marcado para morrer, foi assassinado na unidade da Funase em Abreu e Lima, na madrugada dessa segunda-feira. Os suspeitos são quatro colegas de cela, também adolescentes. Douglas Leitão da Silva, a vítima, cumpria medida socioeducativa naquela unidade há oito dias após ser apreedido por participar de um assalto. Antes disso, ameaças de inimigos já haviam forçado ele e família a deixarem sua casa, num bairro periférico de Jaboatão, e entrar no Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte (PPCAAM).

A família chegou a se mudar para outro estado, mas voltou alegando não ter condições de sobreviver com os R$ 100 e a cesta básica fornecidos mensalmente pelo programa. A morte de Douglas foi a terceira numa unidade da Funase neste ano. As outras duas foram em Caruaru. Após o caso, o secretário da Criança e Juventude, Pedro Eurico, anunciou a ampliação de vagas nas unidades e a contratação de novos agentes socioeducativos.

Secretário Pedro Eurico anunciou medidas. Foto: Edvaldo Rodrigues/DP/D.A.Press

Secretário Pedro Eurico anunciou medidas. Foto: Edvaldo Rodrigues/DP/D.A.Press

Os quatro suspeitos confessaram a morte ao delegado Igor Leite. “Eles mataram o adolescente porque acharam que ele queria delatar alguma coisa. Contaram que usaram fio de ventilador e lençóis”. Os familiares de Douglas disseram que tentaram de tudo para tirá-lo do crime. “Esse menino estudava e fazia reforço. Mas preferiu outros caminhos. Começou a praticar roubos e furtos e trazia as coisas para dentro de casa. Foi quando reclamamos com ele e procuramos ajuda do Conselho Tutelar”, detalhou o padrasto, o autônomo Severino Anselmo, 41.

A mãe de Douglas contou que o filho deixou a casa recusando ajuda da família lhe dava. “Fomos levados para vários lugares longe da minha casa e ele não melhorava. Também passou a consumir drogas. Foi então que resolvi voltar para junto do meu marido e acabei saindo do PPCAAM”, afirmou a dona de casa Claudiceia Leitão da Silva, 37, que tem outros cinco filhos mais novos. Apesar de ter sido reconhecido pela mãe e pelo padrasto na tarde dessa segunda-feira, o corpo do adolescente permanece no IML, no Recife. O sepultamento deve acontecer nesta terça-feira no Cemitério da Saudade, em Jaboatão.

…Continue lendo…

Mulher é agredida durante assalto em supermercado na Madalena

Frequentar shoppings e supermercados, onde muitas vezes pagamos até um pouco mais caro pelos produtos, já foi sinônimo de um pouco de segurança. Isso porque como os estabelecimentos são particulares, supomos que eles tenham seguranças para garantir que os seus clientes façam suas compras e voltem para casa com tranquilidade. No entanto, uma cena registrada no final da noite dessa segunda-feira no Recife deixou muita gente revoltada.

Polícia chegou ao local após o suspeito ser detido. Foto: Augusto Farias/Facebook

Polícia chegou ao local após o suspeito ser detido. Foto: Augusto Farias/Facebook

Um homem de 39 anos foi detido ao tentar assaltar e espancar uma senhora no estacionamento coberto de um supermercado na Rua Benfica, no bairro da Madalena. Clientes da loja viram a ação e conseguiram deter o suspeito. Ele só não foi linchado porque os funcionários do estabelecimento impediram a fúria dos clientes. O suspeito foi levado para Delegacia da Várzea, após a chegada da Polícia Militar.

Segundo relatos postados no facebook, a senhora que foi vítima chegou e ser ferida no olho por uma chave, o que deixou os demais clientes ainda mais revoltados. A mulher, que não teve o nome revelado, teria sido levada para um hospital particular e estaria passando bem. Ainda segundo os depoimentos das pessoas que comentaram e compartilharam a notícia nas redes sociais, a tentativa de assalto aconteceu num conhecido supermercado na Madalena, no entanto, como ainda não tenho informação confirmada pela polícia e nem mantive contato com a rede de lojas (devido ao horário da publicação da nota), não irei publicar o nome do supermercado ainda.

Notícia publicada às 3h30. Esse post será atualizado quando obtiver mais informações.

 

Julgamento dos acusados do Massacre do Carandiru é adiado para o dia 15

O julgamento do Massacre do Carandiru, que teve início na manhã dessa segunda-feira (ontem), foi suspenso no início da tarde após uma das juradas passar mal, e só será retomado na próxima segunda-feira (15). Com a suspensão, um novo júri deve ser escolhido, sendo que nenhum dos que já foram selecionados poderá retornar como jurado, de acordo com o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP). O adiamento foi comunicado no retorno do intervalo do almoço, por volta das 14h30.

O júri popular teve início, no Fórum da Barra Funda, com cerca de duas horas e meia de atraso, por volta das 11h30. Foram selecionados sete jurados, sendo cinco mulheres e dois homens. Ainda durante a manhã, os jurados receberam um documento para que eles rememorassem o caso. A leitura durou aproximadamente 40 minutos. Em seguida, todos foram liberados para o almoço.

Serão julgados a partir da próxima segunda-feira 26 dos 79 policiais militares acusados pelas mortes de 111 presos na Casa de Detenção do Carandiru, ocorridas em 1992. Devido ao grande número de réus, o júri está sendo feito em etapas. Nesse primeiro bloco, estava previsto o julgamento de 28 policiais, mas dois morreram: Valter Ribeiro da Silva e Luciano Wukschitz Bonani. Dois réus – Argemiro Cândido e Reinaldo Henrique de Oliveira – não compareceram hoje ao julgamento por motivos de saúde.

A primeira etapa de julgamento envolve os policiais que aturam no segundo pavimento do presídio. Eles respondem por 15 acusações de homicídio qualificado. Serão julgados neste bloco: Ronaldo Ribeiro dos Santos, Aércio Dornelas Santos, Wlandekis Antonio Candido Silva, Roberto Alberto da Silva, Antonio Luiz Aparecido Marangoni, Joel Cantilio Dias, Pedro Paulo de Oliveira Marques, Gervásio Pereira dos Santos Filho, Marcos Antonio de Medeiros, Paulo Estevão de Melo, Haroldo Wilson de Mello, Roberto Yoshio Yoshikado, Fernando Trindade, Salvador Sarnelli, Elder Tarabori, Antonio Mauro Scarpa, Marcelo José de Lira, Roberto do Carmo Filho, Zaqueu Teixeira, Osvaldo Papa, Sidnei Serafim dos Anjos, Eduardo Espósito, Maurício Marchese Rodrigues, Marcos Ricardo Poloniato, Argemiro Cândido e Reinaldo Henrique de Oliveira.

Da Agência Brasil

Prédio da presidência da Funase, no Bongi, será demolido

O secretário da Criança e da Juventude do estado, Pedro Eurico, anunciou nessa segunda-feira que o prédio onde funciona a presidência e diretorias da Fundação de Atendimento Socioeducativo (Funase), na Avenida Abdias de Carvalho, no bairro do Bongi, no Recife, será demolido até o próximo mês. No local, ficará funcionando apenas o Centro de Internação Provisória (Cenip).

A nova sede da presidência da Funase será na Avenida Rosa Silva, no bairro dos Aflitos. “Vamos transformar a unidade do Cenip do Bongi numa unidade modelo em Pernambuco. A secretaria da Criança e Juventude seria transferida para a Rosa Silva, mas preferir ficar aqui mesmo na Cruz Cabugá e mudar a sede da Funase. Até o mês que vem vamos começar a demolição. Enquanto isso, os adolescentes permancem na unidade”, ressaltou Pedro Eurico.

 

Policiais e bombeiros terão posto para monitorar o Rio Capibaribe

Durante a consulta pública para a elaboração do Pacto pela Vida do Recife realizada nesse sábado, o secretário de Defesa Social, Wilson Damázio, anunciou uma parceria com a Prefeitura do Recife para a instalação de um posto de monitoramento do Corpo de Bombeiros no Rio Capibaribe, no Centro do Recife. No local, também devem trabalhar guardas municipais e policiais.

Chamada pelo secretário de base fluvial, a unidade é uma iniciativa da SDS para melhorar o patrulhamento nas águas do Capibaribe. A ideia é utilizar um prédio do município que fica na Avenida Martins de Barros, em frente ao Fórum Thomaz de Aquino. O investimento necessário para a construção do posto é de R$ 2,5 milhões.

“Já temos algo semelhante na orla de Boa Viagem e queremos levar isso também para o Centro. O próximo passo para concretizar esse projeto é pedir autorização dos órgãos ambientais”, afirmou Damázio.

O secretário também pediu apoio da PCR para que a Guarda Msunicipal atue em parceria com a Polícia Militar nos postos comunitários. A ideia é que uma dupla de guardas fique nos postos prestando atendimento à população e acionando a polícia via rádio, enquanto os PMs estariam realizando a ronda na comunidade.

Com informações do Diario de Pernambuco

Portos do Brasil na rota do tráfico de cocaína para a Europa

Os portos brasileiros se tornaram uma rota alternativa para levar cocaína produzida na América do Sul a países da Europa. Segundo a Receita Federal, mais de dez toneladas da droga foram apreendidas em carregamentos marítimos que saíram ou iriam sair de portos brasileiros em três anos, de 2008 a 2011. A rota foi reconhecida oficialmente em relatório recente da Jife (Junta Internacional de Fiscalização de Entorpecentes) – o órgão independente criado para fiscalizar a implementação dos tratados da ONU sobre drogas.

Até então, o país era conhecido mais por fazer parte da rota aérea da cocaína, em que viajantes são recrutados para embarcar em voos para a Europa com cocaína escondida na bagagem ou no corpo. O documento aponta a África Ocidental como o mais novo centro de contrabando de cocaína de países sul-americanos – como Colômbia, Bolívia e Peru – para a Europa. Segundo a Jife, desde 2007, quadrilhas internacionais têm intensificado o transporte da droga por via marítima para essa região.

De acordo com o relatório, estatísticas de 2011 (as mais recentes) apontam que quase metade da cocaína apreendida no mar vem de portos brasileiros. Os principais países de destino dessas cargas são Benin, Camarões, Gana, Nigéria, Serra Leoa e Togo. A partir desses países, a droga é redistribuída para destinos na Europa, como Espanha, Portugal e Bélgica.

Segundo dados da Receita Federal, ao menos 10,5 toneladas de cocaína foram apreendidas em 60 operações diferentes desde 2008. Essa droga embarcou ou iria embarcar em navios por meio de portos brasileiros.

Esconderijos

Segundo o delegado Ivo Roberto Costa da Silva, da Polícia Federal, as quadrilhas que operam nos portos brasileiros são internacionais. Boa parte delas seria formada por criminosos de origem sérvia. A natureza do transporte marítimo também permite aos criminosos enviar grandes quantidades da droga de uma só vez. Em alguns carregamentos interceptados, mas de uma tonelada de cocaína foi apreendida.

A Polícia Federal e a Receita já encontraram os mais diversos tipos de esconderijos usados para ocultar a droga. Em apreensões recentes, a cocaína foi encontrada em cargas de carvão, em tonéis de suco de laranja congelado e em embalagens de detergente. Outra tática comum dos criminosos é ocultar o entorpecente dentro da estrutura metálica de contêineres que saem vazios do país, segundo Cleiton Simões, inspetor-chefe da Receita Federal no porto de Santos.

Para combater essas práticas, a Receita está comprando equipamentos de raio-x cada vez mais sofisticados para aumentar sua capacidade de inspeção de contêineres. Alguns conseguem penetrar chapas de metal de quase três centímetros de espessura. As cargas são examinadas antes de embarcar nos navios.

“Conseguimos escanear até 120 contêineres por hora. Temos uma equipe que faz uma análise de risco; eles selecionam os contêineres com maior possibilidade de conter drogas. Com os escâneres, o cão de faro e a sensibilidade dos nossos fiscais, temos feito grandes apreensões”, disse Simões. Ele afirmou que nos próximos dias um segundo tipo de escâneres de alta capacidade entrará em atividade no porto de Santos, a fim de dobrar essa capacidade.

Da BBC Brasil

Sugestões da sociedade foram todas gravadas pela prefeitura

Maior integração da Guarda Municipal com a Polícia Militar, atenção aos Centros de Atenção Psicossocial (Caps), melhoria na educação e na saúde, maior garantia aos direitos humanos, parcerias entre o governo e a prefeitura. Essas foram apenas algumas das sugestões dadas pelas cerca 600 pessoas que participaram neste sábado da consulta pública para a elaboração do Pacto pela Vida do Recife. O evento que aconteceu no Centro de Formação de Professores, na Madalena, foi bastante concorrido. Em todas as seis salas de debates, as críticas e sugestões foram gravadas para depois serem analisadas e discutidas pela prefeitura.

Todas as salas estavam lotadas. Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A.Press

Todas as salas estavam lotadas. Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A.Press

Antes de começar as reuniões nas salas temáticas, foi apresentado pelo gerente de análise criminal da secretaria de Segurança Urbana do Recife, Eduardo Alencar, o panorama criminal da cidade. Segundo Alencar, o Recife tem hoje uma taxa de 38, 3 mortes para cada 100 mil habitantes. “Em 2006, Recife tinha uma taxa de 72 assassinatos para cada 100 mil habitantes. A cidade conseguiu reduzir bastante, assim como o estado, após a implantação do Pacto pela Vida do estado”, ressaltou.

Alencar destacou ainda que das 598 mortes registradas no Recife no ano passado, um total de 163 aconteceram em nove bairros críticos apontados pelas estatíticas. Essas localidades concentraram 27% de todos os homicídios de 2012 e irão receber uma atenção especial da Prefeitura do Recife. Ao final da aberta do evento, o prefeito Geraldo Julio anunciu que o edita de licitação para a construção do Compaz do Bongi foi publicado no Diário Oficial deste sábado. A unidade fica perto do bairro dos Torrões, uma das comunidades marcadas com violenta pela prefeitura.

Leia mais sobre o assunto em:

Para atingir meta do Pacto, Recife “só” pode ter mais 402 assassinatos em 2013

População e PCR trocam informações para criar Pacto pela Vida Municipal